Quando apresentamos nossas petições ao Senhor, normalmente, queremos que o Senhor as atenda prontamente. Contudo, quando é o Senhor quem nos mostra Sua necessidade, atendemos na mesma velocidade? Vejamos dois trechos bíblicos que nos ajudarão nessa reflexão.

O Senhor suprindo nossas necessidades

No livro de Mateus, podemos ver o episódio em que o Senhor e seus discípulos estão em um barco. O relato mostra que, enquanto o Senhor dormia, os discípulos estavam lutando contra uma forte tempestade que acometia o barco. Desesperados com a situação e sabendo do poder do Senhor, o acordaram pedindo por socorro. (Mt 8:23-27)

“Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos! Perecemos!”  Mt 8:25

As necessidades do Senhor

O segundo trecho relata que Jesus, após se dirigir para o jardim do Getsêmani acompanhado pelos discípulos, distanciou-se para orar levando consigo Pedro e os irmãos Tiago e João. Naquele momento, Jesus estava angustiado e triste, pois se aproximavam os momentos finais de seu ministério na terra. Fez, então, um nobre pedido aos três que com ele estavam:  A minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai comigo (Mt 26:38).

O Senhor, naquele momento, apresentou sua necessidade a seus discípulos: vigiar com Ele. O Senhor se distanciou deles para se dirigir ao Pai em oração e, ao retornar, encontrou-os dormindo. Após exortá-los para que vigiassem e orassem retirou-se novamente. Ao retornar, por duas vezes, encontrou-os dormindo, talvez por causa do cansaço, da demora, ou por simplesmente não terem percebido a urgência daquela necessidade do Senhor.

Retornando à primeira história: a Bíblia relata a reação do Senhor após o clamor dos discípulos no barco: E, levantando-se, repreendeu os ventos e o mar; e fez-se grande bonança (Mt 8:26). Essa é a velocidade com que o Senhor atende nossas necessidades, por saber que o barco não naufragaria, Jesus poderia ter desprezado a súplica daquelas pessoas e ter continuado a dormir, mas Ele logo acalmou os ventos e o mar por amor aos discípulos.

Ponto de equilíbrio: Minha necessidade ou as necessidades do Senhor

Há uma diferença entre como o Senhor se preocupa com nossas necessidades e como nós nos dedicamos às Dele. Vamos diversas vezes ao Senhor com demandas urgentes do dia a dia: acalmar uma tempestade, curar uma enfermidade, uma prova, um emprego ou até mesmo pegar um ônibus que já está saindo na rodoviária.

As pequenas necessidades apresentadas pelo Senhor no nosso dia, são como a apresentada no Getsêmani, de os discípulos estarem perto e vigiarem junto Dele. Eles não conseguiram atendê-la, da mesma forma que talvez nós não teríamos conseguido.  

Mateus 25:21 diz:

“Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor”

O servo bom e fiel é aquele que é fiel no pouco. O Senhor tem muito para nos dar, sua própria vida e desfrute, além de muitas responsabilidades, mas, se nem em coisas simples somos fiéis, estamos restringindo o trabalhar do Senhor em nossa vida.

Se fossemos comparar o pedido do Senhor  para orarmos, lermos a palavra, participarmos de uma reunião, cuidarmos de uma pessoa com as nossas necessidades pelas quais pedimos a Ele, como trabalho, relacionamento, cuidado com nossa família, casa, carro, aperfeiçoamento no serviço da igreja e tantas outras coisas, veríamos que os pedidos do Senhor são simples. Na verdade, diante de tudo que Ele fez por nós e do grande amor com que nos ama, tudo o que o Senhor pede é, realmente, bastante simples. Por isso, João pode dizer que os mandamentos do Senhor não são penosos (1 Jo 5:3).

O Senhor é quem supre

Tive uma experiência forte sobre as minhas necessidades e as do Senhor na época de uma conferência de adolescentes igreja. Tinha minhas responsabilidades com o estágio e, ao mesmo tempo, com a conferência. Contando com a oração dos outros jovens da igreja, decidi fazer a inscrição para a conferência sem saber se teria liberação do trabalho. Dias depois fui falar com meu chefe sobre a ida e ele prontamente se dispôs a me liberar para a conferência. Eu poderia ter usado qualquer desculpa para com ele, mas ao contar que iria para uma conferência, o Senhor lhe abriu o coração e permitiu que eu fosse sem nenhum problema. Nessa experiência vi que ao me preocupar com a necessidade do Senhor, Ele se preocupou com a minha.

Tenho vivido essa experiência no serviço ao Senhor, no dia a dia quando me disponho a servi-Lo. Seja no serviço de música ou junto aos jovens, mesmo com pouco tempo,  vejo que o Senhor está se preocupando com todas as outras coisas, como ânimo e tempo para os estudos, atividades do trabalho e tempo com a  família.

Dicas práticas

Devemos ir diante do Senhor e ouvir Sua necessidade. O caminho para isso é bem mais simples que pensamos. Vamos a duas dicas muito importantes:

1) Pare agora e faça uma lista com todas as coisas que estão te preocupando nesse momento, que serão seus pedidos de oração. Feita a lista, marque quais são as suas necessidades e quais são as necessidades do Senhor

2) Escreva agora uma lista de coisas para começar a fazer hoje para atender as necessidades do Senhor, e outra lista,  para atender às suas.

Exemplo:

Necessidades do Senhor : cuidar dos jovens. O que farei: visitarei um jovem por semana.

Minhas necessidades: aprender espanhol. O que farei: estudarei espanhol 20 minutos por dia.

Podemos criar uma rotina para o nosso dia, e assim, fazer essas coisas pouco a pouco. Dessa forma perceberemos se estamos mais preocupados com as necessidades do Senhor ou com as nossas. O Senhor conhece as nossas necessidades: entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará. (Sl 37:5).

Que tal nos apresentarmos para vigiar junto do Senhor, em alerta, o tempo que for necessário, nos dedicando às suas necessidades, como, por exemplo, pregação do evangelho, apascentamento e intercessão por sua obra?

Deixe seu comentário