Na eternidade passada Deus estava oculto. No entanto, por meio da Palavra Ele se revelou (Jo 1:1-14). Assim, se queremos conhecer o Senhor precisamos conhecer a palavra e, dentre as várias maneiras de se fazer isso, a mais acessível é ler a bíblia e os livros espirituais.

Por meio desse tipo de comunhão podemos conhecer o Senhor em diferentes profundidades. Imagine o Senhor como um rio (Ez 47:2-9). Ele é raso na orla, mas possui mais profundidade à medida que você entra mais Nele. Assim, há pelos menos três níveis, passos ou profundidades de se conhecer a Deus.

Primeiro, você pode conhecer o que Deus fez. No passado Deus criou o homem, chamou Abraão, concedeu uma terra especial, livrou o povo do Egito, se encarnou, fez milagres, morreu, ressuscitou e entrou no homem para resolver o problema da queda. Saber o que Deus fez é fácil, todos os fatos estão registrados na bíblia.

A bíblia nos diz que “até a criança se dá a conhecer por suas ações, se o que o que faz é puro e reto” (Pv 20:21). O mesmo se aplica a Deus. Deus se dá a conhecer por meio de sua criação, por meio de seu chamamento, seu livramento da escravidão, suas atitudes na terra, seu sacrifício, sua ressurreição e sua salvação. Enfim, Deus se dá a conhecer por meio dos milagres e maravilhas que fez no passado e ainda faz no presente nas vidas de seus servos.

Segundo, você pode conhecer como Deus faz, os caminhos e meios que Deus toma para realizar sua vontade. Esse nível requer mais experiência com Deus, comunhão e viver de consagração. Quem sabe como Deus faz conhece princípios para agradá-Lo, pacificar sua ira e evitar o pecado.

Este era o maior nível de profundidade que os Filhos de Israel no Antigo Testamento podiam alcançar. Por meio da lei, Deus se deu a conhecer, princípios, estatutos e regras para manter a paz entre os homens e com Deus foram estabelecidos. Mesmo assim, por não possuírem a vida de Deus dentro de si, os Filhos de Israel não foram capazes de guardar a lei que somente expôs o máximo da sua falta de espiritualidade. Como resultado, Deus ficou desgostoso com aquela geração. Assim, quando não conhecemos os caminhos de Deus, o Senhor fica desgostado conosco (Sl 95:10).

Além disso, conhecer os caminhos de Deus é importante para cumprir sua vontade conforme a sua palavra. Os caminhos de Deus estão contidos na palavra, a qual contém sua vontade eterna. Deus também tem uma vontade singular para nossa vida. No entanto essa vontade particular jamais irá contra sua vontade eterna contida nas escrituras. Então, conhecer os caminhos de Deus na palavra é importante para cumprir sua vontade particular em nossa vida para determinada situação de acordo com Sua vontade eterna.

A palavra ainda nos dá exemplos de pessoas que conheciam Deus dessa forma. Abraão tomou a justiça como princípio para interceder por Sodoma. Samuel ensinou que obedecer é melhor que sacrificar (1 Sm 14:22). Moisés sabia como agir para abrandar a ira de Deus (Nm 16:44-48) e conseguia por meio de seu serviço fazer expiação pelo povo e cessar a indignação de Deus.

Por fim, a última maneira de conhecer a Deus é conhecer quem Deus é, ou seja, conhecer o próprio Deus. Deus possui uma natureza, um elemento constituinte. Deus é espírito. Deus é luz. Deus é amor. Deus é bom e justo (Pv 25:8; 86:5; Mt 19:17). Deus é santo (At 3:14; 2 Co 1:12). Este é o tipo de conhecimento de Deus que podemos ter hoje, visto que temos a própria natureza de Deus em nosso interior. Sua essência que é o Espírito está em nosso espírito humano e nos molda à Sua imagem dia a dia, transformando-nos de glória em glória (2 Co 3:18). Quando conhecemos a natureza de Deus não somente entendemos o que e como Ele faz, como também entendemos o motivo de Ele agir de algumas maneiras.

Além disso, a natureza de Deus em nós tem um poder reprodutor. Com o passar do tempo, dando oportunidade para que ela cresça, frutos são gerados. Gálatas 5:22-23 nos diz que “o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra essas coisas não há lei”; além de nos encorajar a ter vida e andar no espírito: “Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (vs. 25).

O sentimento da natureza de Deus em nós é tão profundo que excede a sensação de consciência e corresponde ao verdadeiro conhecimento da intuição. Mesmo quando a consciência não reprova algo, pode ser que sintamos no interior que algo não diz “amém” e nessas ocasiões conhecemos o próprio Deus falando-nos.

Conhecer a Deus é essencial. Alguns podem até pedir para o Senhor que lhes mostre o pai, como fez Felipe. Mas, se realmente queremos ver o Senhor e conhecê-Lo profundamente, podemos buscá-Lo na Bíblia para saber o que Ele fez, como fez, até que o experimentemos para saber quem Ele é.

Texto inspirado no livro “A Nova Aliança” de Watchman Nee.

Deixe seu comentário