Houve uma época conhecida como período dos juízes que foi marcada por grande degradação do povo de Israel. Tal degradação se deu porque logo após a partida de Josué e dos anciãos da geração dele, o povo se afastou da Palavra do Senhor.

A cada geração que passava, a distância do povo em relação ao Senhor aumentava e a iniquidade também. Lemos em juízes 2 que isso começou pela desobediência. O povo descumpriu o mandamento dado pelo Senhor em Êxodo 34:11-16 e Deuteronômio 7:2-5.

Ao conquistar e vencer outros povos, deveriam expulsá-los e destruir seus altares. Todavia não obedeceram ao Senhor. 

“Vós, porém, não fareis aliança com os moradores desta terra; antes, derribareis os seus altares; contudo, não obedecestes à minha voz. Que é isso que fizestes?”

(Juízes 2:2).

Essa aceitação evoluiu para envolvimento com os costumes daqueles povos e culminou na prática de idolatrar os mesmos deuses que eles.

A iniquidade era tão grande e generalizada que até mesmo os sacerdotes faziam o que era mal perante o Senhor, como foi o caso dos filhos do sacerdote Eli (1 Sm 2:12-17, 22).

No fim do período dos juízes, no tempo do sacerdote Eli, havia um homem chamado Elcana, habitante da região de Efraim e descendente de Levi (1 Sm 1:1; 1 Cr 6:27-28; 33-38). Elcana oferecia sacrifícios ao Senhor todos os anos e adorava-O em Siló.

Ele tinha duas esposas, Penina e Ana. Penina tinha filhos, porém Ana não. Mas Elcana amava mais Ana do que Penina, mesmo que o Senhor a houvesse deixado estéril.

“A Ana, porém, dava porção dupla, porque ele a amava, ainda mesmo que o Senhor a houvesse deixado estéril” (1 Sm 1:5).

Ana vivia amargurada por ser estéril e fez uma oração pedindo que Deus lhe desse um filho. 

“levantou-se Ana, e, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente. E fez um voto, dizendo: Senhor dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha”

(1 Sm 1:10‭-11).

Mas será que o que Ana desejava era realmente o filho em si? Observe que antes mesmo de ter o filho ela já o entregou ao Senhor: “ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida”. Ana não ia ficar com o filho, ele iria morar no templo.

Então por que Ana fazia tanta questão de ter um filho que não ia ficar com ela? Será que era por causa de seu marido? Não, não era. Elcana não cobrava que Ana lhe desse um filho, nem sequer entendia o porquê ela queria tanto ser mãe. Ele considerava que seu amor deveria ser suficiente para Ana ser feliz.

“Então, Elcana, seu marido, lhe disse: Ana, por que choras? E por que não comes? E por que estás de coração triste? Não te sou eu melhor do que dez filhos?” (1 Sm 1:8).

O que afligia Ana? É importante que você saiba que a esterilidade era considerada uma maldição naquela época. Logo, uma mulher que não podia ter filhos era vista como uma mulher que não fora digna de receber a benção de Deus.

Você consegue imaginar tal angústia de ser vista como uma pessoa sem bênção de Deus? Ana não era como aquele povo que não se importava com o Senhor. Ela queria ser abençoada pelo Senhor. Engravidar era a evidência dessa benção.

Lemos no capítulo 2 de Primeiro Samuel o que Ana orou após saber que estava grávida:

“Então, orou Ana e disse: O meu coração se regozija no Senhor, a minha força está exaltada no Senhor; a minha boca se ri dos meus inimigos, porquanto me alegro na tua salvação” (1 Sm 2:1).

Ana declarou que encontrou sua alegria no Senhor! Ela declarou que encontrou sua alegria na salvação do Senhor! Ela compreendia que a salvação do Senhor, que a benção do Senhor, era sua verdadeira alegria. Uma verdadeira benção! O filho gerado era a evidência de ter sido abençoada por Deus. Ana, então, regozijou-se na salvação.

Ana queria ser abençoada por Deus e encontrar alegria na Sua salvação, mas também sabia que Deus não estava satisfeito com a situação do povo de Israel e que toda a nação necessitava da benção do Senhor.

Ana conhecia sua época e teve discernimento. A distância que o povo estava do Senhor trazia maldição para Israel. Ela sabia que o povo estar distante da Palavra desagradava ao Senhor.

Que outra maneira melhor de ser uma fonte de bênção do que dando a Israel um sacerdote e juiz que fizesse a vontade de Deus? Foi isso que Ana fez. Ela pediu para o Senhor abençoá-la e ofereceu o símbolo da bênção para abençoar toda a nação.

Seu filho, Samuel, tornou-se sacerdote, profeta e juiz. Um homem usado por Deus para mudar uma era, findar o período dos juízes, trazer arrependimento, avivamento, e estabelecer reis. 

“Falou Samuel a toda a casa de Israel, dizendo: Se é de todo o vosso coração que voltais ao Senhor, tirai dentre vós os deuses estranhos e os astarotes, e preparai o coração ao Senhor , e servi a ele só, e ele vos livrará das mãos dos filisteus” (1 Sm 7:3).

Samuel ungiu o primeiro rei, Saul, e o rei segundo o coração de Deus, Davi, do qual posteriormente veio, segundo a carne, Jesus. 

Você consegue perceber que vivemos numa era iníqua e que sem a Palavra cairemos em degradação? Percebe que assim como o povo de Israel o caminho para idolatrar outros deuses começa desobedecendo a santificação e os aceitando?

Primeiro você aceita, depois você se envolve, e quando menos percebe está praticando os mesmos costumes, idolatrando, amando o que é mal perante o Senhor. 

Ou talvez você não seja alguém que pratica a iniquidade, mas que se conforma com a vida que tem. Talvez você ache que tem uma boa vida, sem cobranças. Mas isso é suficiente? Certamente não! A verdadeira satisfação só é encontrada em Deus. 

Você deve buscar em Deus sua plena alegria e satisfação. Nele você encontrará tudo que precisa. E por meio de você Ele levará vida e bênção a outras pessoas. Você pode fazer parte de um avivamento espiritual numa era em que as pessoas estão dando as costas ao Senhor. Você pode ser uma fonte de benção, ao encontrar benção! 

Não despreze os ensinamentos do Senhor, não aceite o que é mal para Ele, não se conforme com poucas alegrias. Busque a benção. Busque a graça. Busque a satisfação Nele. Busque e você receberá! Você receberá vida!

Essa vida alcançará e abençoará a outros. Creia! Assim como Ana, busque, ore. Faça a oração dos que buscam a graça, a benção, a vida, para si e para o povo, porque ama o Senhor e sabe que Nele há plena satisfação.

A oração dos que buscam o Senhor é uma oração que clama pela salvação, pela vida, pela benção e que entrega tudo aquilo que recebe do Senhor de graça para abençoar a outros. A oração dos que buscam o Senhor gera vida.


Este texto foi escrito com base na mensagem “A oração dos que buscam”, ministrada pela própria autora no Encontro Cais. Você pode assistir à pregação por meio deste link.

Deixe seu comentário