A vida humana proporciona muitas experiências positivas e negativas. Algumas dessas são capazes de nos marcar fortemente e por muitos anos.

Durante muito tempo, fui influenciado por algumas experiências negativas que vivi. Andei danificado e de alguma forma preso, sufocado. Por conta disso, muitas vezes, transferi minha culpa para algumas dessas situações, não que elas não tenham me modificado ou traumatizado.

Percebi que essas experiências, de alguma forma, eram como um fardo, pesando demasiadamente em minhas costas, em meu coração. Isso deixava minha alma angustiada, de modo que quando tentava fazer algumas coisas, sentia uma parede invisível me resistindo.

Eu conseguia avançar, mas com muita dificuldade, porque esses percalços eram a fonte e o combustível para uma espécie de trevas ao meu redor.

De repente, Deus me mostrou outro caminho. Uma alternativa para viver aliviado, lavado pelo poder irresistível do sangue de Cristo. Então, passei a viver me apossando disso diariamente: liberar perdão àqueles que me feriram, resistir à influência das experiências negativas, não deixando que elas determinassem meu comportamento e vi que eu não podia responsabilizá-las para sempre pelos meus erros do presente.

Ele também me mostrou que eu precisava mudar meus referenciais: parar de seguir aqueles que remontavam à minha dor, que não podiam me guiar e contribuíam apenas para que eu me corrompesse cada vez mais (Mt 15:14; 1 Co 15:33).

O Senhor me fez saber que eu podia repreender e resistir ao sentimento de angústia, aflição e dor interior, lançando-os para fora de mim (Ec 11:10), por meio da oração, da leitura da Bíblia, da comunhão com os irmãos, dos hinos, dos livros espirituais e de toda arma espiritual disponível (Ef 5:19).

Ele me mostrou que, na cela onde eu me via preso, tinha uma porta aberta e que eu podia sair, pois Ele já havia operado um “terremoto” (At 16:26). Estava em minhas mãos a decisão de permanecer naquele lugar ou ir embora.

Era como se eu estivesse me afogando em águas de morte e, de repente, suas mãos tivessem me agarrado e puxado para a superfície, me fazendo tomar fôlego e contemplar a vida novamente (Sl 40:2). Agora, eu podia ver o mundo pela perspectiva Dele e não pela dos meus problemas

Enfim entendi que a vida, infelizmente, é assim. Muitas experiências positivas e negativas, algumas são muito influentes e  modificam nosso comportamento. Precisamos ficar atentos quando essas situações nos levam a deixar de fazer a vontade do Senhor.

Precisamos deixar os embaraços, resistir aos sentimentos malignos que tentam nos afogar, lançar fora toda culpa e condenação, levantar os olhos e ver que Deus está ali, de pé, no nosso meio, e que Ele é poderoso para nos salvar (Sf 3:17; Hb 12:1).

Ele já abriu a porta da cela, fechou a boca dos leões, quitou nossa “dívida” e nos faz habitar seguros.  (Dn 6:22; Cl 2:14; Sl 4:8).

Jogue fora todo acúmulo de dor e frustrações, por meio da oração! Peça a Ele para curar as feridas que ainda estão abertas e preste atenção que algumas delas, apesar de você achar que ainda não fecharam, já estão cicatrizadas há muito tempo.

Está na hora de você superar. Você não encontrou esse texto por acaso! O Senhor te encaminhou até aqui porque quer te libertar e aliviar!

Deus está falando com você: está na hora de você avançar para o próximo nível! Pare de viver dessa forma! Resista a esses sentimentos! O que você sofreu está no passado e só vai te influenciar agora se você permitir! Libere perdão a eles! Se você não consegue conviver, pois isso te remonta ao passado, ao trauma, à dor, então não os acompanhe. “Achega-se a mim, venha e entre ousadamente na sala do trono da graça e lança teu fardo sobre mim e eu te aliviarei” (Mt 11:28).

Tome a sua decisão. Deus já abriu a porta da cela, você vai permanecer na escuridão?

 

Deixe seu comentário