Enquanto escrevo este texto, passo por uma fase de transição na minha vida. Acabei de concluir o CEAPE* (Centro de Aperfeiçoamento para Propagação do Evangelho) e por motivos pessoais tenho que me ‘reinventar’ profissionalmente. Depois de entregar um ano da minha vida ao Senhor, tendo a comunhão diária com Ele como minha única obrigação, eu tenho a oportunidade de colocar tudo que aprendi e ganhei à prova e, permita-me dizer, é assustador.

Não porque eu não aprendi o suficiente, pelo contrário, as experiências que tive com o Senhor no CEAPE são excelentes alicerces para meu crescimento espiritual, mas a aplicação dessas experiências é algo completamente diferente. Agora é a hora da batalha real, de encarar o mundo, de “dar a cara a tapa”.

Foi entendendo essa realidade e procurando auxílio do Senhor na Palavra que eu reencontrei o Salmo 40. Eu não sei exatamente o contexto em que Davi escreveu tal Salmo, sei apenas que eu consigo compreendê-lo melhor hoje do que podia antes.

O Salmo começa com uma ação de Davi: “Coloquei toda minha esperança no Senhor” (NVI). Em minha bíblia, eu marquei apenas uma palavra neste versículo: toda. Isso porque, na minha própria experiência, eu não coloquei nem metade da minha esperança no Senhor. Claro que minha esperança de ser salvo do lago de fogo está em Cristo. Tenho plena convicção de que passarei a eternidade com meu Pai Celeste. No entanto, não acredito que tenho essa mesma certeza quando se trata de ser salvo de mim mesmo.

Percebi, logo no início dessa nova fase da minha vida, que a minha esperança tem permanecido dolorosa e invariavelmente sobre meus ombros. Todos os dias eu decido fazer da minha vida o que entendo ser mais proveitoso, coloco sobre mim a responsabilidade de vencer minhas batalhas, de me salvar de mim mesmo, dos meus maus hábitos, das minhas fraquezas, dos meus pecados.

Pode parecer estranho, mas estou escrevendo para mim mesmo. Preciso externalizar a sensação de fracasso, colocar diante de mim o culpado pelas minhas falhas e encontrar Quem pode me salvar.

Eu sou o culpado pelo meu fracasso. Hoje eu sei disso e entendo o que Davi quis dizer no versículo 17: “Quanto a mim, sou pobre e necessitado, mas o Senhor preocupa-se comigo. Tu és o meu socorro e o meu libertador; meu Deus, não te demores!” (NVI).

Esse texto, assim como todo o Salmo 40, é um clamor por socorro ao Senhor. Ao terminar o salmo pedindo para Deus que não demore, Davi deixou claro que estava aguardando ao Senhor e esse deve ser o meu alento. Se minhas falhas me doem e fazem com que minha alma desfaleça dentro de mim, eu espero no Senhor, pois bom é esperar tranquilo a Sua salvação (Lm 3:20, 26).

Querido leitor, se sua experiência tem sido essa ou semelhante, se você, assim como Davi e eu, se vê pobre e necessitado, lembre-se que o Senhor se preocupa contigo, espera Nele pois feliz é o homem que põe no Senhor a sua confiança (Sl 40:4a).

*CEAPE: Projeto para jovens missionários.

Deixe seu comentário