Introdução – Série “Não ameis o mundo” (2)

Vimos no post anterior sobre o sistema deste mundo, o kosmos, e quem é que está por trás dele. No post de hoje tentaremos nos aprofundar nas características desse sistema.

Tendência oposta a Deus

Acreditamos, de imediato, que as coisas pecaminosas são de Satanás. Acreditamos, porém, da mesma forma, que as coisas do mundo são satânicas? Muitos de nós vacilam em relação a isso. Contudo, a palavra de Deus afirma que “o mundo inteiro jaz no maligno” (1 Jo 5:19). Satanás nos conhece e sabe que tentar seduzir cristãos verdadeiros usando coisas claramente pecaminosas é um esforço vão. Nós somos ágeis para evitar as concupiscências, mas somos facilmente envolvidos quando se trata de  assuntos aparentemente inofensivos como política, educação e trabalho.

Entretanto, na luz da Palavra, o Senhor nos indica que tudo que faz parte do mundo está em desacordo com o propósito de Deus. O Senhor Jesus, em Suas palavras, diz que era chegado o momento de ser julgado este mundo (Jo 12:31). Essas palavras indicam, claramente, a condenação sobre tudo que constitui o kosmos e não teriam sido ditas se não houvesse algo radicalmente errado com ele. Mais adiante, Jesus continua: “agora o príncipe deste mundo será expulso”. Nosso Senhor não está simplesmente destacando a relação íntima entre Satanás e a ordem mundial, mas o fato de que a condenação do mundo também diz respeito à condenação de Satanás. Reconhecemos que Satanás é o príncipe deste mundo? Reconhecemos que ele é o verdadeiro mestre de todas aquelas coisas que, juntas, formam o sistema mundial? Quando somos convidados para ir a festas ou bares, nossa reação como cristãos é de forte desaprovação. Para nós, isso é o mundo por excelência. Mas no que diz respeito à ciência, ao trabalho e a valores sociais essa desaprovação pode ser inexistente.

Devemos saber que o julgamento de Deus não está apenas sobre certas coisas específicas que pertencem a este mundo, mas sobre todas elas. Para Deus, o mundo inteiro jaz no maligno, não apenas uma parte dele! Na natureza existe uma lei da reprodução, que governa todas as atividades biológicas. Geração após geração, pais podem gerar filhos segundo a sua espécie; porém uma coisa é certa: cristãos não podem conceber cristãos! Nem mesmo quando ambos os pais o são, isso não significa que os filhos serão, automaticamente, cristãos. Tudo o que pertence à natureza humana continua espontaneamente; tudo o que pertence a Deus continua somente enquanto a operação de Deus continua. O mundo inclui tudo o que pode continuar, independentemente da interferência divina, isto é, pode prosseguir por conta própria, sem necessidade de atos específicos de Deus para prosseguir. Agindo assim, move-se em direção contrária à vontade de Deus.

Podemos ilustrar isso através da palavra de Deus e da experiência de Seu povo. A história de Israel, no Velho Testamento, nos dá o exemplo de uma nação altamente privilegiada e de seu governo. O povo de Israel queria se relacionar com as nações ao redor e, para isso, desejava um rei. Finalmente, no tempo escolhido por Deus, foi-lhes concedido um rei que estabeleceria o reino sob a Sua própria direção. Mesmo sendo isso uma interferência de Deus, o curso natural do reino fez com que ele fosse dirigido para longe de Deus, pois um reino é algo mundano. Se olharmos atentamente o cenário político de qualquer país, ele segue seu curso natural: afastar-se de Deus. No caso do povo de Israel, sempre que Deus cessou Seus atos a favor deles, o reino de Israel derivou para alianças políticas idólatras. É verdade que houve recuperações, mas cada uma delas foi marcada por uma intervenção divina sem a qual o curso seria sempre decrescente.

Observando o campo da educação, isso também é evidenciado. Muitos dos histó­ricos estabelecimentos universitários do ocidente foram fundados por homens cristãos, que desejavam proporcio­nar a seus semelhantes uma boa educação, sob influên­cia cristã. Durante a vida de seus fundadores, o caráter daquelas fundações era elevado, porque esses homens colocaram conteúdo espiritual real nelas. Quando, porém, essas pessoas se foram, o controle espiritual se foi também e a educação seguiu seu curso inevitável em direção ao mundo do materialismo e para longe de Deus. Suponhamos que você esteja cursando determinado curso superior. Você deve estar claro de que Satanás faz uso do ambiente universitário para destruir os jovens, pois este é um ambiente mundano. Não, não deixe de estudar! Mas cami­nhe cuidadosamente, pois você está sobre território que é governado pelo inimigo de Deus e, a não ser que este­ja vigilante, você é tão passível de se tornar presa de suas armadilhas como qualquer outra pessoa. Devemos dedicar nossos estudos ou profissões ao serviço da vontade de Deus, pelo tempo que Ele deseje! Nosso papel como cristãos é ser o sal da terra e a luz do mundo!

Para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo” (Fp 2:15).

Artigo inspirado no livro Não Ameis o Mundo, de Watchman Nee, Editora dos Clássicos (2008).
Artigos da série:

A Mente Por Trás do Sistema – Série “Não Ameis o Mundo” (1)

Tendência Oposta a Deus – Série “Não Ameis o Mundo” (2)

Um Mundo Sob a Água – Série “Não Ameis o Mundo” (3)

Crucificado para Mim – Série “Não Ameis o Mundo” (4)

Diferenciação do Mundo – Série “Não Ameis o Mundo” (5)

Luzes no Mundo – Série “Não Ameis o Mundo” (6)‏

Desapego – Série “Não Ameis o Mundo” (7)

O Refrigério Mútuo – Série “Não Ameis o Mundo” (8)

Minhas Leis em Seus Corações – Série “Não Ameis o Mundo” (9)

Os Poderes do Mundo Vindouro – Série “Não Ameis o Mundo” (10)

Roubando o Usurpador – Série “Não Ameis o Mundo” (11)

Deixe seu comentário