Você já passou pela experiência de orar e sentir que não surtiu efeito? Ou de se sentir abandonado por Deus? Vejamos os possíveis motivos disto.

Mesmo com muitos anos de igreja, de batizado(a) ou de serviço, sentir a ausência de Deus é algo que tem acompanhado muitos cristãos. Mas por que isso ocorre? Ocorre porque em nós mesmos não habita bem nenhum (Rm 7:18; Is 59:2). O ser humano tem a tendência de sempre jogar a culpa em alguém. É raro uma pessoa reconhecer que errou. E será sobre isso que falaremos. Perdemos a presença de Deus porque erramos e sempre achamos que Deus parou de nos amar. Nossa natureza é orgulhosa. Que o Senhor tenha misericórdia de nós e nos faça servos humildes.

Não se permita viver sem a presença de Deus. Busque-O, custe o que custar!

A ausência de Deus na nossa vida pode ser devido a alguns fatores:

1) Achamos que somos capazes de realizar algo para Deus sozinhos

Na Bíblia, temos um exemplo disso: Abel era pastor de ovelhas e Caim era lavrador. Aos olhos humanos, quem possuía um trabalho mais árduo? Abel pastoreava as ovelhinhas, não permitindo que nenhuma delas se perdesse, alimentando-as e guardando-as, enquanto Caim possuía um trabalho braçal, trabalhava debaixo do sol, plantava e colhia. Com certeza, Caim tinha um trabalho mais árduo.

Quando eles foram ofertar ao Senhor, Caim ofereceu o melhor fruto da sua colheita (Gn 4:3) e Abel ofereceu ao Senhor as primícias do seu rebanho (Gn 4:4a), ou seja, a ovelha mais perfeita, sem mácula. De qual oferta Deus Se agradou mais? Aos nossos olhos, seria de Caim, não é mesmo? Porém Deus Se agradou da oferta de Abel (Gn 4:4b). Mas por quê? Abel tinha um serviço de dependência do Senhor. Ele não apenas pastoreava as ovelhas, mas as apascentava e cuidava. Naquela época, não se comia carne, então por que Abel seria pastor de ovelhas? Ele cuidava das ovelhas pensando unicamente na sua oferta a Deus. Abel tinha um coração inteiro para Deus.

Caim era lavrador e parte do que produzia fazia parte do seu sustento físico também. Era um trabalho mais árduo, mais pesado, entretanto Caim não era lavrador por causa de Deus. Sua intenção principal não era ofertar ao Senhor. Ofertar um fruto seria uma consequência do sucesso do seu sustento obtido. Ele ofereceu algo que vinha dele mesmo, algo que ele mesmo garantia.

Diante desse fato precisamos refletir: não devemos, simplesmente, pensar que podemos servir no serviço da palavra, porque sabemos falar bem ou querer servir na música por saber tocar um instrumento. Não podemos primeiramente pensar em nós. Saber falar e tocar é válido, mas não é tudo.

Por que Deus nos abençoaria se agimos de forma autossuficiente? Por que Ele precisaria ser presente na nossa vida se tudo o que fazemos sabemos fazê-lo sozinhos? Não podemos servir somente porque sabemos fazer tal serviço da maneira perfeita. Precisamos servir, pensando no desfrute dos irmãos, na edificação do Corpo de Cristo. Precisamos servir nos consagrando ao Senhor, reconhecendo que não conseguimos fazer nada por nós mesmos.

“Não que, por nós mesmos, sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a nossa suficiência vem de Deus” (2 Co 3:5)

2) Quando nos conformamos com nossa vida espiritual

Sempre achamos que Deus Se esquece de nós. Mas e quanto a nos esquecermos Dele? Quantas vezes agimos e tomamos decisões nos esquecendo do Senhor! Deus também deseja ser consultado por nós! Quando não oramos, não desfrutamos dos hinos, por que Deus Se achegaria a nós? Por que Ele acharia que estamos precisando da presença Dele? A oração é o primeiro passo para nos achegar a Deus. Acordar e consagrar nosso dia ao Senhor é um item muito importante para obter a presença de Deus. Cedo, pela manhã, pedir pela presença de Deus na nossa vida faz toda a diferença. (Os 6:3; Sl 5:3)

“Não me ocultes o rosto no dia da minha angústia; inclina-me os ouvidos; no dia em que eu clamar, dá-te pressa em responder-me” (Sl 102:2)

Esse precisa ser nosso desejo e oração diários. Precisamos acordar desesperados para tocar o Senhor. Não podemos esperar passar todo o dia e invocá-Lo apenas antes de dormir. Por outro lado, precisamos buscar estar com aqueles que nos façam crescer espiritualmente. Estar com os irmãos da igreja, participar de conferências e retiros, e ter companheiros espirituais são ótimas oportunidades de obtermos crescimento espiritual e reconquistamos a presença de Deus na nossa vida.

“Segue com aqueles que, de coração puro, invocam o Senhor” (2 Tm 2:22b)

Nosso homem caído e natural sempre achará que tudo que já aprendemos na vida da igreja foi o suficiente para a nossa salvação. Isso é uma artimanha de Satanás! Assim como as misericórdias do Senhor se renovam de dia em dia, precisamos renovar nossa comunhão com o Senhor dia após dia. Ó Senhor Jesus!

“A benignidade do Senhor jamais acaba, as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade”  (Lm 3:22-23)

3) Para provar nossa fé

E se estivermos vivendo a vida normal da igreja, não praticando pecados grosseiros, mas mesmo assim sentindo uma secura espiritual? Lendo a Palavra, mas não obtendo desfrute? Creia que isso é permissão de Deus nas nossas vidas. Muitas vezes, Deus permite essa secura espiritual para testar nossa fé. Para ver a conduta do nosso coração, se reagiremos ou não; se buscaremos um renovo espiritual ou não.

Estar em secura espiritual não significa que Deus não gosta mais de nós ou não faz mais questão de nós! Jamais, jovem! Jesus ama você e está sempre observando tudo! Ele apenas deseja ver uma reação da sua parte, de O buscar e clamar pelo nome Dele: Ó Senhor Jesus! Creia, jovem, que a secura é necessária. Quando essa sequidão vem, passamos a valorizar os mananciais de vida que só o Senhor pode nos proporcionar! (Sl 84:5-6) Quando alcançamos novamente a presença de Deus, não O trocamos por nada! Ele anela que reconheçamos o verdadeiro valor que Ele pode nos proporcionar! Afinal, que valor teriam os vales se não houvesse as montanhas? As dificuldades são necessárias para nosso amadurecimento!

Esse é o viver de fé! Buscamos Cristo, mesmo quando parece que nada está surtindo efeito. Mas está! Deus opera até mesmo nos nossos momentos de frieza espiritual. O segredo está em perseverar a voltar ao primeiro amor! Não podemos nos contentar com a ausência! Precisamos querer o melhor de Deus: Sua presença!

“Visto que andamos por fé e não pelo que vemos” (2 Co 5:7)

Crer faz toda a diferença. Isso nos torna pessoas maduras. Reconhecer que nosso relacionamento com Deus é consolidado na fé é uma virtude humana! Você deseja receber essa virtude? Então creia! Creia nas palavras de Deus, mesmo quando as situações não forem favoráveis. Simplesmente, viva por fé! É isso que Ele quer de você: crer que Ele pode fazer do impossível o possível!

“Isto é impossível aos homens, mas para Deus tudo é possível” Mt 19:26b

Conclusão – Atrair a presença de Deus

Assim como, na infância, ao brincar de esconde-esconde, quando queríamos ser achados, propositadamente, fazíamos algum barulho ou deixávamos nossa silhueta visível, hoje, precisamos querer ser achados por Deus. Para isso, precisamos ter um viver de cristãos. Não apenas ser um cristão, mas viver como um cristão. Não podemos ter um viver individual, aliás, já não somos mais nós que vivemos, mas Cristo vive em nós (Gl 2:20). Precisamos saber usar os meios a que temos acesso para atrairmos a presença de Deus. Precisamos nos voltar ao primeiro amor.

Que as pessoas ao seu redor sejam atraídas por Cristo por meio de você. Recebe essa bênção? Por isso, hoje, se arrependa e volte ao Senhor! 

Deixe seu comentário