Fazia anos desde que ganhara sua capa. Capa? Sim, uma linda capa cor de sangue vivo, que foi conquistada pelo sangue de Quem mais a amou. Ela ainda se lembrava de quando a usou pela primeira vez.

Entrou na presença do Soberano e não foi expulsa desta vez. Sua capa a tornou digna. Ela amava a capa, e a cada dia cuidava um pouco mais dela.

Nos primeiros anos, adquiriu alguns adereços em momentos de dor, outros em momentos de alegria. Do Soberano, recebeu ordens e responsabilidades e em tudo o que fazia a sua capa sempre a acompanhava. Quando estava com ela, cobria-se do frio, descansava e nenhum peso lhe era desmedido. Nas batalhas que participava nenhum ferimento podia pará-la. Embora a capa não evitasse o surgimento deles, ela concedia forças necessárias para sará-los e levá-la a continuar.

Mas que havia acontecido desde aquela época? Ela não sabia. Já não usava sua capa há um tempo. Não havia largado as batalhas, mas não sentia mais vontade de lutar em nenhuma delas. Não abriu mão de suas responsabilidades, só não se comprazia em sua missão. Ela considerava estar bem, sabe? Apenas sentindo-se um pouco sobrecarregada.

Olhou para si e viu muitas feridas abertas, mas não sentia dor. Estava anestesiada. Viu seu sangue, sua vida, ir embora e não pensou em nada. Levantou-se e foi para a batalha. Corajosa? Ousada? Não, habituada. E a capa? Não se lembrou de usar.

Assim que voltou de sua batalha percebeu que já não aguentava mais. Embora houvesse aprendido a não sentir dor, não era insensível de todo, o peso que sentia mostrava sua fragilidade. Nesse instante, uma luz forte brilhou, uma doce voz veio ao seu encontro e perguntou-lhe:

— Onde estás?

A luz a fez sentir a dor de suas feridas, a fez ver que seu corpo estava definhando, e sua alma abatida. Seu espírito? Passava fome, pois há muito não era alimentado. Sentiu vergonha, tentou se  justificar dizendo que as diversas responsabilidades não a deixavam viver direito. Reclamou dos irmãos que recebera do Autor da voz que lhe falava. Criticou companheiros de batalha e se isentou.

Ele a interrompeu:

— Filha, que é isso que você fez?

— O quê? — respondeu impelida de razão.

— Nunca disse para você fazer algo que fosse maior do que suas forças. O ponto é: sua força vem do Meu sangue, da cruz, da Minha vida. Onde está sua capa?

Querido leitor, já fechou seus olhos durante uma oração por costume e não por reverência? Já leu a Bíblia por hábito e não para ouvir a Deus? Já orou a mesma oração de sempre porque tinha que orar? Já ouviu uma pregação e nada aconteceu? Já foi à reunião da igreja para “bater o ponto”? Nesse ínterim, sentiu-se insensível, apático, morto? Nada era capaz de agradá-lo?

Pois é. Ao lermos Gênesis 3:6-13 podemos ver a situação de todos nós e constatamos que o homem cai em pecado ainda hoje. Preocupados com nossas atividades esquecemos que nenhuma delas faz sentido se não estivermos cobertos pelo sangue de Cristo. Com o passar dos dias, a sensação de falta de proteção que sentíamos no início passa a não existir. Como uma lesão que foi feita no mesmo local diversas vezes até que se formasse calosidades e a sensibilidade diminuísse, nossos dias nos submetem a diversas “lesões nos mesmos locais”. Sem Cristo e Seu precioso sangue, a apatia espiritual se instalará em nós.

A palavra apatia possui origem etimológica no latim (apátheia) e um dos seus sinônimos é indiferença. Ao relacionar essa informação com a condição da personagem, é possível identificar a falta de desejo pelas coisas de Deus e a infelicidade. O que completa esse quadro? Achar que está bem, que é só uma fase e que não é preciso se esforçar para livrar-se da apatia.

Você já se encontrou numa situação assim? Eu já me vi assim diversas vezes. Em uma delas, meu espírito e mente travaram uma batalha interior para decidir se eu deveria ou não buscar uma mudança. Resultado? Minha mente venceu e a apatia reinou. Contudo a graça do Senhor supera (em muito) as fraquezas. A palavra Dele me alcançou mesmo quando eu estava decidida de que tudo ficaria como estava.

A luz chegou a mim e, hoje, ela pode chegar a você.

Nos capítulos 2 e 3 de Apocalipse, o Senhor faz uma análise das sete igrejas da Ásia. Todavia, hoje, esse texto é para você.

“Contra você, porém, tenho isto: você abandonou o seu primeiro amor. Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio” (Apocalipse 2:4-5a).

O trecho diz respeito ao abandono. Você pode pensar que não abandonou o amor do Senhor, mas precisamos esclarecer que a Bíblia não fala de uma perda, ela diz abandono. O amor é retratado aqui como uma questão de troca. No momento em que começamos a amar uma coisa, abandonamos outra. Sim, nossa apatia nos cega a tal ponto de trocarmos Aquele que morreu por nós pelo mundo ou até por nós mesmos.

“No entanto, tenho contra você algumas coisas: você tem aí pessoas que se apegam aos ensinos de Balaão, que ensinou Balaque a armar ciladas contra os israelitas, induzindo-os a comer alimentos sacrificados a ídolos e a praticar imoralidade sexual” (Apocalipse 2:14).

Aqui, vemos irmãos que se apegaram a ensinos que são contra o próprio Deus. Apoiar, sustentar coisas que fazem oposição ao Senhor ofende ao Soberano e é mais um item que coopera com o surgimento e a instalação da apatia em nossa vida espiritual.

“Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto. Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer, pois não achei suas obras perfeitas aos olhos do meu Deus. Lembre-se, portanto, do que você recebeu e ouviu; obedeça e arrependa-se” (Apocalipse 3:1-3a).

O Senhor fala de algo que Ele mostrou e que deveria ter morrido. O que a luz expõe e não é levado à cruz, nos mata. Mortos não louvam o Senhor, mortos não entendem a palavra eterna do Senhor (Salmos 115:17; Provérbios 21:16). E como mortos espirituais o que nos restará de vida é apenas a aparência de estar vivo.

“Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca. Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego e que está nu” (Apocalipse 3: 15-17).

Nesses versículos, o Senhor aponta que a mornidão é outra característica da apatia. Ademais, acrescenta que não reconhecer sua condição evidencia ainda mais o seu estado espiritual.

Expostos esses aspectos da apatia, recomendo ainda uma leitura atenta e detalhada aos capítulos 2 e 3 de Apocalipse.

Mas como vencer essa condição?

“Eu lhes afirmo que está chegando a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e aqueles que a ouvirem, viverão” (João 5:25).

A palavra do Senhor fez reviver Lázaro (João 11) e um vale repleto de ossos secos (Ezequiel 37). Logo, o que ela pode fazer em nossas vidas é imensurável. Ela nos traz luz, mostra-nos nossa condição, e nossa porção após isso é a confissão:

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9).

“Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra” (2 Crônicas 7:14).

O perdão do Senhor não depende da nossa dignidade ou merecimento, mas da Sua graça e de Seu coração bondoso para com o homem.

Sabidas essas coisas, “como manter a cobertura desse Cristo sobre mim?” – é o que você pode estar se perguntando. Querido leitor, manter a comunhão com Ele é a chave.

No tabernáculo, um altar de incenso queimava todas as manhãs (Êxodo 30:7). Esse altar figura nossas orações. Portanto, para se manter em comunhão com o Senhor, não despreze a oração diária!

Além disso, no livro de Juízes vemos o exemplo do povo de Israel que por não ensinar a palavra, levantaram-se gerações que não conheciam o Senhor e fizeram o que era mal perante Deus (Juízes 2:10). Desse modo, para que o Senhor fale conosco e nos faça conhecê-Lo mais, a leitura da Palavra é fundamental. Não despreze a leitura diária da Bíblia!

Que tal separar um tempo e, após se reconciliar com o Pai, organizar-se para  que independentemente de seus muitos afazeres esses dois itens nunca faltem nos seus dias?

Que Deus abençoe você em sua caminhada cristã!

Obs.: Todas as referências bíblicas são da Bíblia Nova Versão Internacional (NVI).

Esse texto foi inspirado no livreto “A Vitória sobre a Apatia Espiritual e o Pecado” da Editora Árvore da Vida.

Deixe seu comentário