É uma manhã de verão, fresca, e eu acordo um pouco mais tarde do que o habitual. É sábado e o sono a mais repôs minhas energias depois de uma semana intensa. Invoco o nome do Senhor e agradeço, pois suas misericórdias se renovaram mais uma vez e estou de pé, na casa dos meus pais, onde me sinto seguro e cuidado.

Enquanto tomo café, reflito e percebo que estou feliz. Uma paz inunda meu ser, sinto-me imerso nela. De repente, vejo-me orando em lágrimas de gratidão, pois estou mergulhado no oceano do amor divino, porque tenho qualidade de vida, tenho o que comer. Então, enxugo minhas lágrimas e passo a lavar a louça da noite anterior para minha mãe, que ainda não despertou.

Após isso, procuro algo para ler e encontro uma Bíblia bilíngue antiga. Leio o evangelho de Mateus, capítulo 1, tanto em português, como em inglês. Descubro muitas palavras complicadas, ainda tenho muito que treinar. Leio na cozinha, pois os outros cômodos da casa estão uma confusão de caixas e móveis fora do lugar. Acabamos de nos mudar e, como você deve saber, mudança é um processo complexo.

Ainda na cozinha, ligo o notebook, coloco uma boa música instrumental para tocar e começo a redigir este texto. Acordei poético, inspirado. Reflito sobre o que deveria estar falando aqui e percebo que o objetivo deste texto será uma pequena reflexão sobre nosso viver diário. A descrição da minha manhã poderia ter sido bem diferente. Veja em outra perspectiva:

“Acordo às 9 da manhã e vejo que dormi além do que devia. Percebo que será um dia quente e cansativo; acabamos de nos mudar e a casa está uma bagunça. Vou até a cozinha, não encontro a garrafa térmica em meio ao mar de caixas e tenho de preparar o meu café esquentando água no micro-ondas. Coloco uma música para tocar e ela para na metade – a bateria do meu notebook descarregou. Agora, onde será que guardei a fonte? Lá vou eu revirar as caixas. Procuro minha Bíblia para fazer a leitura diária e vejo que a esqueci no local de reuniões da igreja. Encontro uma bem antiga, bilíngue, fedendo a mofo. Leio o primeiro capítulo que só serviu para me mostrar que meu inglês está péssimo. Tropeço em uma caixa. Olho para pia e vejo uma torre de louças, lavo-as para a cozinha ficar no mínimo agradável. Tropeço em outra caixa.”

A manhã foi a mesma, mas a primeira descrição foi de como encarei as situações no dia de hoje. A segunda foi de como as encaro na maioria dos meus dias. Fico triste em perceber que, no geral, meu ponto de vista é o da segunda descrição: foco nos problemas, nas dificuldades e naquilo que me incomoda.

Lamentações 3:23 diz que as misericórdias do Senhor se renovam cada manhã. O fato de eu ter acordado, ter o que comer e de estar em casa é sinal de que Deus continua usando de misericórdia para comigo, e essa é a causa de eu não ser consumido (Lm 3:22).

Como encaramos os fatos comuns do dia a dia? Qual o nosso sentimento com relação ao cotidiano, ao que o Senhor tem feito por nós a cada momento? Hoje pude me arrepender, pois Deus tem Se doado tanto a mim. Quando eu submeto minha mente ao Espírito, Ele me concede vida e paz (Rm 8:6), mas o barulho do meu interior às vezes é tão forte que não O ouço. A minha mente está tão posta nos afazeres que esqueço de enxergá-Lo nos detalhes.

A vida que Deus concedeu ao homem é tão linda e suas pequenas bênçãos são tão singelas, que, em arrependimento, escrevo estas palavras. Peço perdão ao Senhor por não Lhe conceder o devido louvor e por perder tanto tempo olhando para o que é terreno, enquanto os céus estão abertos. Afogo-me constantemente em pântanos de desânimo, enfado, cansaço, rotina, murmuração, enquanto um oceano de amor quer se derramar a mim.

Engana-se quem pensa que experimentamos Deus apenas em grandes reuniões da igreja ou congressos. Em Deus tudo subsiste (Cl 1:17). Posso senti-Lo em todas as coisas. Posso tocá-Lo todos os dias, seja qual for o contexto. Posso tocá-Lo mesmo na rotina, pois nossa vida  toda é para Sua glória.

“Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus”
(1 Co 10:31).

Precisamos encarar a vida de forma positiva e viver em constante gratidão ao Senhor. Termino este texto incentivando-o a enxergar seu dia na perspectiva de gratidão. Agradeça a Deus pela vida, pois Ele tem Se derramado a nós. Basta termos sede. O Seu amor quer nos saciar e Ele quer Se dispensar a nós. Sinta-O na rotina. Sinta-O nos detalhes. Sinta-O em simplicidade.

Deixe seu comentário