Tentação. Que palavra desafiadora.

Para um primeiro grupo de pessoas a tentação é motivo de se queixar, ceder e depois sentir o remorso de fazer o que não deveria ter feito. Porém, para um segundo grupo, é motivo de se tornar forte, vencer e se sentir maravilhosamente bem (esses experimentam uma alegria divina em razão dessa vitória, são verdadeiramente felizes e abençoados!).

Dentro do primeiro grupo, podemos ver que, no curso da história, vários pensadores seculares deixaram claro que não podiam resistir à tentação. Dois romancistas famosos disseram:

• “Posso resistir a tudo, menos à tentação.” — Oscar Wilde (escritor irlandês, autor do livro “O Retrato de Dorian Gray”).

• “Não suporto tentações, pois caio em todas elas.” — Clarice Lispector (escritora brasileira, autora do livro “A Hora da Estrela”).

No entanto, jovem, você não está inserido dentro desse primeiro grupo, está?

Claro que não.

Acredito que pertencemos ao grupo que pensa fora da caixa, afinal não nos conformamos com este século (Rm 12:2). Sim, estamos fora desse pensamento perdedor, limitante e negativo. Nossa posição é ao lado de Martinho Lutero, que disse o seguinte:

“Minhas tentações têm sido minhas mestras de teologia”. — Martinho Lutero.

Em outras palavras, estamos do lado vencedor. E, nesse lado, não somos consumidos pela tentação. É óbvio, a tentação também nos cerca. No entanto, nós a dominamos ou, ao menos, resistimos a ela.

Recentemente, um dos autores do blog publicou um texto que chamou muito a minha atenção. Por isso, esse texto será um verdadeiro spin off.  Ou seja, esse texto será derivado do post Enfrentar ou Fugir? – Saiba como reagir diante das situações. Por isso, recomendo a leitura do texto. Se possível faça isso agora. Se não for possível, então reserve um tempo para fazer isso depois. Vai valer a pena!

Nos próximos subtítulos vamos falar um pouco mais a respeito da tentação à luz da bíblia. Espero que goste, pois vou desenvolver o seguinte pensamento: ou você possui o poder para vencer a tentação; ou, no mínimo, você possui o poder para resistir à tentação.

Além disso, quero te mostrar uma das estratégias que o inimigo usa para nos fazer cair em tentação. Quando chegarmos nesse ponto, vou te contar a história dos sorvetes de sangue. Por fim, quero mostrar como aumentar o poder que existe dentro de você, a fim de não somente resistir à tentação, como também vencê-la.

1) O que é tentação? 

Tentação

Para falar sobre tentação é importante darmos uma definição. De forma bem simples e prática, sem elevado rigor doutrinário-teológico, podemos dizer que: a tentação aparece na forma de pensamentos e de sentimentos insistentes e intensos que tem como objetivo convencer alguém a tomar a decisão de pecar.

Exemplo 1:

Um garoto conhece uma garota na escola e depois de saber que ela está interessada nele, começa a pensar e ter sentimento de ficar com ela. Ficar é pecado e esse garoto sabe disso. Mas, esses pensamentos e sentimentos se tornam tão recorrentes e intensos que o levam a tomar a decisão de ficar com a garota e, consequentemente, pecar.

Exemplo 2:

“Louca” para ter a bolsa do momento, a garota entra na loja e depois de perceber que não possui dinheiro, começa a pensar e ter sentimento de furtar. Furtar é pecado e essa garota sabe disso. No entanto, os pensamentos e sentimentos de ter aquela bolsa se tornam tão recorrentes e intensos que a levam a tomar a decisão de furtar e, consequentemente, pecar.

Veja que, nas duas situações, os pensamentos e sentimentos se iniciam de forma simples e começam a se intensificar até gerar a decisão de pecar e consumar o ato praticando o pecado.

Nessa hora, todo o seu comportamento é contrário à sua vontade. Parece até que bandidos te pegaram e estão te levando para onde você não quer. Um verdadeiro sequestro acontece. Essa figura é muita boa. Literalmente: somos sequestrados pelo pecado, isso é o que a Bíblia mostra: “Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim.” (Rm 7:20).

2) Como reagir à tentação?

tentação

Algumas vezes, o desafio que se apresenta diante de nós deve ser enfrentado. O Senhor Jesus, por exemplo, como homem enfrentou as tentações do inimigo com a Palavra e as venceu (Mt 4:1-11). Diante disso, podemos ver que frente às tentações, se estivermos cheios do espírito que provém da Palavra, temos a possibilidade de vencer o inimigo.

Além disso, todas as tentações são permitidas por Deus na exata medida em que podemos suportar. Ou seja, ainda que em alguns momentos não consigamos vencer uma tentação, mesmo assim, temos força para suportá-la e permanecer ilesos. É exatamente isso o que 1 Coríntios 10:13 nos diz: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar”.

Logo, se o inimigo está te tentando e o pecado está ao seu redor rugindo como um leão para te intimidar, amedrontar e derrotar; em resposta, ou você possui a força para vencer, ou você possui a força para se defender.

Jovem, você possui a força!

Você é como o jogador da imagem acima. Você possui força para continuar o jogo e conduzir a bola até o gol. Não importa quantos jogadores do time contrário te segurem ou façam resistência. Todos ficam para trás, afinal sua potência e capacidade é a mesma de um vencedor.

Mas, se possuímos a força para permanecer sem nos ferir ou para vencer, por que, muitas vezes nós acabamos sendo vencidos pela tentação? Uma das possíveis respostas é: nós somos atraídos por uma armadilha. Para ilustrar essa armadilha que nos faz cair em tentação, quero contar a história dos sorvetes de sangue.

3) Por que a tentação gera morte? A história dos sorvetes de sangue 🍦🐕

tentação

Vou te contar agora a história dos sorvetes de sangue:

Os esquimós são homens que vivem no ártico, nas regiões mais frias da terra. São um povo amoroso e acolhedor, que sobrevive da caça e da pesca. O método para caçar lobo utilizado pelos esquimós é uma das formas mais inteligentes e ao mesmo tempo maléficas de se capturar um animal.

Uma faca de lâmina extremamente afiada é banhada em sangue e logo após é exposta ao frio. Cria-se nela uma camada de sangue e gelo. Logo após isso, a faca é banhada outra vez em sangue e exposta ao frio criando assim uma segunda camada. O esquimó faz isso até ser criada uma bola de gelo e sangue, formando um verdadeiro sorvete de sangue.

O lobo com seu faro aguçado logo se aproxima. Ao perceber que há sangue naquela bola o lobo cede à tentação, cai na armadilha e começa a lamber. O prazer dos lobos é tão grande que, à medida que o sorvete de sangue se derretido, pouco a pouco o lobo anestesia sua língua e não percebe que existe uma lâmina ao final.

Ao atingir a lâmina, o lobo dilacera sua língua, porém, continua a lamber a lâmina repetidas vezes, pois, em razão do gelo, a língua já não sente nenhuma dor. Assim, vários cortes são feitos, no entanto, o lobo continua a lamber com mais e mais, pois agora o sangue é fresco e mais saboroso ainda. 

Pouco a pouco o lobo perde sangue e continua nesse comportamento mortal, pois imagina ainda estar lambendo um sorvete, quando na verdade está consumindo suas próprias forças. Com o tempo, a perda de sangue é tão grande que o lobo se entrega à morte e o esquimó então vence a sua caçada.

Por que a tentação gera morte? Porque a tentação nos induz a fazer o mesmo que o lobo faz na história acima. A tentação é uma armadilha colocada pelo inimigo. Ela nos faz consumir toda nossa vida. Uma vez capturados nela, somos feridos pelo pecado, nosso sangue vaza, enfraquecemos e podemos até morrer!

Essa é a estratégia do inimigo para nos fazer cair. O inimigo prepara sorvetes de sangue. Ele prepara armadilhas atrativas e que parecem resolver um problema ou satisfazer uma necessidade. Porém, uma vez na armadilha, assim como o lobo, muitas vezes não notamos que estamos perdendo vida e que, aos poucos, nos aproximamos da morte.

A tentação gera morte porque ela nos leva ao mal. Ela nos leva à concretizar algo que desagrada a Deus: o pecado. Cair em tentação é pecar e o salário do pecado é a morte. Logo, a tentação gera a morte porque leva à consumação do pecado.

Tentação

Uma das principais formas que o inimigo de Deus usa para nos fazer cair em tentação, pecar e morrer é a armadilha. Ele arma a arapuca de modo que você não consiga reconhecer que existe ali uma lâmina. Essa artimanha ataca um desejo forte, básico e constante que existe em nós.

No caso do lobo e em várias vezes no viver cristão, a necessidade intensa, essencial e frequente é a fome. O lobo é atraído porque vislumbra a oportunidade de se alimentar. Seus sentidos são aguçados pelo cheiro do sangue e, por ter a necessidade de comer para sobreviver, ele cai em tentação e lambe o sorvete de sangue até a morte.

Igualmente, nós caímos em tentação porque temos fome e isso nos faz ficar fracos. Caímos em tentação porque estamos subnutridos, desnutridos ou famintos espiritualmente. Não nos alimentamos, negligenciamos a abundância que existe em nosso favor e perecemos. Esse é o caminho daqueles que sofrem com a tentação.

 

4) Qual a relação entre a tentação e o pecado? Como vencê-la?

tentação

Certamente, nenhum cristão peca porque quer. Na verdade, ao pecar o cristão faz algo que não quer. Isso acontece porque temos em nosso interior uma natureza que atrai o pecado: a natureza humana caída, o pecado que habita em nós (Rm 7:20). A tentação fica atiçando essa natureza, alimentando-a, até que ela ganha força para nos vencer.

A relação entre pecado e tentação é como a relação de um jacaré enfraquecido que recebe uma pequena refeição e ganha força para lutar, prevalecer e devorar uma presa bem maior. O pecado é o jacaré e a tentação a pequena refeição. 

Evite que o jacaré faça a pequena refeição e você estará a salvo. Deixe o jacaré fazer a pequena refeição e você estará perdido. Você escolhe.

No caminho, a refeição para o jacaré vez ou outra estará disponível. Sua maior preocupação nesses momentos é ter força para vencer ou para resistir à ferocidade e desejo de sangue do jacaré. Ou seja, as tentações vão surgir vez ou outra na sua caminhada cristã. Porém, como dissemos você pode se fortalecer. Você pode encher-se de poder e se tornar forte! Essa força não é natural, física, mental, emocional. Essa força é espiritual e pode ser obtida na Academia de Deus, por meio da prática dos seus 5 exercícios principais:

  1. Invocar;
  2. Ler;
  3. Orar;
  4. Ruminar;
  5. Profetizar.

A Academia de Deus e Seus 5 Exercícios Principais assegura não somente o ganho de força, como também uma alimentação espiritual saudável. Assim você tem a garantia de que onde abundou pecado, irá superabundar a graça. Você se alimenta saudavelmente e terá força para resistir e vencer!

[…] onde abundou o pecado, superabundou a graça. — Rm 5:20.

Olhando para esse versículo podemos perceber que a questão de ceder ou não à tentação e praticar o pecado se resume a nós nos alimentarmos da vida de Deus. Precisamos do pão da vida e da água da vida (Jo 6:35; 4:10, 14). Esses suprimentos, aliados com os exercícios vão nos fazer atletas coroados (2 Tm 2:15).

Infelizmente, escolher ficar longe de tentações e estar livre delas é uma opção que você não tem. Porém, escolher se alimentar de Deus, praticar exercícios espirituais saudáveis e se tornar alguém com espírito forte é uma opção que você tem.

Sendo assim, escolha o melhor: escolha Deus, Sua vida abundante e Sua graça superabundante (Jo 10:7, Rm 5:20). Assim, você ganha o poder da vida divina e conseguirá vencer, resistir e evitar que o pecado tenha domínio sobre você, afinal uma força superior está no controle: a graça!

Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça. — Rm 6:14.

Querido jovem, lembre-se destes pontos:

1) A tentação é um pensamento insistente que tem como objetivo te levar a pecar;

2) Ou você possui a força para vencer a tentação, ou você possui a força para se defender da tentação;

3) Você cede às armadilhas em razão da estar subnutrido, desnutrido ou faminto espiritualmente;

4) Para ter força para resistir e vencer, você tem de se alimentar e praticar os 5 Exercícios da Academia de Deus.

Espero que você tenha gostado do texto e tenha sido ajudado a ver o quanto Deus foi bom conosco, porquanto ele não deseja que nenhum de nós caia em tentação, mas que sigamos firmes.

Se você conhece alguém que se sentiria muito encorajado com essa leitura, envie esse texto para ela. Certamente, ela vai ficar muito agradecida por você se lembrar da necessidade dela. Se puder, compartilhe nas redes sociais. Isso vai ajudar mais ainda no crescimento do Eu Vos Escrevi.

Por fim, convido você a investir um pouquinho do seu tempo e deixar um comentário abaixo. Temos vários textos escritos e quando você manda um comentário conseguimos saber se estamos ou não acertando nos temas. Isso ajuda melhorar a qualidade de cada postagem. Além disso, todo comentário nos estimular a manter esse projeto em andamento com mais força. Fale para nós o quanto você foi encorajado e nós também ficaremos encorajados, afinal nosso propósito de existir é você!

Jesus é o Senhor! Até o próximo post!

Atenciosamente,

— Vitão 😉

Deixe seu comentário