Olá, meu nome é Amor. Muitos me conhecem, me sentem e me almejam. Já outros nem mesmo acreditam na minha existência, mas já ouviram falar de mim. Sou conhecido em todos os lugares. Estou no clímax de muitas literaturas e várias vezes no fim, no tal do “felizes para sempre”. Transformo a alma do vilão e ardo no coração da princesa. Alguns dizem que os que me sentiram com mais intensidade foram aqueles do século XVIII-XIX, que Romantismo!

Ah… com tamanha grandeza foi a expressão de Byron e de Shakespeare sobre mim. Esses sim sabiam me sentir. Será mesmo? Estou associado à cor vermelha, ao coraçãozinho e aos beijos. Às vezes, também me ligam ao sofrimento: “A dor do amor é a pior”, “Como dói um coração partido”. Confesso que posso até causar um pouco de dor, mas uma “dor que desatina sem doer” como lindamente escreveu Camões.

Agora vou dizer quem realmente sou. Eu te faço ter frio na barriga, eu te faço dizer e fazer coisas que nunca imaginou, eu te faço chorar (de alegria). Eu faço as lágrimas de uma mãe caírem ao dar à luz. Eu faço um abraço surgir em meio a uma discussão. Eu faço alguém atravessar o mundo ou seu país para ajudar outros. Sou forte. As muitas águas não podem me apagar, nem os rios, me afogar (Ct 8:7). Eu não sou uma religião ou uma doutrina, vou muito além de tais conceitos. Eu não sou algo só de casais. Eu sou algo de irmandade e de maternidade. Sou algo da vida! Sou simples. Não tenha medo de me sentir! Não misture medo comigo (1 Jo 4:18). Não hesite em me expressar! Mas, não me confunda com outras coisas, sou apenas eu. Eu sou Alguém. Eu sou seu Pai, seu Senhor, seu Amigo, eu sou o seu Amor, eu sou Deus (1 Jo 4:8).

Muitos falam sobre amor verdadeiro, mas afirmo que quem diz isso fala a mesma coisa duas vezes. Sabe porquê? Porque se é amor, é verdadeiro. Se não é verdadeiro, deve ser algo diferente de amor.

Toda a humanidade precisa de Mim, mas poucos têm coragem de assumir isso. É que minha natureza não espera ser amada para depois amar. Não! Eu sou definido por dar o primeiro passo e, até mesmo, dar a vida pelo homem, a fim de que ele alcance o perdão e a paz interior (1 Jo 4:10).

Nós nascemos para estarmos juntos! Nada irá nos separar. Nem a morte, nem a vida, nem coisas do presente, nem coisas do futuro, nem poderes, nem as alturas, nem a profundidade, nem anjos do mau, nem qualquer outra criatura poderá nos separar! (Rm 8:38-39).

Eu sei que você, às vezes, sente minha falta. Por isso você quer que as pessoas me deem a você. E como outros também sentem minha falta, às vezes, você quer me dar às pessoas. Mas o medo e o orgulho não permitem tal atitude, ou até pode existir outro motivo que você nem sequer saiba explicar. E essa é a causa deste texto: você é amado, assim como as pessoas ao seu redor. Por isso, ame! Ame-se, ame o dia, ame as crianças, ame o céu e principalmente ame o próximo (Mt 22:37-39, Rm 12:10). É isso que fará você viver, perdoar, ajudar e deixar a angústia, a inveja e as mágoas para trás. É que o amor cobre multidão de pecados! (1 Pe 4:8). Isso fará você vencer o medo, a hesitação, o orgulho, vencer o seu ‘eu’. É que quem ama permanece em Mim e Eu nele, e assim, como Deus, eu concedo minha força vitoriosa (1 Jo 4:16).

Deixe-me te mostrar um caminho sobremodo excelente (1 Co 12:31). Mesmo que alguém fale a língua dos anjos e todas as línguas existentes, se não me sentir, será como o bronze que soa. Ainda que alguém tenha o dom de profetizar, tenha grande conhecimento sobre a ciência; ou tenha tamanha fé, a ponto de mover montanhas, se eu não for o motivo, isso tudo não servirá para nada (1 Co 13:1-2).Quem ama é paciente e bondoso. Quem ama não é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso. Quem ama não é grosseiro nem egoísta; não fica irritado, nem guarda mágoas. Quem ama não fica alegre quando  alguém faz uma coisa errada, mas se alegra quando alguém faz o que é certo. Quem ama nunca desiste, porém suporta tudo com fé, esperança e paciência. O amor é eterno” (v. 4-8, NTLH).

Muitas vezes, bato em sua porta e sinto que você me escuta, mas prefere não me atender: Eu continuo a bater na porta fechada e a clamar pelo seu nome, pois desejo a sua presença. Então, decido colocar uma de minhas mãos na fresta de sua porta que lentamente vai se abrindo, para assim, você perceber que estou ali do seu lado. Minha felicidade é tamanha quando você finalmente abre a porta e desfruta da minha presença (Ct 5:4, Ap 3:20). Por isso, permita-se! Abra a porta do seu coração, deixe que eu viva em você, o abrace e o ame!

– Seu Primeiro Amor

Colaboração enviada por Luiza Couto.
SOBRE AS REFERÊNCIAS
Todas as referências utilizadas são da Bíblia Almeida Revista e Atualizada, exceto quando citada expressamente outra versão.

Deixe seu comentário