Você já passou pela experiência de ter uma tarefa a sua frente e desistiu antes de tentar realizá-la? Já teve o desejo de servir ou um sentimento a ser compartilhado queimando em seu peito, mas, olhou para si mesmo e pensou: “sou incapaz”? Eu  já tive essas experiências e o povo de Israel também.

Em uma passagem riquíssima de Números 13, o Senhor ordena que doze homens espiem a terra prometida de Canaã e, assim, o fazem. Ao retornar, trazem consigo boas notícias: a terra mana leite e mel! E ainda trazem um cacho de uvas tão grande que precisava ser carregado por dois homens. Essa era a terra prometida pelo Senhor ao Seu povo.

Entretanto, dez espias, infelizmente, tiveram uma percepção negativa da terra, e assim relataram ao povo. O versículo 28 nos mostra uma palavrinha muito sutil e muito perigosa em nossa experiência de confiar no Senhor: “O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, mui grandes, e fortificadas; também vimos ali os filhos de Anaque”. Ainda no versículo 31 vemos essa mesma palavra: “Porém os homens que com ele tinham subido disseram: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós”.

Os dez espias colocaram um “porém” em seu relato, mesmo após verem as grandes maravilhas que o Senhor prometera. Eles olharam para os gigantes que haviam na terra e questionaram se seriam capazes vencê-los. Esse fato fez com que a terra que mana leite e mel fosse vista como terra que devora seus moradores e, por causa disso, a Bíblia diz que esses espias infamaram, desonraram a terra que sabiam ser frutífera (v. 32).

Além disso, ainda no versículo 31, vemos os dez espias dizendo que os gigantes da terra eram mais fortes do que eles. Nesse momento, eles se viram como os responsáveis pela conquista da terra. Quando nos vemos como responsáveis por quaisquer obras, além de nos orgulharmos, acreditamos que o que temos vem de nossa capacidade e, quando esta faltar, não avançaremos.

Em total contraste com os espias descrentes, Josué e Calebe clamam pela fé no Deus Todo Poderoso e depositam Nele a razão da vitória por vir. Eles dizem: “Eia!  Subamos e possuamos a terra, porque, certamente, prevaleceremos contra ela.” (v. 30).

Porém, em resposta às palavras dos dez espias descrentes, toda a congregação chorou, murmurou contra Moisés, considerou ser melhor morrer no deserto e ainda desejou voltar ao Egito. Trocaram a Palavra do Senhor por argumentos de medo, por assunção de derrota.

Ao vislumbrar  os desafios que precedem o galardão (que são indispensáveis para se alcançar qualquer prêmio), os hebreus desprezaram a promessa do Senhor e, por consequência, O desprezaram (14:23). Em resposta à falta de fé de seu povo, o Senhor os castigou, não permitindo que entrassem na terra prometida, com exceção daqueles que tomaram a atitude contrária, Calebe e Josué (v. 29-30).

Querido leitor, não esmoreça ao ver os gigantes que estão à sua frente e, ao olhar para si mesmo, perceber que não possui condições de vencê-los. Pelo contrário, dê glórias  ao Senhor, pois foi Ele mesmo quem te escolheu com suas imperfeições. Se eles são gigantes e você um gafanhoto, então olhe para eles como pão, parta para cima e devore-os! (v. 9).

O Senhor sabe das suas fraquezas e problemas, Ele sabe das suas imperfeições e incapacidades. No entanto, não foi o povo de Israel que se libertou da escravidão no Egito, não foi o povo de Israel que rompeu os muros de Jericó e não foi o povo de Israel que venceu os midianitas com trezentos homens. Foi a mão poderosa do Senhor! Aleluia!

Hoje, esse Deus é, pela obra redentora de seu filho, nosso Deus, e quer, da mesma forma, transportar-nos para uma terra que mana leite e mel. Por isso, jovem amado, confie Nele e não dependa de sua própria capacidade. Nossa suficiência vem de Deus! (2 Co 3:5). Diante das adversidades, lembre-se que tudo coopera para aqueles que amam a Deus (Rm 8:28). Avance! Compartilhe! Sirva! Erre, falhe e persista! Não deixe de lutar, pois o reino dos céus é tomado por esforço (Mt 11:12)!

Colaboração enviada por Heitor Coutinho.

  

Deixe seu comentário