Bem… Queridos jovens, no post anterior da nossa série falamos sobre o ambiente, e percebemos quão importante é influenciarmos com o aroma de Cristo tudo que está à nossa volta. Outro ponto que gostaríamos de falar, e que complementará o nosso proceder dentro dos ambientes que estamos, é a nossa cultura cristã (que é muito valiosa, pois por meio dela somos identificados como filhos de Deus). Essa cultura define nossa postura cristã e pode ser apresentada por meio de 3 elementos fundamentais.

Os 3 elementos da cultura Cristã que guiam nossa postura

Quando nascemos somos introduzidos na cultura humana, porém chega uma fase de nossas vidas em que professamos a fé em Jesus e nascemos pela segunda vez. Então, somos introduzidos na cultura cristã. Essa cultura é o que nos caracteriza como diferentes, santos e separados do mundo. Na cultura cristã, existem três elementos fundamentais, já mencionados anteriormente, que estão relacionados à expressão.

O primeiro é a linguagem. Veja o que fala nas Escrituras sobre o modo como os filhos de Deus devem fazer o uso das palavras: ”Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem”. (Efésios 4:29). Vamos enfatizar a palavra TORPE. Um dos seus significados é vergonhoso. Por estarmos introduzidos na cultura cristã o nosso falar não pode ser algo vergonhoso, que foge dos padrões dessa cultura, mas sim um falar que edifica, levando Deus às pessoas.

A cultura humana usa gírias e palavrões. Porém por sermos filhos de Deus, precisamos falar de modo diferente, precisamos falar como aqueles que estão dentro da cultura cristã. Ao nos expressarmos assim, cumpriremos Provérbios 16:24: “Palavras agradáveis são como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo”. Assim, o nosso falar agradará a Deus e às pessoas, conforme suas necessidades.

A cultura humana usa gírias e palavrões. Porém, por sermos filhos de Deus, precisamos falar de modo diferente, precisamos falar como aqueles estão dentro da cultura cristã.

O segundo é a vestimenta. “Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso” (1 Timóteo 2:9). Acredito que esse seja um assunto delicado a se tratar nos dias atuais, quando a maneira de se vestir não é mais algo tão preocupante entre os jovens. Convivemos com uma cultura que enfatiza ao extremo esse requisito. As mulheres são o alvo maior, pois se envolvem com mais facilidade ao olhar uma bela roupa na vitrine. As roupas com certa indecência e sensualidade chamam mais atenção do público e despertam algo nos outros. Despertam a concupiscência dos olhos e a carne se inclina para o pecado – o que é extremamente perigoso!

A postura com respeito as vestimentas é muito importante. Talvez você até pense que estamos falando desse assunto por se tratar de um padrão cristão a ser seguido, porém não é somente isso. Atualmente, as empresas se preocupam com a boa aparência e decência das pessoas. Se, na cultura humana os padrões para vestimenta são elevados, então, os padrões para vestimenta também devem ser elevados na cultura cristã. Portanto, devemos sempre ser exemplos, assim como nosso amado Senhor. Não pense que os homens estão fora dessa! Os homens também precisam ter discernimento quanto ao que vestem, para não causar uma má impressão àqueles que os observam.

Se, na cultura humana os padrões para vestimenta são elevados, então, os padrões para vestimenta também devem ser elevados na cultura cristã.

O terceiro e último elemento é o comportamento. ”Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz” (Efésios 5:8). Nesse requisito são englobados todos os outros itens. O comportamento dentro do ambiente frequentado é de extrema importância para o influenciar.

Gostaria de compartilhar uma experiência. Eu estava começando o curso técnico e não conhecia ninguém da sala. Logo que cheguei ao segundo dia de aula, a sensação foi um pouco estranha. Apesar de o curso ter começado há apenas um dia, parecia que todos naquele lugar já se conheciam. Isso lhes dava certa liberdade para brincadeiras desagradáveis. Então, a famosa piadinha sobre crente aconteceu. No final dela, o resultado não foi outro, a não ser muitas risadas e deboches. Não mudei meu comportamento desde quando entrei na sala. Continuei sério, sem dar risadas, não me deixando ser levado pelo momento.

Acredito que o meu comportamento diante das brincadeiras, conduziu algumas pessoas a se desculparem no final das risadas e a se preocupar com o fato de possivelmente existir cristãos em sala. Após alguns dias, a pessoa que tinha feito a piadinha se aproximou e me perguntou: “Você é crente?”. Respondi: “Sim!”. Buscava o Senhor e não me sentia diferente por causa disso. No final da nossa conversa, houve pedidos de desculpas da parte dele e, desde então, surgiu uma ótima amizade, pois o respeito e a afinidade passaram a existir no lugar de possíveis conflitos com as insanas piadinhas.

Diante dessa experiência, percebi que o comportamento enfatiza quem somos muito mais que as palavras. Podemos falar muito bem do Senhor, porém, se o nosso comportamento não falar do Senhor, então haverá uma falha em nosso testemunho. E, nessa situação, será difícil expressar Deus e gerar oportunidades para alcançar outras pessoas.

O comportamento enfatiza quem somos muito mais que as palavras.

Jovens, somos a expressão do Senhor! Que o falar, a vestimenta e o comportamento estejam à altura de verdadeiros filhos de Deus. Não se deixe ser influenciado pelas correntezas do mundo, mas influencie aqueles que estão à sua volta. Esses três elementos funcionam como três guardiões. Se forem removidos, abriremos a porta para o mundanismo. Mantenha esses três guardiões ativos, empoderados e próximos de você. Assim você garante que será guardado por tudo o que Deus nos ensinou! Influencie as pessoas mais próximas de seu convívio.

Se você gostou do texto, lembre-se de compartilhar nas suas redes sociais e de deixar seu comentário.

Acesse também outros textos da série:

No próximo post, falaremos sobre “amigos no mundo”, as dificuldades que isso traz e como vencer essas dificuldades. Até a próxima semana! Jesus é o Senhor!