Sabemos que, para os universitários, os meses de Junho e Novembro são os mais temidos. Apesar de já termos noção da onda de trabalhos e provas finais que se aproxima, na maioria das vezes, não nos preparamos com antecedência.

A cada início de semestre, existe aquela velha promessa: “Neste semestre, eu vou estudar desde o começo!”; “Neste semestre, eu vou me dedicar mais!”; “Agora vai!”. Todas essas promessas com o objetivo de não repetir o mesmo erro do final do semestre anterior.

Você se lembra de quando ficou quase 2 noites inteiras sem dormir? Quando passou a madrugada estudando pra prova às 8h da manhã? Quando tomou litros de café e energético? Quando almoçou biscoito recheado e miojo por alguns dias porque nem para almoçar você tinha tempo?

Você não está sozinho… Cada um de nós que enfrenta a vida universitária também passa por isso. Independente da área, seja humanas, exatas ou biológicas, todos sofrem no fim do semestre!

Olhando para esta situação, alguns universitários do EVE se reuniram para compartilhar experiências e dicas para lidar com o fim de semestre. Como resultado, foi escrito esse texto. Esperamos que os princípios colocados aqui possam ajudar você  em sua vida acadêmica.

Responsabilidade e motivação

Antes de tudo, é importante perceber que nossa dedicação aos estudos é algo importante para Deus. Primeiramente é gratidão. O Senhor nos deu a entrada no curso e a oportunidade de estudar, logo, precisamos ser gratos a Ele e mostrar dedicação e responsabilidade ali. Deus é glorificado assim. Não podemos pensar que é só por meio de coisas aparentemente “espirituais” que podemos servi-lo. Nossas ocupações nesta terra também são para a glória de Deus. Ao falar sobre trabalho, Paulo diz:

“Quanto a vós outros, servos, obedecei a vosso senhor segundo a carne com temor e tremor, na sinceridade do vosso coração, como a Cristo, não servindo à vista, como para agradar a homens, mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus; servindo de boa vontade, como ao Senhor e não como a homens” Ef 6:5-7

Deus fica feliz com o nosso trabalho. O trabalho já existia antes da queda, só ficou mais difícil depois dela (Gn 3:17). Adão tinha de trabalhar, cultivar e guardar o jardim (Gn 2:15). Há alguns versículos que dizem que Deus trabalha (Is 64:4, Jo 5:17). Lembre-se:

“Jesus viveu para a glória do Pai neste mundo por mais tempo como um carpinteiro do que como um pregador” (Josemar Bessa).

A Bíblia nos ordena a diligência e condena a preguiça (Pv 13:4). Tais pensamentos nos trazem consciência de que nossa responsabilidade e também motivação, pois o que fazemos, fazemos para Deus. Ao mesmo tempo em que precisamos depender Dele com coração humilde, necessitamos também fazer nossa parte e estudar diligentemente.

“Ore como se tudo dependesse de Deus e trabalhe como se tudo dependesse de você”. (Agostinho)

Também é preciso ser responsável para ter um bom testemunho. Não pense que as pessoas não veem seu comportamento. Elas veem. É nossa missão expressar a Cristo por meio de nosso caráter e ações. Podemos pedir ao Senhor que possamos estar capacitados para poder ajudar nossos colegas nos estudos. Essa é uma grande oportunidade de expressar o amor de Cristo.

“Assim deixai a vossa luz resplandecer diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai que está nos céus” Mt 5:16

Conhecer suas limitações

Deus ordena a diligência ao seu povo, mas também ordenou descanso em algumas ocasiões. Ele havia ordenado ao seu povo no Antigo Testamento que separasse um dia da semana para descansar, sem trabalhos. Assim como Ele mesmo havia descansado de suas obras ao sétimo dia da criação (Ex 20:9-11). Ele também havia estabelecido dias de festa nos quais não se poderia trabalhar (Ex 12:16). É importante que tenhamos momentos de descanso. Precisamos buscar diante dele o correto equilíbrio.

Nos dias atuais, há uma grande pressão por produtividade, que acaba por nos influenciar de formas sutis. Muitas vezes, queremos fazer o máximo de coisas possíveis tendo pouco tempo disponível. Sejam os estudos ou, até mesmo, atividades extracurriculares. Muitas vezes nós mesmos nos impomos pressões assim.

Porém, precisamos ter a consciência de que não somos como máquinas. Temos diversas limitações, das quais devemos estar conscientes para que não tenhamos problemas quanto à saúde física, psicológica e espiritual. Há casos de pessoas que tiveram transtornos psicológicos por virar noites estudando.

De fato, é impossível lidar com todas as coisas de maneira perfeita em momentos de pressão e correria. Não temos todo o tempo que gostaríamos para dedicar a atividades da igreja, por exemplo. Pode ser que precisemos fazer grandes esforços para alguma tarefa. Tudo isso é perfeitamente compreensível.

Tempos de desespero, medidas desesperadas. Mas essas medidas não podem ir contra princípios importantes que temos, nos fazendo esquecer de Deus, por exemplo.

É necessário saber a hora de parar. Portanto, cabe a cada um buscar conhecer seus limites, refletindo diante de Deus quanto as suas próprias particularidades. E, claro, estar sempre sensível ao falar de Deus, porque ele é quem nos guia quanto ao que é a melhor coisa a se fazer.

Cuidar da Saúde Espiritual, Psicológica e Física

Aqui vão alguns princípios para considerarmos em relação a nossa saúde espiritual, psicológica e física.

Dizemos “espiritual” para nos referir a nossa vida de comunhão e adoração a Deus, que deve ocupar lugar de prioridade em nossos corações. Somos ordenados a amar a Deus acima de todas as coisas (Mt 22:36-37) e é Ele quem nos sustenta e nos concede vida e tudo mais.

Além disso, somos pecadores e cheios de fraquezas. Tentações e adversidades de todo o tipo podem acontecer no nosso dia a dia e só tendo uma vida de oração e leitura da Palavra de Deus estaremos firmes e seguros em meio a essas adversidades.

Quanto à saúde psicológica, é preciso cuidar do estado de nossa mente, humor, emoções e sentimentos. Precisamos evitar o estresse excessivo e tudo aquilo que possa nos fazer perder o domínio próprio.

Quanto à saúde do físico, precisamos respeitar nosso corpo, que, segundo a Palavra,  é o templo do Espírito Santo,  feito para glorificar a Deus (1 Co 6:19-20). Alimentação e sono inadequados tem seus limites.

“Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja; porque somos membros do seu corpo” (Ef 5:29-30).

Fizemos a divisão acima, mas todas essas áreas são importantes para adoração e serviço ao Senhor:

“O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Ts 5:23).

Abençoamos vocês com as mesmas palavras de Paulo. Sabedores de quem nos motiva e nos faz responsáveis, aprendamos com Ele como viver de maneira prudente. E, mesmo nas pequenas coisas nesta terra, quer comamos ou bebamos, que possamos fazer tudo para a glória de Deus (1 Co 10:31).

Se você gostou do texto, não esqueça de curtir, comentar e compartilhar para que mais jovens possam ser ajudados e encorajados.

Continue Lendo: “Fim de Semestre (2) – Como lidar com a Ansiedade?”