Débora foi alguém de grande importância em sua época: ela foi uma juíza respeitada em um tempo em que as mulheres não exerciam cargos de autoridade. Confesso que foi por este fato que me interessei pela história de Débora, no entanto, vi algo a mais, algo especial, que vou compartilhar com vocês.

Débora viveu em uma época em que, após anos de lutas para chegar à terra prometida, os israelitas abandonaram o Deus dos seus pais, que os havia tirado do Egito (Juízes 2:10). Eles passaram a seguir e adorar outros deuses, provocando a ira do Senhor. Como consequência, foram entregues nas mãos dos seus inimigos (Juízes 2:14).

No entanto, sempre que os filhos de Israel clamavam ao Senhor, Ele levantava juízes para libertar o povo das mãos de seus inimigos. E isso ocorria de tempos em tempos porque, após certo período de paz, os filhos de Israel voltavam a fazer o que era mau perante o Senhor.

Nessas circunstâncias, o Senhor levantou Débora, porque ouviu o clamor do povo de Israel que, por vinte anos, estava sendo oprimido cruelmente por Jabim, rei de Canaã. Juízes 4:3 cita que Jabim possuía novecentos carros de ferro, o que nos permite ter dimensão do poder que ele exercia sobre o povo.

Então, Débora, que atendia os israelitas que a procuravam para resolver seus conflitos, mandou chamar a Baraque, filho de Abinoão, de Quedes de Naftali, e transmitiu o plano de Deus com relação ao povo e a grande opressão que sofriam. Ela lhe disse que Deus havia ordenado que ele escolhesse dez mil homens das tribos de Naftali e Zebulom para enfrentar o comandante Sísera do exército de Jabim e que a vitória já estava garantida (Juízes 4:6-7).

Baraque ouviu a palavra profética e juntou o povo para guerrear. No entanto, a autoridade de Débora era tamanha a ponto de Baraque, comandante do exército, insistir para que Débora fosse com ele (Juízes 4:8). Débora foi, mas lhe disse que a honra daquela guerra seria entregue a uma mulher (Juízes 4:9).

Quando Sísera ficou sabendo que Baraque e o seu exército estavam prontos para a guerra, convocou todos os seus carros e todo o povo que estava com ele. Mas o Senhor estava com o exército de Baraque e derrotou Sísera, todos os seus carros e exército a fio de espada. Diante da derrota, Sísera fugiu a pé da batalha e escondeu-se na tenda de Jael, mulher de Héber, queneu, pois havia paz entre Jabim, rei de Hazor, e a casa de Heber (Juízes 4:12-17).

Sísera, cansado, pediu água para Jael e adormeceu. Neste momento, Jael tomou uma estaca e um martelo e matou Sísera, cumprindo-se a profecia de Débora (Juízes 4:21).

Diante do que ocorreu, Jabim foi humilhado perante os israelitas que, fortalecidos, prevaleceram até que ele fosse exterminado (Juízes 4:24).

Mas, o que há de especial na história de Débora?

A Bíblia menciona, primeiramente, que Débora era conhecida por ser profetisa (Juízes 4:4) e isso significa que ela era alguém que tinha intimidade com o Senhor, pois tinha um dom espiritual (1 Coríntios 12:7-11), era sensível ao falar de Deus e transmitia às pessoas o que Deus ordenava.

Ela também era conhecida por ser esposa de Lapidote. Não há outro lugar na Bíblia que mencione Lapidote, o que nos indica que ele era conhecido e honrado entre os homens daquela época. Segundo nos mostra Provérbios 31:23, o marido da mulher virtuosa é respeitado entre as autoridades da sua terra. Débora era uma mulher virtuosa, temente ao Senhor.

A história de Débora é muito mais do que superação de valores. Débora tinha um relacionamento íntimo com o Senhor, tinha um coração totalmente consagrado e obediente à Ele.

E foi isso que permitiu que o Senhor a colocasse em um cargo de grande autoridade a fim de usá-la, não só para resolver pequenos conflitos entres os israelitas, mas para libertá-los de grande opressão.

Débora é um verdadeiro exemplo para nós! Jovem, não importa a sua atual situação, sua posição na sociedade, condição financeira ou grau de escolaridade, o Senhor quer usá-lo para libertar pessoas de grande opressão! Sua unção é que lhe capacita a fazer isso, como diz o versículo:

“O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados;” Isaías 61:1

Débora tinha uma condição que, diante dos costumes da época, lhe impedia de exercer qualquer cargo de autoridade sobre homens: o fato de ser mulher. Mas por ser totalmente consagrada ao Senhor, ser sensível ao Seu falar e disposta a ser instrumento útil nas mãos de Deus, Ele a colocou em uma posição de autoridade e pôde usá-la!

Débora tomou uma atitude: se colocou à disposição do Senhor e pôde fazer a diferença.

“…até que eu, Débora, me levantei, levantei-me por mãe em Israel.” Juízes 5:7.

Jovem, você quer ser um instrumento útil nas mãos de Deus? Não importa a sua condição, basta se dispor e o Senhor, certamente, lhe usará e fará grandes coisas através de você!

 

Deixe seu comentário