Chegamos a mais um texto da série O Poder que Liberta. Vimos diversas coisas que podem prejudicar nossa vida com Cristo e das quais precisamos de libertação. Porém, mesmo conhecendo tais males, pode ser que não consigamos reagir diante deles como devido, nos arrependendo e deixando tais coisas para trás. Por isso, falaremos agora sobre o poder que liberta do coração impenitente.

O poder que liberta do coração impenitente

Como cristãos, muitos de nós já ouvimos o termo “coração impenitente”. Paulo usa esse termo no livro de Romanos: “Mas, segundo a tua dureza e coração impenitente, acumulas contra ti mesmo ira para o dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus, que retribuirá a cada um segundo o seu procedimento” (Rm 2:5-6). Um coração impenitente é um coração que já não consegue mais se arrepender. Sim, que não consegue. Não quer dizer que a pessoa não quer se arrepender, mas que não consegue fazê-lo.

Esse foi o caso de Judas que, depois de entregar o Senhor aos soldados, teve um desejo imenso de se arrepender, mas não o fez por ter um coração impenitente e devido a esse sofrimento se enforcou (Mt 27:1-5). Nessa passagem, está escrito que Judas estava tocado por remorso (v. 1). Quando não temos um coração impenitente e quando surge o que seria o remorso, o Senhor nos dá o arrependimento por sua bondade.

Nessas passagens, vemos o terror do coração impenitente e o estrago que ele pode causar nas pessoas. Muitos de nós podemos pensar que esse versículo do livro de Romanos não nos é aplicável, pois sempre nos arrependemos. Será? Você tem certeza que consegue se arrepender de todos os pecados?

Existem três possíveis finais depois que alguém peca: o primeiro é aquele que nem conseguimos perceber nosso pecado; o segundo é o do remorso, o qual nós queremos, mas não conseguimos nos arrepender; o terceiro é o do arrependimento genuíno, dado pelo Senhor por sua infinita bondade (Rm 2:4).

A causa

O que causa o problema do coração impenitente é a consciência cauterizada. Paulo fala a Timóteo em sua primeira epístola: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência” (1 Tm 4:1-2). As ideologias do mundo de hoje têm constantemente invertido valores nesses últimos tempos. Sobre as muitas coisas que lemos na bíblia, as pessoas têm dito que são ultrapassadas e que os tempos são outros. Devido o muito contato com essas ideologias, as pessoas vão pouco a pouco cauterizando a própria consciência. Com a consciência cauterizada, pouco a pouco as pessoas não veem a diferença entre o certo e o errado. E quando não vemos o que é errado, não podemos nos arrepender.

Infelizmente, isso é mais comum do que parece. Você pode estar pensando nos pecados mais explícitos, como relações sexuais ilícitas, etc. Mas não é só disso que estamos falando aqui. Todos sabemos a importância de respeitarmos nossas autoridades, então eu te pergunto: quantas vezes você já discutiu com seus pais e saiu pensando que estava com a razão? Por mais que estejamos certos, devemos ser submissos às nossas autoridades (Rm 13:1). Mas, algumas vezes não vemos esse pecado e não nos arrependemos.

Se você parar para pensar nesse ponto de vista, perceberá quantas vezes já pecou e não se arrependeu. Todo homem, ao menos uma vez, já sofreu com o coração impenitente (mesmo que não tenha percebido).

A saída

Amado leitor, espero que este texto até agora tenha te servido de luz, para que você veja pecados que não via antes. Mas agora eu te trago as boas-novas: VOCÊ PODE SER LIBERTO!

A palavra arrependimento no original grego é μετανοεῖν – metanoia, que tem  o prefixo “meta”, com o significado de ‘além’, ‘depois’ e o radical “noia” que quer dizer ‘pensamento, ‘mente’. O arrependimento leva nossa mente além, a evolui. Então, podemos dizer que arrependimento é uma mudança de pensamento, uma evolução.

Em Romanos 2:4, Paulo escreve: “Ou desprezas a riqueza da sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento?”. Nessa passagem, Paulo mostra a origem do verdadeiro arrependimento – a bondade de Deus. Então, nela vemos que a bondade de Deus é capaz de mudar nossa mente. Jovem, você crê nisso?

O remorso, por um lado, nos mostra que nossa consciência não está completamente cauterizada, pois percebemos nosso erro; por outro lado, também nos mostra que não estamos buscando o Senhor de todo o nosso coração.

No livro do profeta Jeremias, está escrito: “Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jr 29:13). Deus não quer uma “meia consagração”, Ele nos quer por completo! Então, o primeiro passo é buscar o Senhor de todo o nosso coração. Após encontrá-Lo, vem a nossa atitude para o arrependimento: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” (2 Cr 7:14). Portanto, após se encontrar com o Senhor, se humilhe perante Ele, ore mais intensamente, busque se aproximar mais Dele e peça o arrependimento pelos seus erros. Por fim, o Senhor nos ouvirá, nos perdoará e sarará nosso coração impenitente com o genuíno arrependimento!

JOVEM, O SENHOR QUER TE PERDOAR! SE ENTREGUE A ELE, PORQUE ELE É FIEL E JUSTO PARA NOS PERDOAR!


No próximo texto, falaremos sobre o poder que liberta da incredulidade.

Série O Poder que Liberta:
O Poder que Liberta da Morte e do Pecado | Série O Poder que Liberta (1)
O Poder que Liberta da Acusação | Série O Poder Que Liberta (2)
O Poder que Liberta do Mundo, da Apatia e da Insatisfação | Série O Poder que Liberta (3)
O Poder que Liberta do Coração Impenitente | Série O Poder que Liberta (4)