Por sua desobediência, certa nação foi entregue a um príncipe belíssimo, adornado de pedras preciosas, porém de coração perverso e planos malignos, cujas palavras forjavam promessas de alegria e prazeres naqueles que as deixavam penetrar no coração. Seu sistema de governo era chamado kósmos.

O regime do kósmos era impulsionado pela força de atração que dominava o povo, a concupiscência, que gerava intenso desejo carnal, tornava os corações soberbos e cativava inconscientemente as pessoas ao sistema. Assim, quanto mais cheios de falso deslumbre de satisfação, mais atraídos eram pelo kósmos e o sistema cíclico era alimentado.

Todos os dias, contudo, enquanto uma multidão caminhava em direção ao castelo do príncipe, atraídas por suas festas repletas de luzes, sons, riqueza e “alegria”, um homem chamado John caminhava contente e livre com botas velhas e mochila nas costas. A multidão o olhava com raiva, sem entender o motivo pelo qual ele rejeitava a “alegria” oferecida pelo príncipe e dizia amar a um Rei de quem tudo o que se sabia estava escrito num antigo Livro.

John havia conhecido o Rei Jesus e, além de ter sido perdoado da desobediência e absolvido da condenação, fora salvo do sistema kósmos. Ele viu a Cidade que lhe foi dada como nação eterna, experimentou a alegria de estar com o Rei, de amá-Lo e de viver em Seu reino e, assim, descobriu que, até aquele instante, não havia vivenciado real alegria. Desde então, John passou a pertencer à ekklesía, um grupo de pessoas chamadas para fora do sistema kósmos e capazes de experimentar verdadeira satisfação ao viver como cidadãos do reino de Jesus, mesmo habitando na antiga nação.

O Rei, então, advertiu John que, se voltasse a inclinar o coração à força de atração do kósmos, voltaria a ser escravo daquele sistema. Para que isso não ocorresse, John deveria amar a Deus acima de tudo, a fim de não ter espaço no coração para desejos carnais e soberba. A partir daquele momento, John buscou amar a Deus cada dia mais e ficar livre da concupiscência da carne, dos olhos e da soberba da vida. Viveu como forasteiro, procedeu como cidadão do reino de Jesus e aguardou o retorno do Rei.

Por vezes a caminhada de John foi difícil, estreita, cheia de oposição e olhares de raiva, mas o único olhar que buscava era o do Rei. Rompeu os laços com o kósmos, rejeitou a glória exterior, fama e lucro. Amou a Deus, nunca deixou de ter a esperança depositada em Jesus e Seu reino. Aguardou com paciência o retorno do Rei e mostrou a muitas pessoas o caminho da salvação do kósmos. John foi fiel em sua jornada até que veio o dia em que o Rei retornou e destruiu o príncipe perverso com seu sistema maligno.


A história que você acabou de ler foi escrita com inspiração em 1 João 2:15-17, no livro “Não Ameis o Mundo”, de Watchman Nee, e no número 324 de “Hinos”, publicado pela Editora Árvore da Vida.

Assim como o personagem John, nós, cristãos, conhecemos Jesus, recebemos Seu perdão e fomos salvos do mundo. Deus nos chamou para fora do sistema kósmos e nos fez parte de Sua igreja, Sua ekklesía. Estávamos cegos e éramos conduzidos por nossos desejos carnais. Porém quando recebemos a salvação, por meio da graça, recebemos em nosso interior a vida divina que nos libertou. Além disso, já experimentamos que a alegria de estar com o Rei Jesus, de amá-lo e de viver em Seu reino (a igreja é a expressão do reino de Deus na terra) é maior do que qualquer alegria passageira que o mundo pode oferecer.

Agora somos Seus filhos e devemos viver como tais, não podemos voltar a viver como escravos do mundo. Mesmo que algumas vezes sejamos atraídos por aquilo que nos é oferecido, que possamos permanecer firmes, tendo consciência de nossa verdadeira identidade. Deus não nos tirou do mundo, mas devemos viver aqui como forasteiros, aguardando nossa pátria superior e eterna.  Para isso vamos amar a Deus acima de todas as coisas, assim Ele será o rei na nossa vida e não haverá espaço em nosso coração para Desejos carnais.

É certo que a caminhada cristã não é fácil. O caminho é estreito e as provas são variadas. Pelo fato de sermos cristãos o mundo nos odeia. Mas conhecemos a Deus e cremos nas Escrituras. Por isso prosseguimos firmes e confiantes olhando firmemente para o Autor e Consumador da nossa fé. Aguardamos e anelamos pelo retorno de nosso rei Jesus que já derrotou Satanás. Enquanto isso perseveramos aqui amando-O e pregando o evangelho de Seu reino para que outras pessoas também sejam salvas. Quando o Senhor retornar viveremos com Ele eternamente em paz e alegria, dando-lhe louvor, honra e glória. O mundo terá passado, bem como sua concupiscência e Satanás, o príncipe deste mundo, terá recebido juízo de Deus.

Deixe seu comentário