Dessa vez, queremos falar aos nossos amados leitores sobre dois irmãos, mais especificamente sobre a atitude deles diante de uma mesma palavra recebida. Esses irmãos são Caim e Abel. Acredito que muitos aqui conhecem a história, mas tentaremos extrair alguns pontos espirituais e práticos para nosso viver como cristãos.

Pois bem, Gênesis capítulo 4 começa falando: “Coabitou o homem com Eva, sua mulher. Esta concebeu e deu à luz a Caim; então disse: Adquiri um varão com o auxílio do Senhor. Depois deu à luz a Abel seu irmão. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim, lavrador” (v.1-2).

Esses versículos começam a nos mostrar a descendência de Adão e Eva e acredito que eles, como bons pais, contaram tudo o que aconteceu com eles, no jardim do Éden, a seus filhos. De como erraram ao desobedecer a Deus comendo do fruto que Deus ordenara não comer, da consequência que isso teve em suas vidas, da atitude que Deus teve de tomar para corrigir esse erro (Gn 3:17-21).

Acredito que Caim, ao ouvir essa história, acreditou que para agradar a Deus ele deveria usar de seu próprio esforço e trabalhar a terra a fim de trazer da terra um fruto para agradar a Deus. Mas vejam só o versículo 17 de Gênesis 3: “E a Adão [Deus] disse: Visto que atendestes a voz da mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comer, maldita é a terra por tua causa;  em fadigas obterás dela o teu sustento durante os dias de tua vida”.

Caim queria agradar a Deus com uma coisa que o próprio Deus havia amaldiçoado por causa do homem, sendo necessário um esforço humano para isso. Deus não quer e nem precisa de algum esforço humano. Ele quer apenas que deixemos Ele mesmo trabalhar em nosso ser, para que a partir daí Ele possa fazer o que bem quiser por meio de nós.

Foi a isso que Abel deu atenção. Ele percebeu que nenhum esforço humano valeria para ser justificado diante de Deus (“Fez o Senhor Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher” – v.21).

Prestem atenção nesse princípio: Deus é quem deseja fazer. Nós somos apenas o canal. Porém, se eu não deixo Deus fazer ou se eu ainda tento fazer as coisas para Deus, como Ele poderá me usar? Por isso precisamos deixar que Deus faça as coisas.

Abel, sabedor disso, decidiu ser pastor. Afinal a única coisa que um pastor precisa fazer é conduzir as ovelhas. O resto quem faz é Deus.

Continuando em Gênesis 4 lemos: “Aconteceu que no fim de uns tempos trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o Senhor de Abel e de sua oferta; ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou” (v.3-5a ). O restante da história acho que todos já conhecem. Caim ficou irado e, por fim, matou seu irmão.

Aqui, podemos ver duas atitudes diferentes diante de uma mesma palavra ouvida, sendo que uma dessas atitudes gerou uma segunda ainda pior: a morte de um irmão. Caim ao ver que Deus havia rejeitado o que havia feito para Ele, acabou por matar aquele que O havia agradado mesmo depois de Deus lhe dar uma nova chance. “Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante. Então, lhe disse o Senhor: Por que andas irado e por que descaiu o teu semblante? Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo” (Gn 4:5b-7).

Tudo isso por causa de uma decisão errada que Caim tomou ao tentar servir ao Senhor por seu próprio esforço.

Amados, diante de cada palavra que ouvimos devemos sempre prestar bastante atenção a qual atitude tomaremos: se uma atitude de ouvir e deixar Deus trabalhar, deixar Deus operar em nosso ser, ou uma atitude de tentar fazer as coisas por nós mesmos e, no final, acabar “matando” aquele irmão que está agradando a Deus.

Matando?! É isso mesmo. Às vezes determinadas escolhas e atitudes que tomamos, matam aquele jovenzinho que está se empenhando em servir ao Senhor agora e se espelha em nós. Sempre há, pelo menos, uma pessoa nos olhando para nos analisar, julgar, tomar como exemplo. E o que essa pessoa que está a nos observar pode falar sobre nós? Será que ela pode falar que somos realmente uma pessoa que tem uma atitude correta, uma pessoa de Deus e que quer trazê-Lo de volta, ou que somos daqueles que têm uma atitude totalmente alheia à vontade de Deus, daquelas que a palavra entra por um ouvido e sai por outro?

Nosso desejo é que, após a leitura deste texto, tenhamos todos a consciência de que nossas atitudes não atingem só a nós mesmos, mas podem atingir a outros e levá-los a uma desastrosa morte espiritual. Que não tenhamos sobre nossos ombros o peso de tamanho delito diante do nosso Senhor.

Que todos possam ser ajudados a tomar a ATITUDE correta diante da Palavra e diante de Deus.

E então, querido leitor, qual será sua atitude?

Deixe seu comentário