“Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.” (1 Co 10:13).

Este texto nos mostra duas coisas essenciais em relação à tentação: é perfeitamente possível sair dela e é Deus quem provê os meios para isso. Procurar a saída nos esforços de nosso ser caído, contaminado pelo pecado que herdamos de Adão, não trará a vitória sobre as tentações. É por isso que deixamos de confiar em nossa própria força e passamos a confiar no poder de Deus, que, aliás, podemos dizer que já nos proveu os meios necessários: “pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade” (1 Pe 1:3). Ele deixou ao seu povo duas grandes e benditas heranças: a Palavra e o Espírito.

Quando consideramos a vida do único homem na história que cumpriu toda a vontade de Deus, nosso maior modelo, Jesus, descobrimos como podemos ser libertos das tentações! Sim, Jesus era Deus, mas também homem e “à nossa semelhança, foi tentado de todas as formas, porém sem pecado algum” (Hb 4:15).

Em primeiro lugar é preciso oração. A oração do “Pai nosso” que Cristo nos ensinou inclui: “e não nos deixes cair em tentação” (Mt 6:13). Não apenas um conjunto de palavras para repetir, essa oração é um modelo de princípios para as nossas, nas quais devemos gastar o tempo que for necessário em cada assunto. Ele nos dá certeza que o Pai concede Seu Santo Espírito aos que o pedem (Lc 11:13). Certamente podemos orar pedindo por uma porção maior do Espírito, nossa Santa Herança, em momentos de tentação. Com um coração sincero, perseverança e acima de tudo fé, Deus atenderá a essas orações. Orações são armas poderosas.

Outra arma poderosa é a Palavra de Deus. Neste texto gostaria de comentar sobre o uso da palavra, em especial, na luta contra as tentações. Vamos a Mateus 4, onde Jesus foi tentado pelo diabo no deserto. A história está nos versículos de 1 a 11. Ali vemos que cada vez que Satanás vinha com uma tentação, Jesus rebatia com “está escrito…” e assim, declarava os motivos pelos quais não podia aceitar aquelas tentações: porque as propostas eram contrárias ao que a Palavra de Deus diz.

A Palavra de Deus é “poderosa para salvar a vossa alma” (Tg 1:21), é “viva e eficaz, mais cortante que qualquer espada de dois gumes” (Hb 4:12). Tais palavras são muito mais do que simplesmente palavras, “são espírito e são vida” (Jo 6:63). Deixemos que essas palavras poderosas operem em nós. A seguir compartilho um texto que mostra de forma prática o lugar que elas têm na luta contra as tentações:

Arme-se com promessas

“Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus” (Mt 5:8).

Quando Paulo diz para mortificar os feitos do corpo “pelo Espírito” (Rm 8:13), eu acredito que ele quis dizer que nós devemos usar a única arma da armadura do Espírito que é usada para matar. A saber, a espada. A qual é a palavra de Deus (Ef 6:17).

Então, quando o corpo está para ser levado a uma ação pecaminosa por algum medo ou desejo, nós devemos tomar a espada do Espírito e matar esse medo e esse desejo. Na minha experiência, isso significa principalmente cortar a raiz da promessa do pecado pelo poder de uma promessa superior.

Então, por exemplo, quando eu começo a desejar algum prazer sexual ilícito, o movimento da espada que tem frequentemente cortado a raiz desse prazer prometido é: “Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus” (Mt 5:8). Eu lembro-me dos prazeres que experimentei de ver Deus mais claramente por uma consciência pura; e eu relembro a brevidade, superficialidade e o opressivo gosto posterior dos prazeres pecaminosos e, com isso, Deus tem matado o poder conquistador do pecado.

Ter à mão promessas que sejam apropriadas à tentação do momento é uma chave para  o sucesso da batalha contra o pecado.

Mas há momentos em que não temos a palavra de Deus perfeitamente adequada em nossas mentes. E não há tempo para procurar na Bíblia uma promessa sob medida. Então todos precisamos ter um pequeno arsenal de promessas gerais pronto para ser usado sempre que medo ou desejo ameacem nos desviar.

Esteja constantemente contribuindo para o seu arsenal de promessas. Mas nunca perca de vista as poucas que sejam com que Deus tem abençoado sua vida. Faça ambos. Esteja sempre pronto com as velhas. E a cada manhã procure por uma nova para levar com você durante o dia.”

Traduzido de “Arm Yourself With Promises”, de John Piper.

O Senhor venceu Satanás com suas tentações no deserto usando a Palavra. E ele não tinha uma Bíblia ali consigo. O que ele disse estava em sua memória e o significado estava bem claro para ele. Esse também é um ponto fundamental, pois Satanás também usou de uma distorção da Palavra (Mt 6:6).

Assim como Jesus, você também tem que formar seu arsenal pessoal de promessas guardadas na memória, com significado e conteúdo bem claros. Então, aqui vão alguns versículos para equipar você com armas para enfrentar diferentes tipos de tentações. Não somente promessas, mas também advertências e declarações. Precisamos estar preparados para tudo o que vier, mas comece por aquilo em que você tiver mais necessidade. Faça deles sua oração e descubra novos pela leitura constante da bendita Palavra de Deus. Que cada versículo lido se torne parte de você.

Versículos para combater as tentações de:

Sensualidade

1 Co 6:12-20; Gl 5:16, 19, 24; 1 Ts 4:3-8.

Orgulho

Pv 16:18; Mt 5:3; Ef 4:2; Cl 3:12; 1  Pe 5:5,6;

Ira

Sl 4:4; Ec. 7:9; Mt 5:5; Tg.1:19-20; Gl 5:20, 23

Impaciência

Pv 14:29; Gl 5:22; Ef 4:2; Cl 3:12

Cobiça

Ex 20:17; Pv 21:26

Inveja

Pv 14:30; Gl 5:19-21

“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Fp 4:8)

PS.: Leia também: “Tentação – Como Resistir e Vencer? A História dos Sorvetes de Sangue”.

Deixe seu comentário