Você já se sentiu sujo? Sentiu um peso por ter pecado? Todos nós que alguma vez fomos iluminados pela luz de Deus já tivemos essa sensação. Às vezes sentimos que esse peso nunca sairá das nossas costas. “Eu errei e sei que Cristo me perdoou, mas isso não muda o fato de que eu errei”, esse pensamento é muito comum entre cristãos. Seria isso nossa consciência mostrando que não estamos completamente limpos? NÃO!

Se você se arrependeu, confessou seus pecados para Deus e pediu o perdão, então, esses pensamentos não são sua consciência mostrando o pecado em você, pois a mácula deixada por esse pecado já não está mais em você. Por isso, o objetivo das próximas frases vai ser esclarecer esse assunto. Ainda que você já tenha ouvido isso antes, encorajo que se apresente como uma folha em branco ao Senhor ao continuar nesse texto e leia como se fosse a primeira vez.

Para entendermos como funciona o perdão de pecados, lembremos a maneira do antigo testamento de lidar com essa questão. No deserto, quando prepararam o tabernáculo, Deus instituiu o dia da expiação. Nesse dia, uma vez por ano, o sumo sacerdote deveria tomar o seu incensário, colocá-lo dentro do Santo dos Santos para que a fumaça do incenso cobrisse os querubins sobre a arca e, nesse momento, deveria aspergir o sangue sete vezes sobre o propiciatório (a tampa da arca). Assim, ele estava fazendo o sacrifício pelos seus próprios pecados, e depois, seguiria o mesmo passo a passo pelos pecados do povo (Lv 16:11-14).

Mas o que isso representa para nós hoje? Para remissão de nossos pecados, devemos primeiramente apresentar nossa oração nos confessando ao Senhor (representado pelo incensário). Após isso, vem a parte que não cabe a nós: só precisamos pedir a Cristo a aspersão do sangue para que nossos pecados sejam redimidos. Em Hebreus 9:22b, está escrito: “sem derramamento de sangue, não há remissão”. Aqui vemos que é necessário o sangue para nos redimir, mas antes, no versículo 12, está escrito: “não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas por meio do seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção”. Assim podemos entender que nunca mais será necessário fazer sacrifícios, pois o sacrifício eterno já foi realizado!

Quando um sacrifício era feito no antigo testamento, os pecados eram julgados sobre um animal, mas isso não era eterno. Porém, quando Cristo morreu por nós, Ele foi a propiciação eterna pelos pecados do mundo inteiro (1 Jo 2:2). Quando os filhos de Israel ofereciam sacrifício pelos nossos pecados, era como se Deus fosse varrendo os pecados para debaixo do tapete, mas quando Cristo morreu, Deus levantou o tapete, pôs sobre Jesus todos os pecados até então (e todos os pecados que ainda haviam de vir). Assim, Cristo foi julgado em nosso lugar, e, através do Seu sangue, Deus limpou essa pilha de pecados de todos que se arrependeram e que ainda iriam se arrepender de uma vez por todas.

Então, por que mesmo assim ainda parece que o pecado ainda existe? É porque Satanás é tão injusto que continua com seu papel de acusador (Ap 12:10). Só que a Palavra diz que já não há nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus (Rm 8:1) e que ninguém pode nos acusar já que Deus nos justificou (v. 33).Por isso, você pode dizer para o inimigo: “Cristo perdoou meus pecados!!! Ele morreu por mim!!! Quem você pensa que é para me acusar quando nem mesmo o Deus todo poderoso não mais vê os meus pecados???” (Jr 31:34). Quando enfrentamos Satanás com nossos argumentos fundamentados na palavra de Deus, ele foge! Não importa o tamanho do seu pecado, O SANGUE É MAIOR! Se esse sangue precioso for aplicado, no dia do julgamento do Senhor diremos: “Senhor, eu muito pequei em minha vida”, e o Senhor dirá: “Eu não vejo pecado nenhum em ti, eu só vejo o Meu sangue!”.

Deixe seu comentário