Não faz muito tempo desde que postamos o texto “E fora do story, como você está com Deus?”. Contudo, temos mais para refletir nessa linha: o grande embate entre aparência e realidade, tão antigo e tão atual!

No Instagram, todos parecem felizes, vivendo uma vida boa. Há muita exibição de atividades interessantes, e tudo é esteticamente equilibrado. Alguns se esforçam para manter suas imagens assim. Outros sentem inveja ou sofrem com o “medo de estar de fora” dessas vidas perfeitas. 

Esses são sintomas de nossos tempos. A consequência é uma vida de insatisfação buscando algo que finalmente nos defina. Um grande erro, pois já somos algo e não precisamos conquistar outras coisas. Em Deus, encontramos nossa verdadeira identidade. Somos Seus filhos amados, e Ele nos deu isso gratuitamente.

Um problema da sociedade atual é acreditar que nossa identidade é definida pelo que outras pessoas acham que somos e temos. Isso aumenta nossa preocupação com aparência, que é agravada pelas redes sociais, onde todos nos tornamos produtores de conteúdo.

Piora quando acrescentamos a isso imagens irreais de um viver de consagração e de serviço a Deus. Podemos parecer envolvidos com as atividades da igreja, com o serviço e compenetrados na Palavra, mas nosso coração não está ali verdadeiramente.

Em Ezequiel 8, vemos um caso extremo de algo assim. Deus mostrou ao profeta que os líderes de Israel adoravam ídolos no templo secretamente. Eles diziam “O Senhor não nos vê” (Ez 8:12). A tecnologia de hoje pode colaborar com esse tipo de coisa. De nossos quartos, podemos acessar, em segredo, conteúdos que nos envergonhariam se outros estivessem nos vendo.

Cuidado! Lembre-se da frase “Deus está vendo”. Ele e você sabem da realidade. Se estamos nesse caminho, precisamos mudar nosso modo de pensar, pois “o Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração” (1 Sm 16:7). 

Além disso, Ele faz outros alertas contra nosso apego a falsas aparências. Jesus disse o seguinte sobre escribas e fariseus: 

“Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim.” (Mateus 15:8)

Esses religiosos questionaram por que os discípulos de Jesus não lavavam as mãos antes de comer, ao que Jesus disse: “não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem” (Mt 15:11). 

Ou seja, escribas e fariseus preocupavam-se mais com tradições do que com um coração verdadeiro para Deus. E é do coração que “procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem” (Mt 15:19-20).

Eis, então, outro ponto de atenção para nossa sociedade. Ao analisar a causa dos problemas do mundo, como, por exemplo, as razões pelas quais uma pessoa faz mal a outra, ouvimos respostas como “o sistema a corrompeu” ou “ela passou por tais situações”. É verdade que esses fatores têm sua influência, mas Jesus fala sobre o coração. O verdadeiro problema é mais profundo.

A Queda causou isso. Tornamo-nos pecadores e nos separamos de Deus. Qualquer tentativa de disfarçar nosso estado com ações exteriores resulta em fracasso. Apenas Deus, com sua obra de salvação, pode nos livrar da tendência de fazer o mal. 

Por isso, a solução que a Bíblia nos fornece é permitir que Ele nos dê um novo coração (Ez 36:26). Precisamos nos arrepender e nos submeter ao Senhor para sermos transformados por Ele.

Enquanto o mundo se esforça em cultivar aparências sem compromisso com a verdade, precisamos nos dedicar à realidade oculta de uma vida profunda com Deus. A oração no secreto é um exemplo: “Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” (Mt 6:6). Ali, acontecem coisas entre você e Deus. Histórias de sua convivência com o Pai, que ninguém mais vê, mas que transformam sua vida. Podemos apresentar nossas dificuldades e preocupações, examinar a nós mesmos e ser iluminados por Ele. Um viver oculto, mas real, cheio de significado, que se manifesta em frutos quando você está com outras pessoas, pois “a boca fala do que está cheio o coração” (Mt 12:34). 

Com o que você tem enchido seu coração? O que mais ocupa seus pensamentos? Com certeza, você tem mais facilidade para falar a respeito dessas coisas. É preciso, então, encher o coração com aquilo proveniente de Deus, e grande parte disso vem em nosso tempo individual com Ele.

Essa é a vida de que precisamos, e ela não é movida por filtros e curtidas. Uma vida livre da necessidade de aplausos; simples, mas fortalecedora. Um desafio cada vez maior em nossa sociedade superficial. 

Viva essa vida. Confesse os pecados ocultos. Não aja como se Deus não estivesse vendo, pois Ele vê. 

Em vez de viver para agradar outras pessoas ou a si mesmo, muito mais vale viver para agradar a Deus, que é o nosso propósito (2 Co 5:9). Busque-O e reforce em seu coração a preciosidade que é conhecê-Lo. Quando estiver só, lembre-se de que Ele vê e está com você. E, ao aparecer nas redes sociais ou em qualquer outro lugar, que as pessoas enxerguem em você expressões reais de seu relacionamento com Jesus.


Este texto foi inspirado na mensagem “Pedras vivas”, ministrada por Evilásio Diniz na Conferência Geração Santa com o tema “Pedras Vivas Imbatíveis”.

Deixe seu comentário