Há uma semana atrás publicamos a primeira parte da entrevista feita por nós ao irmão Miguel Ma, presbítero da igreja em Uberaba – MG, palestrante e tradutor em Conferências cristãs nacionais e internacionais. No campo profissional, é engenheiro eletricista de formação, mas há muitos anos dedica-se ao agronegócio. Confira agora o segundo bloco desta entrevista sobre “profissão e serviço a Deus”, na qual ele nos ajudou a buscar um correto equilíbrio em Cristo, reconhecendo-O em todos os nossos caminhos.

início da parte 2

EVE: Como conciliar a rotina de estudos, que é bastante pesada, com a questão de um serviço normal, que demanda às vezes bastante tempo?

– Miguel: Eu tenho que ter uma visão. Eu devo me aplicar, tenho que aproveitar bem meu tempo, não devo desperdiçá-lo. Tenho o tempo para estudar, orar, para comunhão com Deus, para comunhão com os irmãos e para reunir. Tudo isso faz parte da minha vida diária. E eu sei de uma coisa: se eu estudei bem, Deus vai me abençoar na prova. Deus sabe que eu não desperdicei meu tempo, que prestei atenção nas aulas, estudei bem e, agora, dependo da benção Dele. Eu não dependo das horas de estudo para ser aprovado; eu dependo da benção de Deus para ser aprovado.

Vou te dar um exemplo: quando eu estava no primeiro ano da faculdade todos tinham que fazer o mesmo curso básico – era chamado básico unificado. Tinha que estudar meio semestre unificado, todo mundo tinha que fazer. Depois que a gente ia para as faculdades. Eu fui muito bem, fui um destaque na média e fiquei orgulhoso. Aí começou a faculdade de Engenharia no segundo semestre. Eu fiquei doente, perdi provas, me arrependi profundamente diante de Deus e aprendi a lição. Bem, o Ezra, como entrou um ano na minha frente, conhecia os meus colegas. Eu disse para ele: “Diga para os meus colegas para eles me passarem quais são as lições”. Eles passaram e estudei em casa. Fiquei quinze dias parado. Quando fui para aula de Física, tinha prova. Sabia que tinha prova, mas não tinha participado de nenhuma aula, tinha estudado em casa e fiz os problemas. Tinha dois problemas que eu não sabia fazer direito. Perguntei para o Ezra como se resolvia e ele me ajudou. Aí na prova tinham dois problemas – eram aqueles dois. Fiquei com a nota máxima. Isso é o quê? A misericórdia de Deus. Entendeu? Não posso pensar que fui bem, porque eu estudei. Claro! Eu preciso estudar, mas eu fui bem, porque Deus me abençoou. Na hora de estudar, eu estudo e tenho a bênção de Deus. O sucesso da prova não são horas de estudo. Estudei? Estudei, louvado seja Deus! Busquei o Senhor? Busquei, louvado seja Deus! Fui para reunião? Fui, louvado seja Deus! Por quê? Porque um dia quando eu me formar ninguém vai olhar para as minhas notas, Deus vai me dar o emprego. Tem gente que vai bem na faculdade, mas na hora que sai não consegue arranjar um emprego. Não é? Precisa da benção de Deus. Se é para estudar, eu tenho que estudar; se é para servir, eu vou servir; hora de reunião, reunião. Esse princípio foi o que guardei e Deus sempre me abençoou. Deus é fiel.

 

EVE: Se alguém já está cursando algo e, de repente, não gosta mais daquilo, deveria sair imediatamente ou terminar o que já faz e depois buscar outra profissão?

– Miguel: Tudo isso aí depende muito da oração e da consulta ao Senhor. Eu já conheci casos de irmãos que fizeram vestibular para três cursos diferentes: cursou meio ano, não era; fez vestibular para outra coisa, depois de meio ano, não era; depois fez para outra coisa, não era. Existia muita incerteza nesse aspecto, porque ele imaginava uma coisa e era outra. E isso é o que também pode acontecer, porque muitas vezes, na hora de escolher, a pessoa ainda não está preparada. Por isso, é importante ter comunhão, conhecer, falar com as pessoas que já estudaram, cursaram, para saber com o que realmente o curso acaba trabalhando.

Por vezes, a pessoa, muito impulsiva, vai pelo sentimento do momento. A própria pessoa não foi diante do Senhor para ver: “Senhor, o que eu devo fazer?”. Por exemplo, eu estudei engenharia elétrica. Foi muito bom para mim. E eu tenho certeza que foi algo que Deus mandou. Mas Deus quis que eu estudasse engenharia elétrica não para ser um engenheiro, mas para ser fazendeiro. Creio que essa é a maneira, o caminho de Deus. Porque eu aprendi a ver as coisas, aprendi a analisar as coisas, aprendi muito com o meu pai e o resultado: eu me tornei presidente de muitas entidades. Todo lugar que eu vou, faço alguma coisa, eles querem que eu me torne o presidente. Por quê? Porque aprendi a ver as coisas. O pessoal começa a discutir, a discutir, aí depois de tudo eu digo: “Posso falar?”. Em poucas palavras eu: “pá!”, toco no ponto e todo mundo fala: “Uau! Guia-nos, guia-nos!” [Risos dos entrevistadores]. É verdade! Eu fui presidente de muitas entidades, entidades de pesquisa, representação de classe, muitas! Fui presidente de muita, muita coisa mesmo. Mas por quê? Os outros me escolheram. Eu não quis, não disse: “Eu quero ser!”. Eles que diziam: “Por favor, por favor, vá! Nós não sabemos”. Mas isso aqui é porque eu tive uma formação, eu estudei, eu fui um bom aluno. Eu me formei bem mesmo – altas notas e era bem conceituado dentro da faculdade de engenharia. Então, observe: é importante você estudar bem, se aplicar e Deus vai usar de uma maneira ou de outra. A maneira como Deus vai nos usar não é alguma coisa que a gente imagina, porque as coisas mudam no dia a dia.

 

EVE: Surge uma situação, aí ele tem que abandonar os estudos. Como lidar com essa situação?

– Miguel: Novamente, é o seguinte: existe a necessidade? Ok, existe. Precisa? Precisa. Tem de abandonar? Tem de abandonar. Obedeça. Entende? Se existe a necessidade, tem de fazer. Agora, se puder dizer assim: “Eu posso ainda estudar e trabalhar ao mesmo tempo só que vai ser bastante sacrificado” – tudo bem, faça. Depende muito de oração.

 

EVE: E nessa questão do sacrifício, como conciliar com toda essa dificuldade – 8h de trabalho, depois às vezes mais 5h de faculdade – a uma vida normal da igreja?

– Miguel: Olha, sempre tem tempo. Não no meio da semana. Sempre tem no final da semana. O fato de você ser uma pessoa ocupada não quer dizer que você não tem uma vida com Deus. Eu posso ser extremamente ocupado, mas viver intensamente a minha vida espiritual no trabalho e no estudo. Por exemplo, eu trabalhei como fazendeiro, cuidei da fazenda, eu vivi intensamente com Deus. A minha experiência cristã foi fundamentada na vida intensa com Deus como um empresário e, também, como estudante. Quando era estudante, vivi intensamente com Deus. Não são coisas que se excluem. Você pode estudar bem e viver intensamente. Não quer dizer que você esteja na reunião. Mas, no final de semana, eu estava nas reuniões. Entende? Eu estava nas reuniões e participava. No meio da semana, minha agenda era cheia! Mas vivendo intensamente com Deus.

 

EVE: Como aplicar aquilo que eu aprendo no meu exercício profissional no viver da igreja ou na minha comunhão com o Senhor?

– Miguel: Temos que ir diante do Senhor. Isso depende muito da sua oração, consagração, comunhão com Deus. Se você vir que tudo o que você aprendeu foi algo que Deus deu para você, sempre vai querer que isso se torne algo útil para o reino. Por exemplo, existem certas coisas, certos problemas, certos fatos, e Deus te deu tal curso para você aprender a ver certas coisas sob um ângulo. Outras pessoas que não têm esse curso não conseguem ver essas coisas desse ângulo. Isso quer dizer, então, que a sua formação é de muita utilidade porque você pode dizer: “olhe as coisas por esse ângulo”. E isso pode abrir caminhos para muitos outros e mesmo para muitas coisas de Deus. Nós vivemos numa sociedade humana, existem as leis humanas e nós devemos saber como nos inserir no meio da sociedade e brilhar. Uma vez um irmão me falou: “eu não sei por que Deus me fez para estudar isso!”. Ele fez direito, eu acho. Disse a ele: “Irmão, existem muitos advogados, Deus quer que você seja um advogado que brilhe, é por isso que Deus fez você estudar direito”. Deus fez o outro estudar odontologia, porque Ele quer que o outro seja um dentista que brilhe, que expresse Cristo. É possível expressar Cristo no direito, na odontologia, na medicina, na agronomia… É Deus manifesto, Cristo é tudo em todos.

 

Mensagem final:

– Miguel: Tenho duas porções da Bíblia para compartilhar com vocês. A primeira está em Salmos 37:5: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele e o mais Ele fará”. Esse coração de entregar e confiar não é baseado em vantagens e desvantagens. Quando um jovem escolhe uma profissão, ele se baseia em vantagens e desvantagens. Quando entregamos para o Senhor, não consideramos vantagens ou desvantagens, só queremos saber de uma coisa: é ou não é a vontade de Deus? Se é a vontade de Deus e, aparentemente, é tudo desvantagem, vou escolher essa mesma. “Mas é só desvantagem!” – “não escolhi porque é vantagem ou desvantagem, escolhi porque essa é a vontade de Deus para minha vida”.

A segunda está em Provérbios 16:1-3: “O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do SENHOR. Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o SENHOR pesa o espírito. Confia ao SENHOR as tuas obras, e os teus desígnios serão estabelecidos”. Esses versículos devem ser uma diretriz para as nossas vidas.

Fim da parte 2

Esperamos que você tenha recebido ajuda por meio das palavras do irmão Miguel Ma. Compartilhe com seus amigos para que eles também possam recebê-la.


Entrevista realizada por Mário Guazzeli Freitas e Carolina Lacerda.

Acesse também:

Ezra Ma Responde | Jovem líder e o destino do povo de Deus

Ildeu Responde | Leitura da Bíblia 

Deixe seu comentário