Ouvi uma pregação há alguns meses que me marcou profundamente. Dentre tantas coisas, fiquei marcado ao ouvir tantas vezes que temos pouco tempo. Temos pouco tempo. Não podemos desperdiçá-lo. Sim, somos jovens, mas isso não significa que temos tempo de sobra. Nunca saberemos quando nosso tempo chegará ao fim. E isso faz com que cada momento vivido possa ser o nosso último, logo, precisa ser bem gasto.

Com o que temos gasto nosso tempo? Parece que o tempo está passando mais rápido, os dias escorrem pelos nossos dedos e o que mais se ouve nas conversas entre amigos é: “Não tenho tempo para isso… Minha vida está muito corrida!”. Recentemente eu disse isso, e a resposta que recebi me impactou, algo como: “Ninguém tem mais ou menos tempo que você, o dia tem 24h para todos, desde quando existe a Terra, o Sol, e o movimento rotacional. A diferença está nas suas preferências e prioridades. Em que você escolheu gastar seu tempo?”.

Simples e direto. Aquelas palavras foram como um choque de realidade. Era óbvio, todos temos o mesmo tempo, mas nunca tinha refletido a respeito disso. Não tenho menos tempo que ninguém. Mas o tempo é uma preciosidade com a qual muitos de nós não sabemos lidar.

Vejo o tempo como uma via ferroviária cujo trem não faz paradas, seguindo sempre em frente, de eternidade a eternidade. Nós somos meros passageiros (por vezes desavisados) que veem o tempo passar sem ter o menor controle sobre isso. O presente é para nós um tanto quanto confuso, visto que, de certa forma, não existe (o que era futuro, torna-se passado em um breve instante). Podemos olhar livremente para o passado, entretanto, ele é imutável, nunca poderemos alterar o que se passou. Os erros e acertos já ocorreram e o máximo que podemos (e devemos) fazer é aprender com eles. Por outro lado, o futuro mostra-se extremamente nebuloso, não conseguimos prever o que vem a frente, mas somos os responsáveis pela sua construção. Este é um ponto importante: Eu construo meu futuro!

                Somos protagonistas de nossas vidas. Os “próximos episódios” dependem diretamente de nossas escolhas no presente. Eu preciso escolher bem onde gastar meu tempo. Queria ressaltar dois pontos aqui. O primeiro é que essa é uma escolha. O segundo é que essa escolha é minha, então obviamente ninguém pode escolher por mim. Enquanto cristão, não posso deixar de ressaltar que as minhas escolhas sobre onde irei gastar meu tempo hoje irão ecoar pela eternidade.

Ultimamente tenho gasto muito tempo lendo a respeito do que o tempo é em sua essência e esbarrei em algumas ideias interessantes. O célebre físico alemão Albert Einstein disse a seguinte frase: “Para aqueles de nós que acreditam na física, esta separação entre passado, presente e futuro é somente uma ilusão.” (No original: “For those of us who believe in physics, this separation between past, present and future is only an illusion.”).

Obviamente não era nisso que Einstein estava pensando ao fazer essa afirmação, mas ela encaixa-se extremamente bem no exemplo da via ferroviária. A separação entre passado e futuro dá-se apenas pelo presente, que pode ser visto como nossa posição ao longo da ferrovia. Mas não podemos nos esquecer que a via é a mesma. Passado, presente e futuro existem simplesmente para nos localizar nessa via eterna. Os caminhos que trilho hoje são, inevitavelmente, responsáveis pelo meu destino futuro. Com algumas reservas, acredito que tenha certa validade afirmar que, aquilo que escolho fazer com o tempo que me é dado hoje, farei na eternidade.

Temos pouco tempo. Essa máxima não sai de meus pensamentos. Tento esquecer, mas quando paro por alguns minutos, me lembro que tenho pouco tempo. E se o tempo que tenho para fazer minhas escolhas acabar agora? E se depois for tarde demais para escolher sabiamente como usar o meu tempo? Preciso rever meus conceitos, minhas prioridades, minha forma de vida. O apóstolo Paulo disse, em sua carta aos efésios:

“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus. Por essa razão, não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor.” (Ef 5:15-17)

Jovens, precisamos compreender qual a vontade de Deus em nossas vidas, o que Ele quer que façamos com nosso tempo. Lembremo-nos sempre de que fomos comprados por seu sangue, logo nem nós nem nosso tempo pertencem a nós mesmos, mas a Jesus, nosso Senhor. Que possamos permitir que Ele escolha por nós o que fazer com nosso tempo, é a escolha mais sensata que podemos fazer. Espero que este texto tenha lhe ajudado em algum aspecto de sua vida, afinal escolhi gastar meu tempo escrevendo porque acredito que estas palavras podem servir de ajuda para alguém. Gaste um pouco de seu precioso tempo em oração, pedindo a Cristo que o ajude a remir seu tempo, garanto que será um tempo bem gasto. Em caso de dúvidas, sugestões ou comentários, não deixe de comentar abaixo ou entrar em contato conosco. Estamos aqui para ajudar, conte conosco em sua jornada!

Deixe seu comentário