Após a Conferência Geração Santa, que comentamos no texto anterior, houve a Conferência de Jovens, com o tema “Transportados à Glória”. Foram quatro dias abençoados em que irmãos preocupados em cuidar dos jovens ministraram a Palavra de Deus para nossa cura e fortalecimento.

Desde a abertura, ficou clara a preocupação com a pressão vivenciada por muitos jovens atualmente. Tensões nos estudos, dificuldades no trabalho, pressões na sociedade e até mesmo na igreja: há muitas coisas pesando sobre nossos ombros, levando-nos constantemente a atingir alguns de nossos limites. Assim, num mundo que impõe uma busca por produtividade, nos bombardeia com grande quantidade de informação e gera um distanciamento nos relacionamentos, é necessário ouvir a Palavra consoladora daquele que leva nossos fardos sobre Si (Mateus 11:28-30; 1 Pedro 5:7) e nos ensina a viver de maneira saudável.

Desembaraçados de todo peso

“Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta”

(Hebreus 12:1).

A segunda mensagem da conferência, ministrada pelos irmãos Ezra Ma e Lucas Lalla, teve o título “Desembaraçados de todo peso”. A expressão vem do capítulo 12 de Hebreus, versículo 1. Essa passagem diz que estamos numa corrida, a vida cristã, na qual buscamos amadurecer em Cristo e servi-Lo, a fim de alcançar Seu propósito para nós.

No entanto, há coisas que nos atrapalham a correr. O pecado pode ser rapidamente apontado como um desses itens. Mas, além dele, há certos pesos que se acumulam sobre nós e tornam nossos passos lentos, podendo impedir nosso progresso. Assim, é importante nos perguntarmos: o que tem impedido o desenvolvimento da minha vida com Cristo? A mensagem abordou alguns desses “pesos” por meio de cinco perguntas que devem servir de reflexão.

1º Pergunta: “Estou bem?”

A primeira pergunta era “eu estou bem?”. Essa é uma pergunta simples, mas que muitas vezes não respondemos com sinceridade. Pode ser que tenhamos dificuldade em contar aos irmãos da igreja quando não estamos bem espiritualmente, mas precisamos fazê-lo e pedir que orem por nós. 

Talvez a causa dessa dificuldade em falar venha de alguns entendimentos incorretos. Por exemplo, podemos pensar que os irmãos líderes estão sempre bem. Porém, isso não é verdade, pois esses irmãos também podem ficar vulneráveis e fracos. Não há vergonha em dizer que se está assim. O que não podemos é permanecer na debilidade. Precisamos superar os momentos de fraquezas e encorajar outros por meio da experiência que passamos.

“Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pecadores”

(Marcos 2:17).

Enquanto os religiosos da época mantinham uma aparência de força, Jesus mostrava compaixão pelos fracos e pecadores. Contrariando a postura daqueles que se diziam fortes, Jesus disse que os sãos não precisam de médico. Ele é o médico que veio trazer ensino e cura aos pecadores (Mt 9:35). Deus veio chamar aqueles que não estão bem. Ele não quer que sustentemos falsas aparências, mas que nos acheguemos a Ele abertamente. 

Assim como as multidões de quem Jesus se compadeceu estavam aflitas e exaustas (Mateus 9:36), pode ser que nós também estejamos aflitos, isto é, numa situação em que não vemos saída. Pode ser que também estejamos exaustos, cansados de tentar a mesma coisa muitas vezes e fracassar.

Mas Deus não quer que sejamos alguém que não somos. Ele deseja que sejamos honestos e nos acheguemos a Ele da maneira que estamos, que Lhe contemos os sentimentos que estamos experimentando.

Há quem se sinta pressionado a viver uma vida de santidade. E, para alguns, o serviço na igreja pode passar a ser sentido como um fardo. Mas a vida cristã não é assim. Nosso viver deve ser entregue ao Senhor. Deus é quem dá força para que sejamos capazes de servi-Lo . Encontramos essa força na leitura da Palavra. E não caminhamos com Ele de maneira forçada. Faremos melhor se pensarmos em andar um passo de cada vez. Nosso Deus é paciente e nos chama a descansar Nele para que então possamos servi-Lo.

Precisamos descansar em Cristo. A obra pertence a Ele, não a nós. Aquele que começou a obra em nós há de completá-la (Filipenses 1:6). Não somos nós que iremos completá-la, mas Deus!

2º Pergunta: “sinto medo de enfrentar o desconhecido?”

A segunda pergunta era “eu sinto medo de enfrentar o desconhecido, o novo?”

Ao ler sobre Josué em Deuteronômio 31, vemos que ele teve medo. Moisés estava partindo e passando para Josué a responsabilidade de cuidar do povo de Israel, uma multidão de mais de 2 milhões de pessoas. Era uma tarefa de grande dificuldade. Mas Moisés falou a Josué, dirigindo-se a ele com palavras de encorajamento que podem trazer-nos força nos dias de hoje:

Chamou Moisés a Josué e lhe disse na presença de todo o Israel: Sê forte e corajoso; porque, com este povo, entrarás na terra que o Senhor , sob juramento, prometeu dar a teus pais; e tu os farás herdá-la. O Senhor é quem vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes.

(Deuteronômio 31:7‭-‬8).

O Senhor garante que não nos deixará. Sabendo disso, precisamos nos preparar para assumir os desafios à frente, como, por exemplo, as responsabilidades que outros terão de nos passar. 

3º Pergunta: “estou condicionado ao ambiente?”

A terceira pergunta era: estou condicionado ao ambiente? Conseguimos desfrutar do Senhor apenas em situações ideais? Quando problemas acontecem e tudo desmorona à nossa volta, ainda temos contentamento no Senhor?

Vejamos Paulo e Silas, em Atos 16. Eles estavam na prisão, mas cantavam louvores (v. 25). Em 2 Coríntios 11, a partir do versículo 23, Paulo descreve os sofrimentos pelos quais passou por causa do evangelho. Após uma longa lista de perigos que viveu, ele não reclamou. Paulo pôde dizer ao rei Agripa que não foi desobediente à visão celestial (Atos 26:19). Ele ordenou: “regozijai-vos sempre no Senhor” (Filipenses 4:4) e “em tudo dai graças” (1 Tessalonicenses 5:18). Paulo podia viver contente em qualquer situação (Filipenses 4:13). Assim, nós também não podemos deixar que as condições externas afetem nosso desfrute de Cristo.

4º Pergunta: “eu tenho resiliência?”

A quarta pergunta era: eu tenho resiliência? Isto é, tenho capacidade para lidar com pressões e contratempos? Para isso é preciso paciência. Vivemos numa geração “fast food”, que não sabe esperar. Mas não podemos ser afetados pelo imediatismo reinante. A Palavra nos diz muitas vezes para esperar no Senhor (ex: Salmos 27:14). É Nele que encontramos força para perseverar em meio às adversidades sem que elas nos abalem.

5º Pergunta: “eu tenho uma causa?”

A última pergunta foi: eu tenho um propósito, uma causa? Há muitos jovens soldados americanos que, ao retornarem a seu país, precisaram de acompanhamento psiquiátrico. Eles sofreram de problemas porque lutaram uma guerra sem causa.

A causa dá sentido ao nosso caminhar. Como Paulo, precisamos ter a visão de prosseguir para conquistar aquilo para o que fomos conquistados por Cristo. Seremos vencedores Nele. É preciso esquecer o que passou e avançar (Filipenses 3:12-14).

Mais do que o “como fazer”, mais do que as “técnicas”, precisamos preocupar-nos com a causa, a motivação. Ao nos perguntarmos por que fazemos cada item de nosso serviço, teremos a resposta: “estou fazendo porque amo a igreja, amo a pregação do evangelho”.


Estamos numa corrida, na qual há desafios constantes. Com o tempo, pesos podem se acumular entre nós, dificultando nosso passo. Essa reflexão pode nos ajudar a identificar se estamos nessa condição e a buscar ajuda para nos desembaraçarmos de todo peso, a fim de correr com perseverança. Nossa esperança está no Autor da obra, que a concluirá e, assim, seremos transportados à Glória!

Este foi um comentário sobre alguns dos trechos da Mensagem 02 da Conferência de Jovens: Transportados à Glória, a qual você pode assistir abaixo:

Aqui você pode ouvir e/ou assistir as demais mensagens e palestras:

Mensagens das Conferências (Site)

Mensagens das Conferências (Canal no Youtube)

Encorajamos a assistir e compartilhar o conteúdo dessa conferência maravilhosa!

E você participou da Conferência? Use os comentários para nos contar como foi a sua experiência!

A Conferência de Jovens é um evento semestral realizado na Estância Árvore da Vida, em Sumaré – SP. Geralmente, cerca de 2 mil pessoas participam do evento, que é voltado para jovens de 18 a 30 anos.