Você já parou para contemplar o tamanho do universo? Ou já parou para pensar no tamanho do planeta em que vivemos? Se não, tente fazer um exercício: pense no tamanho de sua cidade. Depois, pense em quão pequena ela é se comparada a seu estado. Depois, a seu país. Repita isso até comparar quão pequena é a terra se comparada ao Sol. Fazendo isso, fica fácil perceber o quão pequenos nós somos no escopo do universo magnífico criado pelo nosso Deus. Somos menores que um grão de areia na praia do universo. Diante disso, você gostaria de saber por que o homem é tão especial? Então vem comigo! Essa obra maravilhosa publicada pela Editora Árvore da Vida busca responder a essa pergunta tão ousada. Batendo de frente com o que a ciência diz sobre o homem e mostrando a verdade que se encontra nas escrituras: o homem é o centro da criação de Deus.

A insignificância do homem

“O salmista não se contém ao descrever a majestosa criação de Deus: os céus, a lua e as estrelas. E ao contemplar a grandiosidade dos céus, obra de Suas mãos, realça a insignificância do homem, pois, em face da dimensão de nossa galáxia, a terra é menor que um grão de areia, e diante da imensidão do universo, que é formado por uma infinidade de galáxias, o nosso planeta passa a ser totalmente insignificante. E que dizer do homem que nele habita?” (p. 11,12)

Impossível não se maravilhar com a imensidão da criação de Deus e ficar aturdido pelo fato de Ele ter escolhido a nós, seres insignificantes, para O conter. 

 O grande segredo da criação do homem: seu espírito

“O homem foi criado como um vaso, um recipiente (Rm 9:21, 23). Para ilustrar, podemos usar a figura da luva: assim como a luva serve para revestir a mão, que comanda todos os movimentos, o homem foi feito para viver segundo a mente de Cristo, conforme Seu bom prazer, a fim de realizar a vontade de Deus.”(p.27) “Devemos ter muita clareza de que ao ser formado do pó da terra, o corpo do homem ainda não tinha vida. O que deu vida ao homem foi o sopro de Deus, de acordo com o texto bíblico: “E lhe soprou nas narinas o fôlego de vida” (Gn 2:7). Precisamos ter consciência de que o próprio Deus Eterno, ilimitado, colocou algo Dele mesmo naquele corpo terreno, finito e limitado.” (p. 31)

Aqui está o segredo: em toda a criação do universo, somente o homem é capaz de conter Deus. Por termos sido feitos do pó da terra, temos a capacidade de nos relacionar com esse universo magnífico, mas, muito mais importante, porque o Senhor soprou em nós o Seu espírito, nós temos a capacidade de nos relacionar com Ele.

O plano de Deus para o homem

“A esperança de Deus reside na capacidade que o homem tem de receber Sua vida, sendo que, se ele deixar essa vida crescer e amadurecer, introduzirá o reino de Deus na terra e reinará com Seu Filho no mundo que há de vir.” (p. 52) “O que torna o homem tão especial não é o seu corpo biológico, que os cientistas dizem provar sua semelhança com outros seres vivos na terra, reforçando a teoria da evolução; antes, é o seu espírito humano, que não é físico, não está sujeito às leis físicas, mas é da mesma natureza eterna de Deus.” (p. 68)

Aleluia, pois temos a vida de Deus em nós! Devemos valorizar esse espírito que Ele nos deu e viver por ele hoje. Não vamos nos ater a esse mundo. Ainda que a criação seja maravilhosa, ela não se compara à glória do mundo que há de vir.

Para onde a fé levará o homem?

“O capítulo 11 da Epístola aos Hebreus inicia dizendo que a fé é capaz de substantificar a própria essência de Deus; ela pode trazer à realidade as coisas que se não veem. Em seguida, relata o bom testemunho que os antigos obtiveram: “Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem” (v. 3). O universo físico, visível, veio a existir das coisas que se não veem, ou seja, da dimensão espiritual. Isso significa que antes de existir o universo visível, ou seja, antes da criação do céu e da terra, havia o Deus Eterno em Seu plano espiritual, na dimensão das coisas que se não veem. Portanto, se o homem, que pertence ao universo visível, material, não pudesse ter acesso às coisas da dimensão espiritual, não faria sentido a sua existência. Graças a Deus que ao homem, e somente a ele, foi dada a capacidade de contatar as coisas de Deus por meio da fé.” (p. 77)

A fé é o canal pelo qual acessamos a dimensão de Deus, deixando essa dimensão física. Por meio da leitura desse livro, surgiu em mim um desejo de viver olhando para as coisas espirituais. Se esse mundo, que é limitado pelo tempo e espaço, é tão magnífico que foge (e muito) da nossa capacidade de compreensão, imagina a dimensão espiritual onde reside o Senhor? Quão glorioso será o reino vindouro? Espero que, com a leitura desse livro, você possa ter o mesmo encargo de desfrutar das maravilhas insondáveis de Cristo.


O livro pode ser adquirido neste link.

Ficha técnica:

Autor: Pedro Dong.

Páginas: 96 págs.

Editora Árvore da Vida.

Deixe seu comentário