É mais fácil perceber a instabilidade e o mal deste mundo em alguns momentos do que em outros. Após dois anos de pandemia e ainda tristes pelas notícias sobre o desastre em Petrópolis, fomos surpreendidos com a notícia da invasão da Ucrânia pela Rússia, um dos eventos bélicos mais significativos desde a Segunda Guerra Mundial. 

Digo “surpreendidos” porque muitos de nós neste país não estavam ligados no que acontecia naquela parte do mundo. De fato, não estamos ligados em muitas coisas que acontecem longe de nós. Não vemos notícias sobre o estado da Síria, a violência no Haiti e os conflitos no Iêmen, por exemplo. 

É claro que não é possível acompanhar ou nos sensibilizar por todas as crises da terra. Somos humanos, limitados quanto ao que podemos ler e nos sensibilizar. Mas, quanto ao que podemos fazer, que não haja indiferença em nós. A compaixão de Cristo nos move a isso. E o propósito de Deus é para toda a terra.

Assim, precisamos nos preocupar e interceder pela situação Ucrânia X Rússia. Quero lembrar de pelo menos três motivos para fazer isso – e certamente há muitos outros.

1. Quando um membro sofre, todo o Corpo sofre (1 Co 12:26)

Ao crer no evangelho, nos tornamos parte do Corpo de Cristo. De uma maneira que escapa ao nosso entendimento, estamos conectados com todos os filhos de Deus em todo o mundo. Apesar de nossas diferenças, somos concidadãos dos santos e membros da família de Deus (Ef 2:19).

Na Ucrânia há muitos que confessam o nome do Senhor. Nos últimos dias, pude participar de uma conversa com alguns. Um momento para tentar entender um pouco que fosse da dor deles, enquanto partilhavam sobre o que está acontecendo e seus sentimentos diante disso. Oportunidade também para aprender com eles. Mesmo nessa situação, se preocupam em como servir e levar a esperança do Senhor a outros, falar do evangelho, orar pelas pessoas e acolhê-las.

Se possível, pesquise sobre cristãos que vivem na Ucrânia. Precisamos ter consciência de que nossos irmãos estão sofrendo e interceder por eles. Quando um membro sofre todo o Corpo sofre.

2. Deus ama pessoas de todas as nações

Embora o povo de Israel fosse chamado de propriedade especial de Deus no Antigo Testamento, ele seria, como dito desde o início, uma bênção para todas as nações. Em Abraão foram abençoados todos os povos, e Israel deveria ser luz para eles, a fim de que viessem adorar o Senhor (Gn 12:3, Is 49:6, Sl 67:2-4).

A grande comissão é para que o Senhor tenha discípulos de todas as nações (Mt 28:19). Na igreja todos os povos são incluídos (cf. Cl 3:11, Gl 3:28).

E, no fim, representantes de todas as nações estarão diante do trono do Senhor o adorando para sempre (Ap 7:9)!

Não é porque os acontecimentos estão distantes que deixaremos de nos importar. A fé cristã não tem nacionalidade. Não amamos mais nossa pátria terrena do que nossa pátria celestial, da qual fazem parte povos de todas as nações.  

3. Interceder por todos, orar pela paz

Sabemos que as guerras são consequências do pecado no coração do ser humano. Quem pode explicar que alguns poucos poderosos, por causa de seus interesses, coloquem vidas de multidões em perigo?

Sabemos também que, por isso, não há paz permanente neste mundo. Apenas haverá quando o Príncipe da Paz vier e governar de forma plena. Mas, ainda assim, a Palavra nos diz para interceder por todos, pelos que exercem autoridade, para que vivamos em paz (1 Tm 2:1-2).

Ainda que não nos afetasse deste lado do mundo, como tem o potencial de afetar, oremos pelos ucranianos, pelos russos, por suas autoridades, pelos governantes de outras nações, por todos os envolvidos. 

Vamos pensar na dor e falta de esperança que muitos desses estão enfrentando. Oremos, busquemos, batendo à porta (Mt 7:7-11), intercedendo com confiança nos ensinos de Jesus sobre oração. O Senhor soberano, que muda os tempos e as estações, remove e estabelece reis (Dn 2:21) é poderoso para nos atender, trazer paz e consolar os aflitos. Seu nome é a esperança de todo o mundo (Mt 12:21-NVT).


Mais informações sobre cristãos na Ucrânia:

Leia o relato do pastor ucraniano Vasyl Ostryi 

Veja os vídeos sobre a situação atual da Ucrânia no Canal da Junta de Missões Mundiais da CBB

Deixe seu comentário