John Huss nasceu na região da Boêmia, onde hoje se encontra a República Tcheca. É considerado por muitos como um dos precursores da Reforma Protestante, visto que muitas de suas crenças, sobre as quais  pregava, são  base do pensamento dos reformadores.

Sabe-se pouco,ou quase nada, sobre a história de John Huss antes de iniciar a vida religiosa. Acredita-se que ele teve uma infância muito pobre, sem qualquer tipo de luxo, o que explica o motivo que o fez ingressar, em 1390, na Universidade de Praga para o treinamento sacerdotal,conforme  confessou posteriormente: ter uma vida confortável e ser estimado pelos homens da época. Apesar da motivação reprovável, após certo tempo, Huss, provavelmente influenciado pelas ideias de John Wycliffe, tornou-se cada vez mais comprometido com Cristo e com a Bíblia.

O compromisso com a Verdade fez com que John Huss se opusesse seriamente à corrupção e à imoralidade na Igreja Católica de seu tempo, refletidas, por exemplo, no comércio de indulgências. John Huss acreditava e pregava que apenas Cristo é o cabeça da Igreja, estando acima de qualquer autoridade instituída por homens, inclusive do próprio papa. Também cria na igreja invisível, que é o Corpo de Cristo, a igreja formada pelos crentes de todas as eras, pelos reais eleitos de Deus. Era incisivo ao afirmar que nem todos os pertencentes à igreja visível, institucional, eram membros do Corpo de Cristo, da real igreja. Ao dizer isso,  incluía todas as autoridades eclesiásticas, de modo que tal postura incomodou em muito o clero, uma vez que ameaçava seu poder e autoridade diante do povo.

Além disso, Huss recusava tudo que não fosse a pura Palavra de Deus, inclusive ordens e ensinamentos diretos do papa. Não confiava em interpretações feitas por homens, nem mesmo nas suas. Somente a Bíblia poderia ser considerada como regra para a fé e prática cristã, pois interpretações humanas são passíveis de erros e podem conduzir  ao engano. Cria que somente a Palavra é a Verdade e deve ser seguida.

Como, porém, o povo poderia seguir a Bíblia se na época, as missas eram realizadas em Latim, o que o fazia alheio aos ensinamentos bíblicos e à adoração a Deus?  Huss  realizava as pregações em Tcheco, para que a palavra pudesse ser acessível a todos. Isso atraía multidões dispostas a ouvir e aprender mais sobre a Verdade. Ele também chegou a traduzir partes da liturgia e hinos do latim para o tcheco.

Outra prática católica criticada por Huss era a adoração à Maria e a outros santos. Ele sabia que apenas Deus deveria ser adorado, pois apenas Ele é digno de toda  adoração. Também opôs-se fortemente à riqueza e opulência da igreja, comparando a humildade e simplicidade de Cristo com o desejo incansável por poder proveniente de diversos sacerdotes. Além disso, lutava para que as pessoas tivessem acesso à comunhão, posto que, na época, apenas o clero poderia tomar do pão e do vinho,símbolos do corpo e  sangue de Cristo, excluindo-se assim o povo, principalmente os mais pobres.

John Huss incomodou sobremodo as autoridades da Igreja Católica, sendo assim excomungado, mas isso não o impediu de prosseguir pregando sobre o que cria. Foi excomungado uma segunda vez, o que também não o impediu de continuar disseminando suas ideias. Entretanto, devido a fatores políticos, a perseguição  aumentou e ele se submeteu a  exílio de dois anos, onde escreveu livros e aprofundou-se na Palavra.

Por fim, foi convocado ao Concílio de Constança, no qual foi julgado culpado por heresia e condenado. John Huss morreu queimado numa fogueira, convicto de suas crenças, cantando salmos em louvor ao Senhor. Atribui-se a ele  a seguinte frase:

“Podem matar um ganso [em tcheco Huss significa ganso], mas daqui a cem anos Deus suscitará um cisne que não poderão queimar”

Acredita-se que, com essa frase, Huss se referia a Lutero, que 102 anos depois pregou suas 95 teses na Igreja do Castelo, desencadeando a Reforma Protestante

Lições breves que podem ser extraídas da vida de John Huss

A vida de John Huss é uma grande lição para todo cristão, por  sua fé na Bíblia, em Cristo e extrema convicção no que cria. Precisamos rogar a Deus que nos dê tal convicção, a ponto de não duvidarmos que a Bíblia é a revelação divina para a humanidade, de modo que ela é a Verdade que deve ser seguida e vivida por todos os homens. Graças à luta de homens como Huss, hoje a Palavra está disponível em diversas línguas ao redor do mundo, sendo de fácil acesso  à maioria das pessoas.

Outras convicções importantes de John Huss eram: apenas Deus é digno de ser adorado (Lc 4:8); apenas Cristo, e jamais qualquer líder religioso, é o cabeça da igreja de Deus (Ef 5:23); a igreja não é um templo ou um grupo específico, a igreja é o Corpo de Cristo, formada pelos crentes de todas as eras.

Que Deus nos dê cada dia mais convicção de nossas crenças, para que possamos  comprometer-nos mais com o evangelho, com Cristo e, consequentemente, com a igreja.

Com colaboração de João Pedro Gindro.

Série Reformadores

Visão Geral da Reforma

Cinco Solas

A Bíblia e a Reforma

John Wycliffe

John Huss