Um sol como castigo. Ventania queima a pele. Pernas vacilantes. Olhos que parecem estagnar-se na mesma visão. O tempo como um ladrão de ânimos. O cansaço já não permite movimentos bem articulados, arrastar-se é a sentença do agora.

— Arraste-se até que pare de ser o que é!
— O que disse?
— Eu disse que não deve parar, prossiga e chegará aonde quer, todos os seus sonhos serão realizados e tudo será como você sempre quis: ser livre.

Silêncio.

— Agir, não pensar. Fazer, executar, nunca parar — falou ela, sem perceber o que dissera — Mas e se…— disse ao repensar o que já havia dito.
— Não pergunte, aceite — responde uma voz.
— Tudo bem, contudo, o…
—Não! Qualquer atributo adversativo é proibido e há punições sociais em caso de insubordinação.
— Isso é opressão!
— Não! Opressão é a igreja. Subordinar-se ao desejo de um certo deus é opressão. Ouvir a respeito desse deus é opressão. As autoridades são opressivas. O certo e o errado são a opressão. Ignore o que você sente, colocaram isso em você.
— Verdade. Mas, não temos liberdade de crença ou fala?
— Já lhe falei dessas perguntas! Não vamos mais tocar nesse assunto.
Após mais um momento de silêncio, uma voz irrompe.
— Coma muito!
— E não posso comer o quanto eu quero?
— Não, você deve aproveitar tudo de uma vez, não sabe quando vai comer isso novamente.
— Mas não posso voltar aqui?
— Já falamos sobre esses termos adversativos! E, sim, poderá voltar. Mas quem sabe se estará igual? COMA! — Essa voz continua.
— Isso! É assim que quero, se… Meu caro.
— Beba muito!
— Mas não quero perder o controle.
— Calma, o que pode acontecer? Tem amigos seus aqui, nada pode lhe atingir. Ser feliz é o que importa! BEBA!
— Isso sim é ser livre. É assim que farei, sen… Cara.
— Fume, trague muito!
— Isso não acaba com meu cérebro?
— Isso é boato! Shakespeare, Freud, Edison e muitos outros gênios usavam… E se você for um? Experimente! FUME!
— Claro, vou experimentar e se não gostar eu paro. É assim que farei, senh… Amigo.
— Trabalhe muito!
— Oi? E meus amigos e família?
— Isso é por eles! Para que sua família tenha tudo que você nunca teve a chance de ter, são necessários sacrifícios. E como irá a algum lugar legal com seus amigos com pouco dinheiro? O que é bom, é sempre caro! Faça isso por eles. TRABALHE!
— Quero estabilidade e qualidade de vida. É assim que farei, senho… Querido.
— Estude muito!
— E o equilíbrio?
— Já pensou que você pode ser o próximo Einstein? Não pare, equilíbrio é para os fracos. Os fortes vencem a custo de tudo, sem pagar esse custo não terá esse concurso, esse curso desejado e nada! Eu não deixarei você ter isso! ESTUDE! OUÇA ISSO! VEJA ISSO!
— É assim que farei, senhor.
Uma Voz soou baixo em seu peito, como um último suspiro.
— Espera, pare tudo! Quem é você? — Em seu interior algo lutava e a única coisa que conseguiu dizer soou.
— Eu?
— Sim! Quem é você que tem me dado ordens desde que decidi pela autonomia?— conseguiu um pouco mais de força e continuou.
— Sou você, sou sua mente, o que você pensa…
— Não! Minha mente não pode pensar isso sozinha. Minha mente está me dando ordens que não condizem com quem eu sou?
— Pare de falar besteira. Essa é quem você é!
Ela já não tinha forças para vencer a confusão que se fazia em si. Já não lembrava de nada que fosse diferente do que esse alguém tinha dito. Resolveu que essa era a verdade e entregou-se.
— Sim senhor, essa sou eu.
O sol já não era castigo, foi sua sentença de morte. A ventania levou quem ela foi. O senhorio das trevas desconstruiu-a e a fez como queria. E já não era ela, era mais um.

Querido leitor, não há vida sem senhorio, não há como viver sem servir a alguém. A Bíblia, o livro que retrata a humanidade, cita apenas dois senhores (Mt 6:24; riquezas: no aramaico Mamom, o deus das riquezas, Satanás) não há um terceiro. Você não é o terceiro. Escolhas como essas devem ser feitas e nossa rotina mostra o que temos escolhido. Você é livre?

Deixe seu comentário