Texto adaptado do vídeo “FoMO: o medo de ficar de fora”, gravado por Gabriel Sá para o Eu vos Escrevi. Assista a seguir, ou acesse o vídeo em nosso Instagram

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Eu Vos Escrevi – Oficial (@euvosescrevi) em

Há um assunto extremamente importante e atual que pode estar se passando em sua vida ou na vida de alguém que você conhece.

Existe uma síndrome chamada de FOMO, que está relacionada ao uso das redes sociais. FOMO  é um acrônimo das seguintes palavras em inglês: “Fear Of Missing Out” (medo de ficar de fora, em tradução livre).

É notório que as pessoas têm utilizado de forma mais intensa as redes sociais, e isso tem trazido algumas consequências bastante negativas para quem faz o uso irrestrito dessas redes!

O uso excessivo das redes sociais

Só para se ter uma ideia do aumento que aconteceu no uso das redes sociais em 10 anos, em 2010 estimava-se que cerca de 1/7 da população mundial fazia uso das redes sociais e, hoje, em 2020, o número está próximo de ⅓. Um terço da população mundial faz uso de redes sociais! Mas quando apenas de jovens, o número passa a ser muito maior em termos absolutos.

Esse consumo tão frenético de redes sociais é algo que precisa de nossa atenção! Quanto mais as pessoas consomem as redes sociais, mais elas sentem vontade de consumir mais. 

As redes sociais são como a água do mar: não importa quanto você beba, ela não saciará você, pelo contrário o deixará com mais sede. Esse tipo de consumo tem um efeito deletério, negativo em sua vida a médio e longo prazo.

Esse efeito negativo nem sempre é percebido no momento, porque, na verdade, no momento em que consumimos conteúdo digital e navegamos pelas redes sociais, as sensações produzidas são as mais prazerosas possíveis. 

O que o contato excessivo com as redes sociais produz em nosso corpo

O contato com as redes sociais, de um ponto de vista neurobiológico, ativa um neurotransmissor em nosso cérebro chamado de dopamina (que é o neurotransmissor responsável pela sensação de prazer).

Esse contato que nos possibilita acessar uma grande quantidade de  informações de maneira fácil e rápida, vários conteúdos, para todos os gostos, sem esforço e com uma recompensa alta traz uma certa desregulação para nosso cérebro! 

Isso é extremamente preocupante! Por quê? Porque o corpo humano foi criado por Deus de forma perfeita, e o tempo inteiro ele busca o estado de equilíbrio, de homeostase. Quando você tem acesso a algo que o dá prazer de forma muito rápida, sem esforço, seu cérebro tende, com o passar do tempo, a diminuir a quantidade de receptores de dopamina para tentar chegar ao equilíbrio. 

Isso é perigoso! Na prática, quando você passa muito tempo acessando algo sem muito esforço, que traz a você uma recompensa alta, seu cérebro passa a não mais se contentar com coisas simples como ler um livro, ouvir música, visitar um parente, encontrar os amigos, conversar sobre coisas triviais da vida, ou simplesmente não fazer nada.  Você precisa, a partir de então, de altos níveis de dopamina, de coisas excepcionais. Esse é um dos efeitos negativos das redes sociais. 

Você se sente pressionado a ter sempre que buscar mais e mais. A barra de rolagem das redes sociais é uma coisa que não tem fim! Quanto mais você segue deslizando o feed  para cima, mais coisas vão aparecendo e você vai consumindo aquilo. 

FOMO: pressão e descontentamento com nossas outras atividades 

Esse consumo traz, para nós que consumimos as redes sociais, uma certa pressão. Pare para pensar pensar: quantas vezes você já se deparou com a seguinte situação: chega, por exemplo, o fim de semana, você está muito cansado após uma semana sobrecarregada. Você estudou e/ou trabalhou bastante, e esperou a semana inteira por aquele momento em que estaria em casa, após tomar um banho, fazer um lanche, deitaria em sua cama e descansaria. 

Aquilo era o que você mais esperava! Mas, de repente, você pega o seu celular, acessa as redes sociais e, ao se deparar com as inúmeras atividades que dezenas de pessoas estão fazendo e postando, essas informações todas chegam como um grande peso, e passam a produzir uma necessidade que você não tinha! 

Você estava feliz por estar deitados e descansando sem fazer nada, mas, de repente, a sensação de prazer e bem-estar, passa a ser algo entediante. Ao ver as pessoas fazendo coisas, estando em determinados lugares, visitando pontos turísticos, fazendo atividades diferentes… Isso mexe com você! Você começa a se sentir como um peixe fora d’água, e surge uma necessidade de querer fazer algo, ou de postar alguma coisa, que sugira que você também está fazendo algo diferente. 

Veja que as redes sociais trazem essa pressão sobre os seus usuários! Quanto mais essa pressão ocorre, mais as pessoas consomem e mais produzem conteúdo para as redes sociais! Isso alimenta a rede, faz com que ela cresça, ganhe força.  Quanto aos efeitos negativos, as pessoas pouco se importam. 

FOMO e uma geração superficial e afobada

Há inúmeros estudos recentes que apontam que o uso excessivo das redes sociais afeta a nossa memória, a nossa capacidade cognitiva, o nosso pensamento crítico. Pessoas que as consomem muito costumam ter um pensamento bastante superficial e afobado, não refletem sobre os assuntos.

Tudo é muito rápido. Chega-se a conclusões de maneira muito rápida, sem considerar o contexto das coisas, o que é é uma característica da geração atual. É bastante superficial, consome muita informação, acessa constantemente as redes sociais, porém é uma geração extremamente afobada no pensamento, extremamente acelerada na comunicação, mas pouco reflexiva. E essa falta de reflexão acaba fazendo com que os jovens, de forma geral, ajam de forma precipitada. 

FOMO, redes sociais e a pandemia

O consumo excessivo das redes sociais é extremamente preocupante! Antes da pandemia do novo coronavírus, estimava-se que o brasileiro fazia um uso de cerca de quatro horas de redes sociais, ou o uso do celular, ao dia. Isso é muito! Quantas coisas produtivas você poderia estar fazendo nesse período?

Durante a pandemia, as pessoas passaram a ficar isoladas em casa e isso aumentou consideravelmente o uso de redes sociais, do celular, do computador, e isso merece nossa atenção. Se antes da pandemia a nossa geração já vinha consumindo as redes sociais de forma bastante desequilibrada, podemos imaginar que mais ainda durante a pandemia.

Pessoas isoladas em casa, não sabendo mais lidar com esse fato, não sabendo mais como ler um livro, não tendo prazer nisso… A armadilha está montada! 

As redes sociais estão aí! Você, jovem, precisa tomar muito cuidado para que não consuma mais do que o necessário durante esse período. Durante o isolamento, aproveite para ler um livro, para conversar com seus familiares, para  passar tempo sozinho e fazer reflexões sobre a sua vida, sobre as atividades que tem para realizar.

Faça planos para o futuro, execute tarefas diferentes, faça coisas que você não estava acostumado a fazer, mas evite passar tanto tempo nas redes sociais! Isso pode trazer muito malefício a médio e longo prazo para você e não queremos que essas coisas se passem na sua a vida! 

Um uso sábio das redes sociais

As redes sociais são importantes, sim! Elas nos possibilitam inúmeras oportunidades na vida, mas precisam ser utilizadas com bastante equilíbrio e sobriedade.

A Bíblia diz que todas as coisas nos são lícitas, mas nem todas nos convém (1 Co 6:12). E há um outro texto, também no Novo Testamento, que diz que devemos viver no mundo e nos utilizar das coisas que estão no mundo como se delas não precisássemos (1 Co 7:31). Então, você pode utilizar as redes sociais! Mas não faça uso delas de maneira que você não consiga mais viver sem esse recurso. 

Deus não nos criou para isso, para ficarmos atrelados tanto tempo a uma coisa tão banal, que produz superficialidade em nós. Gaste o tempo que você está em casa, vivendo esse confinamento, para ter mais comunhão com Deus, conhecer mais acerca da pessoa Dele e do plano que Ele tem para sua vida. Use também esse tempo para conhecer a si mesmo! Assim você poderá evoluir no aspecto psicológico, emocional, e também espiritual. 

Espero que tenha conseguido captar aquilo que eu tinha para trazer para você! Isso é o que estava no meu coração, e aquilo que eu queria deixar. Que Deus abençoe a sua vida, e que  possamos aproveitar melhor o tempo que Ele nos deu! Um grande abraço, e até a próxima! 


Leia também: O Cristão e a Ansiedade: Escrito por Psicólogos Cristãos do SASE

Deixe seu comentário