Sempre me encantei com a história de Rute. Os quatro capítulos do livro homônimo contam sobre essa mulher moabita, que ficou viúva e escolheu voltar com a sogra, hebreia, para Judá. Essa escolha fez Rute parte do povo de Deus, da linhagem de Davi e do Salvador, Jesus.

Dizer que Rute era moabita, é mais intenso do que dizer que ela não era hebreia. Os moabitas surgiram do incesto entre Ló e sua filha. E esse povo fora decretado pelo Senhor como aqueles que jamais poderiam fazer parte do povo de Deus. E ainda, aos hebreus era proibido fazer qualquer bem aos moabitas. Porque quando o povo de Deus saiu do Egito não lhes deram comida nem água e também pagaram Balaão para amaldiçoá-los.(Neemias 13:1-2)

Rute era casada com um hebreu e vivia com a família dele. Essa família era então composta da mãe viúva, os dois filhos e as duas noras, Rute e Orfa. Os dois filhos vêm a falecer deixando as três mulheres desamparadas. Por não haver homens na família, elas não tinham o direito à herança.

Noemi, a sogra de Rute, ao saber que as coisas estavam melhores para os hebreus resolve voltar para Judá com suas duas noras. No caminho, ela percebe que não havia chance de que a vida daquelas duas jovens viúvas prosperasse caso a acompanhassem. Por isso, Noemi aconselha que as noras voltem para Moabe onde poderiam encontrar um marido e constituir um lar.

Ambas, choram e dizem que não a deixarão. Noemi insiste e diz que o melhor para elas é que voltem para a casa de seus pais. Uma das noras, Orfa ouve-a e vai embora triste. Rute, ignorando toda a circunstância negativa em um ato de coragem, fé e amor diz para Noemi:

“Não insista para que eu a deixe nem me obrigue a não segui-la! Porque aonde quer que você for, irei eu; e onde quer que pousar, ali pousarei eu. O seu povo é o meu povo, e o seu Deus é o meu Deus. Onde quer que você morrer, morrerei eu e aí serei sepultada. Que o Senhor me castigue, se outra coisa que não seja a morte me separar de você.” (1:16 – NAA).

Rute amou Noemi e deixou sua cultura, a chance de reconstruir sua vida, seu povo e seus deuses para segui-la. Ela sabia que aquela família da qual passou a fazer parte ao se casar servia ao único Deus, escolhendo-O para ser seu Deus também.

Rute tomou uma decisão firme e corajosa sem imaginar o que o futuro traria. Apesar de a lei afirmar que  um moabita jamais poderia ser parte do povo de Deus, ela tinha a certeza de que precisava largar tudo para ser daquele povo e servir a Deus.

A primeira grande escolha de Rute foi seguir a sogra. Depois, ela continuou honrando, amando e obedecendo-a.  A segunda grande escolha foi Boaz. Ela seguiu passo a passo a recomendação de sua sogra, Noemi. E como resposta ouviu de Boaz:

“Que você seja bendita do Senhor, minha filha! Você se mostrou mais bondosa agora do que no passado, pois não foi procurar um homem mais jovem, fosse rico ou fosse pobre. E agora, minha filha, não tenha medo. Tudo o que você falou eu vou fazer, porque todo o povo da cidade sabe que você é uma mulher virtuosa.” (3:10-11 – NAA).

Assim, após uma sequência de detalhes planejados por Deus, Rute casa-se com Boaz. Este homem, que era da mesma família que seu falecido marido, resgatou a herança que havia sido perdida. Rute não foi apenas a companhia de Noemi, mas também trouxe recomeço para aquela linhagem, aquela família.

O livro de Rute termina com a seguinte cena:

“Então as mulheres disseram a Noemi:

Bendito seja o Senhor, que não deixou hoje de lhe dar um neto que será o seu resgatador. Que o nome dele venha a ser famoso em Israel! Nele você terá renovação da vida e consolo na velhice, pois a sua nora, que ama você, o deu à luz, e para você ela é melhor do que sete filhos.

Noemi pegou o menino no colo e passou a cuidar dele. As vizinhas lhe deram nome, dizendo:

Nasceu um filho para Noemi! E o chamaram de Obede. Este veio a ser o pai de Jessé, pai de Davi.” (4:14-17 – NAA).

Em cada nova leitura que faço desse livro aprendo algo novo. Ao escrever esse texto percebi que preciso permitir que Deus mude a minha história e realize o plano Dele através de minhas escolhas. Essas decisões não são resolvidas com uma lista de prós e contras. Não é lógica, e sim coragem, fé e amor.

Rute ao mudar a própria história, passou a ser uma parte importante do plano de Deus. Os hebreus viviam governados por juízes em um período de conflitos, guerras e instabilidade. Não havia uma ordem soberana. A genealogia de Jesus nos mostra que da escolha de Rute veio o rei Davi, um homem segundo o coração de Deus, e veio Jesus, o nosso resgatador.

A questão é que nosso Deus é um Deus que trabalha nos detalhes. Situações que podem parecer erros de percurso resultam lá na frente em histórias boas, perfeitas e agradáveis. O Autor da nossa história preocupa-se não só com o final, mas trabalha nos mínimos detalhes para se encaixar perfeitamente nos planos Dele. E estes são bem mais altos do que os nossos, infinitamente mais do que pedimos ou pensamos.