A história de José é muito conhecida no meio cristão, não é mesmo? Temos pregações, livros, filmes e diversos materiais a respeito da trajetória do filho de Jacó que sonhou que iria reinar (Gn 37.5-9), mas acabou sendo vendido pelos seus irmãos (v. 28), feito escravo no Egito (39.1) e preso injustamente (v. 20).

Porém, por permanecer fiel ao sonho dado por Deus, aquele jovem sonhador de 17 anos amadureceu e o Senhor deu-lhe o que havia prometido: o governo sobre toda a terra do Egito (41.40-44) e, ainda, a missão de conservar a sucessão do povo de Israel na terra em uma época de fome (45.7). Qual o segredo do sucesso de José?

Todos nós, cristãos, temos o objetivo de alcançar a promessa de Deus, mas também passamos, assim como José, uma longa trajetória de provação e aprovação (2 Tm 2.15).

Neste texto, serão abordados 4 traços do caráter de José que foram determinantes para que ele alcançasse o sonho que Deus lhe deu. Que possamos aprender com esse exemplo para que também alcancemos o sonho que Deus deu a cada um de nós: reinar com Cristo (Ap 20.6; Hb 2.5-8). Vejamos essas lições para o nosso caráter:

FIRMEZA: José foi firme em sua personalidade

Deus deu-lhe um sonho que norteou seu caráter. José foi firme, não cedeu às circunstâncias. Na casa do pai, muito embora seus irmãos fossem uma influência negativa, ele não foi influenciado mas, permaneceu obediente ao pai.

Ainda que constantemente presenciasse a desobediência dos irmãos, em lugar de “entrar na onda”,  José relatava a Jacó com fidelidade o que eles faziam, pois aquilo se tratava dos rebanhos, os negócios do pai (Gn 37.2).

Mesmo sendo apenas o segundo filho mais novo dentre os 12 filhos de Jacó, seu pai confiava mais nele do que nos outros filhos e encarregou-o de dar-lhe notícia de como iam seus irmãos e o rebanho (v. 14).

Por tudo isso, ele sofria com o ciúmes e o ódio dos seus irmãos, devido aos seus sonhos e palavras (v. 8), mas ainda assim, ele não se corrompeu para ser aceito, mas permaneceu firme. Jovem, você já se sentiu pressionado a fazer algo errado para ser aceito? Veja aqui que você não está só, desde muito tempo jovens fiéis são pressionados pela onda do mundo para agir contra Deus. Mas permaneça firme pois, assim como José, você terá a recompensa!

Há também outra ocasião em que podemos perceber a firmeza da personalidade de José: quando ele resistiu à tentação da mulher de Potifar (39.7-12). Este havia confiado a José toda a sua casa (v. 3-6) mas, ela pediu que José traísse essa confiança, deitando-se com ela. Da mesma forma, Deus tem nos confiado pessoas para cuidar e ser exemplo: os jovens mais novos, recém convertidos, nossos irmãos de sangue. Quando caímos em tentações como essa, é como se traíssemos essa confiança do Senhor, pois como ficarão aqueles que nos observam e que nos tomam como exemplo? Essa situação representa toda tentação carnal por que passamos. Jovem, você já passou ou tem passado por alguma tentação carnal? Seja firme, resista! José é um exemplo de um jovem que resistiu. Se ele conseguiu fazer isso com sucesso, nós podemos resistir também!

Por último, José ainda foi firme na prisão. Sabemos que o ambiente de uma prisão não é um dos melhores. Ali estão pessoas que fizeram coisas erradas, vergonhosas e degradantes. Mas José não se deixou levar por isso. Pelo contrário, ele cuidou de todos os presos e de todo ambiente da prisão. Não importava o quão maldosos e irresponsáveis eram as pessoas ali, José permaneceu firme como alguém que depende do Senhor e em quem se pode confiar (39.21-23).

Nós somos aqueles que deixam o ambiente negativo ao redor influenciar-nos ou temos firmeza e convicção de nossa vida com Deus em qualquer tipo de lugar?

Que a firmeza de José nos ensine a permanecermos fiéis mesmo com más influências ao redor, com tentações carnais e em ambientes negativos. Passemos agora ao segundo traço do caráter de José.

CONSTÂNCIA: José foi constante

Ele foi a mesma pessoa na casa do pai, a mesma pessoa quando vendido como escravo e a mesma pessoa na prisão. Veja que ele permaneceu o mesmo em circunstâncias diametralmente diferentes: na casa de Jacó ele era o “queridinho”, o mais amado e quem ganhou o melhor presente do pai (Gn 37.3). Ali ele era confiável, Jacó confiava nele (v. 13-14). Você pode pensar que ele era assim porque a situação era favorável: “Ah! José era perfeitinho porque não tinha problema nenhum, era o queridinho do papai”. Porém, José foi a mesma pessoa confiável quando escravo (39.1-4) e quando preso (39.21-23). Vimos já que José foi firme em todas essas situações, e isso o fez ser constante.

Uma pessoa constante é uma pessoa confiável, pois sabemos que ela nunca vai mudar. Inclusive, isso é o que torna Deus confiável, afinal Deus não muda (Ml 3.6). Da mesma forma, imitando o nosso Senhor, precisamos ser pessoas constantes (2 Ts 3.5), ser os mesmos em toda e qualquer situação. Jovem, você é a mesma pessoa com seus pais e com seus amigos? A mesma pessoa na igreja e na escola ou no trabalho? Você é o mesmo em toda situação ou você ficaria desconfortável caso um amigo seu da escola ou trabalho fosse à reunião da igreja? E se algum irmão da igreja acaso viesse estudar ou trabalhar com você? Você é a mesma pessoa na situação favorável e na desfavorável? Confiável ou desconfiável?

Que nos tornemos pessoas constantes, confiáveis. Se as pessoas não sentirem confiança em nós, como nos darão responsabilidades? Se Deus não confiar em nós, como nos dará o reino?

PASTOREIO: José cuidava das pessoas

O terceiro traço do caráter de José é que ele tinha experiência em cuidar de pessoas, em pastorear. Na casa de Jacó ele apascentava os rebanhos (Gn 37.2), o que mostra que ele não era ocioso, mas cuidava das coisas do pai. Além disso, estava adquirindo experiência em cuidar de pessoas, pois era enviado por Jacó para ver se seus irmãos estavam bem (v. 13-14). Com 17 anos, José já tinha experiência em cuidar. Jovem, você se acha muito novo para cuidar de pessoas e administrar negócios de outros? Com 17 anos José apascentava rebanhos e cuidava de seus irmãos, que eram mais velhos que ele. Que possamos seguir esse exemplo!

Já na casa de Potifar, José foi posto por mordomo (39.4-5). Um mordomo cuida de tudo em uma casa. Por fim, na prisão, o carcereiro confiou a José todos os presos ali (v. 21-23). Por causa dessas experiências, Deus pôde dar o governo a José.

Jovem, se quisermos reinar com Cristo, precisamos desde cedo buscar experiências em pastorear pessoas, em cuidar de pessoas. Não se preocupe apenas consigo mesmo, escolha alguém para cuidar! O Senhor quer te fazer rei sobre muitas pessoas, então você precisa começar hoje a aprender a administrar e cuidar de pessoas.

Estar na Presença de Deus

Jovem, o último traço – importantíssimo e crucial – de José que queremos destacar é que ele tinha a presença de Deus em tudo o que fazia. Era firme, constante e pastoreava porque o Senhor era com ele (Gn 39.2-3, 21, 23; 41.39). Ou seja, Deus abençoava-o com Sua presença. O Senhor não nos abandona, mas frequentemente deixamos a presença Dele, não é mesmo? Procuremos sempre estar na presença do Senhor, e Ele fará prosperar tudo o que passa pelas nossas mãos, Ele guiará nosso caráter e nos ensinará como agir. Que possamos ser conhecidos pelo fato do Senhor ser conosco.

Conclusão

Jovem, no fim de toda essa trajetória de José, Faraó disse sobre ele: “Visto que Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão ajuizado e sábio como tu” (Gn 41.39). Que as pessoas mais ilustres possam ver que, por causa de Deus, nós somos mais ajuizados e sábios que aqueles que não têm o Senhor, por mais capazes que estes sejam. Ninguém despreze a nossa mocidade (1 Tm 4.12), ninguém diga de nós: “Ele é desajuizado assim porque é jovem”. Pelo contrário, que sejamos padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza. Que desde já sejamos reconhecidos como aqueles que, por causa de Deus, são os mais ajuizados e sábios em qualquer lugar e situação que estejamos! Aleluia!

Deixe seu comentário