Para os jovens, em geral, um dia chega o tão temível VESTIBULAR. Esse é o momento de fazer as escolhas sobre seu futuro profissional, de decidir sua universidade, em qual cidade vai estudar e, ainda, qual curso escolher. Julho está chegando e, com ele, as inscrições dos vestibulares. E, logo, é o momento de responder a pergunta mais clichê do ensino médio ou cursinho: “Afinal, o que você vai prestar?”.

Esse questionamento talvez assombre algumas mentes pensantes; pode ser também que, para outras pessoas, a resposta já esteja na ponta da língua. Mas, independente disso, o mais importante é se você já perguntou para Deus sobre a resposta para essa pergunta.

Em 2010, eu passei por essa situação de ansiedade, angústia e dúvida. Era o meu último ano do colegial, era o ano no qual eu iria decidir o meu futuro. E a assombrosa pergunta começou a ser feita a mim, primeiramente, pelos meus pais e, em seguida, pelos meus parentes, irmãos em Cristo, colegas de sala e professores. Na época, eu respondia com firmeza e segurança o curso e a universidade que eu tinha escolhido, mas, no meu interior, a dúvida pairava: “Será que é isso mesmo?”.

Foi quando o Senhor me lembrou de um versículo em Colossenses 3:15a, que diz: “Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração”. Eu percebi, então, que minha primeira atitude deveria ser a de oração. E, nas minha orações, eu expunha ao Senhor os desejos do meu coração, as dúvidas, os medos e pedia para que a vontade Dele fosse feita acima da minha. Então, na hora da inscrição, no momento em que eu iria preencher o curso que eu queria, Ele me deu paz quanto à escolha que eu havia feito.

“Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração”.

Eu percebi, então, que minha primeira atitude deveria ser a de oração. E, nas minha orações, eu expunha ao Senhor os desejos do meu coração, as dúvidas, os medos e pedia para que a vontade Dele fosse feita acima da minha.

Entretanto, o mais curioso da minha experiência foi o fato de o Senhor não me colocar na universidade em que eu queria, isto é, na minha primeira opção. E, quando saiu a primeira chamada para esta universidade, eu não tinha passado. Isso me entristeceu muito por alguns dias, porque eu via vários amigos e irmãos sendo chamados e eu, não. Naquela hora, me revoltei um pouco com o Senhor. Foi nesse momento que eu ouvi a voz Dele no meu interior dizendo: “Filha, você não pediu para que a Minha vontade prevalecesse? Pois bem, você passar na universidade que era sua primeira opção, não é a Minha vontade”. Nesse momento, meu coração se acalmou, pois eu sabia que meu Pai Amado estava cuidando de mim e que até ali a mão Dele tinha me sustentado.

Não havia motivos para me entristecer. No meu coração eu sabia que aquilo era o melhor para mim. E, para o meu regozijo, algumas semanas depois, eu fui aprovada na minha segunda opção de universidade, na qual eu estudo até hoje. E eu creio que é esse o lugar que meu querido Pai escolheu para mim. O lugar em que eu tinha que estar, com as pessoas que eu tinha que conhecer, e passar junto os próximos anos falando para elas das maravilhas que Ele fez, e faz, no meu viver e no de todos os que de puro coração invocam o Seu nome.

Por isso, jovem, não agonie o seu coração. Espere e Confie. Pergunte a Deus sobre o seu futuro, pois Ele sabe de todas as coisas. E lembre-se sempre de lançar sobre o Senhor toda a sua ansiedade, porque Ele tem cuidado de você (1 Pedro 5:7).

Por isso, jovem, não agonie o seu coração. Espere e Confie. Pergunte a Deus sobre o seu futuro, pois Ele sabe de todas as coisas. E lembre-se sempre de lançar sobre o Senhor toda a sua ansiedade, porque Ele tem cuidado de você (1 Pedro 5:7).

Ó, alma ansiosa, os fardos teus

Depõe ao escuta-lo assim:

“Sossega e sabe que sou Deus,

Põe todo o teu cuidado em Mim”

(Hino 327)

Deixe seu comentário