Vivemos em uma sociedade corrompida,  em que a humanidade caminha cada vez para mais longe de Deus. No último artigo, falamos sobre a nossa criação e qual sua finalidade, também sobre como fomos tentados e sobre a queda. Então, prepare-se para descobrir o tamanho do desastre que foi causado em nosso interior!

A natureza caída do homem

Após a queda do homem, consequências desastrosas vieram como resultado. O homem que Deus criara estava muito danificado. Como poderíamos sair dessa situação que a nosso ver não teria solução? Deus nos deu a saída que precisávamos, dando-nos Seu Filho por amor a nós e, hoje, podemos ter acesso a Deus, porém, não de qualquer maneira. Precisamos, diante da luz do Senhor, reconhecer a nossa condição.

Em 1 Timóteo 1:15, Paulo reconhece sua condição e se diz o principal dos pecadores. Como Paulo, sendo irrepreensível na lei, seria o pior dos pecadores? Paulo recebeu a luz do Senhor, que lhe mostrou que mesmo se esforçando para guardar a lei e para se afastar do mal a fim de não cair em pecado, tinha uma natureza pecaminosa (1 João 1:8). Esse foi o veneno implantado pelo inimigo de Deus em nós. Satanás é a fonte do pecado (1 João 3:8) e insiste em nos afastar de Deus. Então, o nosso primeiro passo é reconhecer quem somos! Paulo confirma-nos que todo homem pecou e carece da glória de Deus e da justificação, mediante a redenção que há em Cristo Jesus (Romanos 1:1; 3:23-24). Tornamo-nos pecadores e, por isso, cometemos pecados (Romanos 7:17).

Você já tentou fazer a vontade de Deus, se esforçou ao máximo e por fim não conseguiu? Ou já disse para si mesmo: “agora eu mudarei, não serei mais assim, farei tudo o que o Senhor mandar e agradarei somente a Ele”? Possivelmente sim. Todos nós já falamos isso um dia, porém nunca conseguimos, não é mesmo? Não conseguimos pelo fato de o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal ter nos tornado pessoas que vivem pela alma de forma predominante, que são independentes de Deus e, por mais que tentem,  possuem uma natureza impeditiva, que está inclinada para o seu próprio querer, para se satisfazer e que faz o mal que detesta (Romanos 7:18-19).

“Por meio da natureza pecaminosa, Satanás manipula a alma das pessoas a fazer o que é contrário à vontade de Deus”.

As obras pecaminosas

Todos estamos sujeitos ao pecado (Romanos 3:9), que torna-nos injustos e afasta-nos de Deus. O mundo se apresenta com uma aparência boa, que agrada os olhos, e também como uma boa fonte para dar entendimento, porém, tome cuidado, jovem! Assim também é a árvore do conhecimento do bem e do mal, que, no final, leva à morte. E as pessoas são facilmente levadas, pois a nossa carne se inclina para as coisas da carne.

O jardim do Éden era um lugar onde Adão e Eva tinham tudo, pois recebiam tudo de Deus, viviam dependentes do Pai e não precisavam preocupar-se com o suprimento alimentar. Depois que comeram da árvore do conhecimento, uma vida independente entrou no homem que passou a receber o alimento do suor do seu próprio rosto (Gênesis 3:19), pois fora expulso do Éden. Jovens, dia a dia, isso acontece conosco, vocês sabiam? A árvore da vida é o nosso espírito humano, onde Deus habita e, então, somos conectados com Ele. Ao sairmos dele, provamos preocupações, anseios e muitas outras coisas, porque estamos fora da presença de Deus, estamos fora do espírito, vivendo independentes Dele. Por isso sempre encorajamos, você, querido jovem, a invocar o nome do Senhor – Ó Senhor Jesus! – para viver dependente do nosso Deus! Deus também deseja a presença do homem.

Uma civilização sem Deus

Adão e Eva tiveram filhos. Destes, a Bíblia cita-nos dois, Caim e Abel (Gênesis 4:1-2). Um confiava na sua própria força e capacidade para lavrar a terra a fim de trazer como oferta o fruto do seu trabalho; o outro vivia e servia a Deus na dependência total Deste. Estas eram as características dos filhos, respectivamente. Mas o fim foi trágico! Caim matou Abel por inveja, porque Deus aceitou a oferta de Abel e sua pessoa, e rejeitou Caim. Como resultado, Caim e seus descendentes se distanciaram de Deus cada vez mais, com culpa e vergonha em seu coração, e começaram a inventar coisas que substituíssem Deus em suas vidas.

Dessa maneira, uma civilização sem Deus foi sendo construída para viver por conta própria, com a invenção de meios de sustento, entretenimento e segurança. Assim, obtendo-se êxito nessas coisas, o homem teria uma sensação de que não precisava de Deus. Acredito que você esteja identificando essa sociedade. Ela é a semente da nossa atual sociedade, que se agrava diariamente, pois o reino deste mundo está sob o domínio de Satanás (João 14:30; 16:11; Apocalipse 11:15).

Que possamos fazer a diferença em meio a uma sociedade tão corrompida, como a que nós vivemos. Vamos nos manter contra a correnteza deste mundo, invocando o nome do Senhor e entrando no jardim do Éden, onde encontraremos a presença de Deus! Jesus é o Senhor!

Texto inspirado no capitulo 06 do livro “Os Grandes Diamantes da Bíblia”.

Deixe seu comentário