No primeiro texto da série, vimos um pouco sobre o que foi a Reforma Protestante, seu contexto e motivações. Também mencionamos alguns irmãos que foram de grande importância para este movimento. Agora, veremos um pouco mais sobre seus princípios básicos, itens de fundamental importância na Palavra de Deus, dos quais não podemos nos esquecer.

Os “Cinco Solas”, como conhecidos, são lemas em latim que sumarizam tais princípios. Verdades que a Igreja Católica havia deixado para trás e os reformadores se empenharam para resgatar:

Sola scriptura (Somente a Escritura)
Sola fide (Somente a fé)
Solus Christus (Somente Cristo)
Sola gratia (Somente a graça)
Soli Deo gloria (Glória somente a Deus)

Você consegue imaginar a situação da igreja sem esses princípios tão importantes? Tempos terríveis, com toda certeza! Graças a Deus, hoje eles são pregados entre cristãos fiéis, embora o mundo ainda insista em apagá-los e distorcê-los. Precisamos, então, conhecê-los, valorizá-los e aplicá-los em nossas vidas. Eles estão descritos a seguir:

Somente pela fé podemos ser considerados justos diante de Deus. A igreja Católica contrariava esse princípio ao pregar que a salvação poderia ser alcançada por meio de obras, como a prática da caridade e da penitência e por meio da compra de indulgências.

Mas a verdade é que todos os homens pecaram e nada do que possamos fazer por esforços próprios pode compensar tal injustiça diante de Deus e salvar-nos da condenação (Rm 3:23, 28). Porém, pela fé nos tornamos justos diante Dele (1:17; 5:1) e livres da condenação.

Sempre louve a Deus por esse fato e descanse na obra de Cristo, além de anunciar o evangelho, para que outras pessoas creiam e sejam salvas.

Somente a Bíblia é a autoridade infalível sobre a qual devemos basear nossa fé. A Igreja Católica crê que ela é a Palavra de Deus, mas afirma que a tradição e o Papa têm a mesma autoridade. Os reformadores lutaram contra esse ensinamento, proclamando que somente as Escrituras devem ser a regra de prática e fé do cristão. Elas nos ensinam tudo que é necessário para a salvação e como devemos viver (2 Tm 3:16-17). As tradições religiosas e as opiniões das pessoas não têm essa autoridade.

Em seu coração, quem tem falado mais alto: os “achismos” ou a Bíblia? Com que frequência você a lê? Realmente a conhece? Tem experiência pessoal com ela ou apenas se baseia na experiência de outros? Usando as Escrituras, Jesus venceu as tentações do diabo no deserto, então, conhecendo-as, você pode estar seguro diante do enganador.

Somente Cristo é o mediador entre Deus e os homens (1 Tm 2:5)! A Igreja Católica contrariava tal princípio ao pregar a intercessão dos santos e a confissão de pecados aos padres. Mas a Palavra de Deus afirma que a obra de Cristo é suficiente para nos reconciliar com Deus. Não precisamos de outra pessoa para ir ao Pai.

Você tem consciência de quão acessível Ele está? Tem ido a Ele para ter comunhão em oração? Ainda que tenhamos cometido pecados, podemos ir a Cristo, nos arrepender e confessar, na confiança de que Ele é nosso Advogado diante do Pai, o qual nos receberá de volta à Sua presença (1 Jo 1:9; 2:1).

Somente pela graça de Deus podemos ser salvos (Ef 2:8). Além de pregar a salvação pelas obras, a Igreja Católica também pregava que somente quem se unisse a ela seria salvo, doutrinas combatidas pelos reformadores. Que Ele nos guarde do pensamento orgulhoso de que somos bons por fazer coisas para Ele e assim ser salvos! É Ele que é bondoso e nos concede a salvação imerecida (Rm 2:4, Ef 2:5).

Você já descobriu a grandeza da salvação que recebeu de graça e fala dela a outras pessoas? Mesmo que você ainda cometa erros e enfrente dificuldades, tenha certeza de que a graça do Senhor o supre (2 Co 12:9).

Glória somente a Deus! Na igreja jamais se deve buscar posição, poder, exaltar qualquer coisa ou pessoa que não o Senhor. O catolicismo desobedecia tal princípio, colocando santos, papas, instituições, relíquias e sacerdotes no lugar de Deus. Saibamos que devemos servi-Lo com motivação pura: Sua glória, que Ele não divide com ninguém (Is 42:8).

Aquilo que você busca na terra serve a esse propósito? Cristo tem sido o centro de sua vida? Você tem servido ao Senhor com um coração puro? Ou tem segundas intenções ao fazê-lo? Não deixe que nada tome o lugar de Deus em seu coração e que nada lhe faça buscar para si a glória que é de Dele.

Conclusão

Podemos sempre aprender com o que Deus fez entre seus servos no passado. Somos privilegiados por receber a ajuda de diversos irmãos que vieram antes de nós. Os reformadores retornaram a itens fundamentais das Escrituras. Delas, ainda hoje, somos propensos a nos afastar. Mas conhecer exemplos de pessoas consagradas a Deus, bem como o legado que deixaram, é um grande encorajamento para permanecermos firmes na Palavra.

Que, com a ajuda da graça, permaneçamos fiéis às Escrituras, lendo-as com fé, na certeza de que nenhuma obra que façamos pode nos salvar. Apenas a obra feita por Cristo tem tal poder e Ele, nosso sumo sacerdote, intercede por nós diante do Pai. A Ele a glória eternamente! Que esta seja a motivação de tudo que fizermos (1 Co 10:31).

Por fim, deixamos um belo hino baseado nos Cinco Solas da Reforma. Traduzido da canção “Reformation Hymn”:

Fontes
http://www.napec.org/apologetica/cinco-solas-da-reforma-protestante/

http://ultimato.com.br/sites/estudos-biblicos/assunto/vida-crista/sola-scriptura/

https://www.theopedia.com/five-solas

Arte da imagem: Maria Paula Ñañez.

 

Série Reformadores

Visão Geral da Reforma

Cinco Solas

A Bíblia e a Reforma

John Wycliffe

John Huss