Não é de se duvidar que Daniel foi um jovem muito abençoado e guardado por Deus, como vimos no texto Vida de Daniel (1). Agora, daremos continuidade a sua história, enfatizando o ocorrido na cova dos leões. Assim como Daniel, quantas covas já entramos e o Senhor nos deu a vitória? Quantos livramentos que o Senhor já nos proveu? É sobre isso que falaremos!

Daniel era um jovem cheio de virtudes e isso chamava atenção dos reis e dos homens da época. Sua vida se resumia a fé, visão e oração. Ele era um jovem diferente. Essa diferença incomodava alguns, já que ele se destacava.

Após Daniel interpretar a escritura na parede, que nem mesmo os sábios do rei conseguiram interpretar, ele foi revestido de púrpura e lhe colocaram uma cadeia de ouro no pescoço (Dn 5:29a), como o prometido pelo rei ao que conseguisse interpretar as escrituras. E não somente isso, o rei Belsazar o investiu como o terceiro no governo do seu reino (Dn 5:29b).

Após esse acontecimento, o rei Belsazar foi morto e Dário assumiu o trono (Dn 5:31). Entretanto, Daniel continuava a se destacar. Ninguém conseguia ofuscá-lo, já que nele estava um espírito excelente (Dn 6:3b).

Você pode perceber, jovem? Quando vivemos por fé,  o impossível torna-se possível, porque Deus passa a ser o nosso intercessor; Ele providencia tudo para nós! Daniel é um grande exemplo para nós!

Por ser um jovem diferente, os presidentes e sátrapas do reino procuravam uma ocasião para acusá-lo, mas nele não se achava culpa alguma, porque ele era fiel (Dn 6:4). Entretanto, eles sabiam que Daniel era temente a Deus. Então, no versículo seguinte, esses homens disseram:

“Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (Dn 6:5).

Daniel tinha uma posição pelo Senhor. Ele era decidido por Cristo e isso era notório. Os presidentes e os sátrapas do rei sabiam desse fato. Devido a isso, esses presidentes e sátrapas incentivaram o rei para que ele estabelecesse um decreto segundo o qual nenhum homem poderia fazer nenhuma petição a outro deus e nem mesmo a outro homem, a não ser ao Rei e ao seu deus. Caso achassem alguém praticando tais atos, seria lançado na cova dos leões (Dn 6:7).

Quando Daniel soube dessa escritura feita pelo Rei e pelos homens do Reino, “ele entrou em sua casa e, em cima, no seu quarto, onde havia janelas abertas do lado de Jerusalém, três vezes por dia, se punha de joelhos, e orava, e dava graças, diante do seu Deus, como costumava fazer” (Dn 6:10).

Ele não criticou Deus. Ele não murmurou com Deus. Ele tão somente orou. Que princípio maravilhoso! Quando algo ocorre contra nossa fé, não podemos ter medo, mas precisamos orar, clamar por Deus.

Quando aqueles homens foram até Daniel, acharam-no orando e suplicando diante do seu Deus (Dn 6:11). Ao presenciarem aquele fato, não demoraram em denunciá-lo ao Rei.

O Rei tinha um enorme apreço por Daniel e, até mesmo, disse que faria algo para livrá-lo do decreto dessa lei (Dn 6:14), entretanto os presidentes e os sátrapas o impediram de fazê-lo, dizendo que a lei, uma vez decretada, não poderia ser mudada (Dn 6:15).

O Rei foi obrigado a lançar Daniel na cova dos leões (Dn 6:16), já que os seus homens o presenciaram orando a Deus.

Vemos algum versículo de Daniel reclamando com Deus por isso? Daniel em nada protestou. Ele já tinha entregue o seu sentimento a Deus em suas orações; agora ele estava confiante no agir Dele! E você, jovem?! Você também ora crendo?! Ou somente ora por orar??? Daniel tinha fé que o Deus dele iria salvá-lo.

Por considerar muito a Daniel, o Rei não aceitou nenhum instrumento músico para “festejar”, nem comeu nada naquela noite (Dn 6:18). No dia seguinte, ele foi à cova para ver o que tinha ocorrido e, para a surpresa do Rei, Daniel estava vivo (Dn 6:20)!!!

Que Senhor maravilhoso, jovem! Muitas vezes, passamos por situações que achamos que não conseguiremos sair “vivos” dela. Acreditamos que o mundo será mais forte do que nós. Mas nada supera o poder da oração. Em vários textos do Blog, já mencionamos o poder da oração. A oração tem poderosos efeitos. Quando oramos, abrimos caminho para Deus interceder por nós nas lutas e perseguições.

A faculdade, a escola, o trabalho podem ser uma cova dos leões para você. Muitas vezes, você acha que não conseguirá ficar ileso naquele ambiente, mas se você orar, você pode ficar ileso, sim! Assim como Daniel orou e não murmurou, podemos orar também e consagrar nosso meio de estudo e social para o Senhor! Quando somos do Senhor, Satanás não pode nos tocar. Que lição maravilhosa! Ó Senhor Jesus!

Após tal acontecimento na vida de Daniel, o rei Dário escreveu:

 “Aos povos, nações e homens de todas as línguas que habitam em toda a terra: Paz vos seja multiplicada! Faço um decreto pelo qual, em todo o domínio do meu reino, os homens tremam e temam perante o Deus de Daniel, porque ele é o Deus vivo e que permanece para sempre; o seu reino não será destruído, e o seu domínio não terá fim. Ele livra, e salva e faz sinais e maravilhas no céu e na terra; foi ele quem livrou Daniel do poder dos leões”. 

(Dn 6: 25-27)

Diante dessa história, podemos concluir que Deus não quer nos tirar da cova dos leões, mas quer que lá confiemos Nele. Foi na cova que Daniel se encontrou com o anjo do Senhor e experimentou mais uma vez confiar no Senhor; foi ali que, mais uma vez, ele teve de depender totalmente de Deus. Que o Senhor nos conduza a essa experiência de não temermos o sofrimento, mas temer, sim, não ter o Senhor conosco. Se Ele estiver presente, nem fogo, nem leões nos causarão dano.

Creia!

Deixe seu comentário